Results for 'Roy C. Lee'

998 found
Order:
See also
Roy C. Lee
Stanford University (PhD)
  1.  68
    The Function Argument in the Eudemian Ethics.Roy C. Lee - forthcoming - Ancient Philosophy.
    This paper reconstructs the function argument of Aristotles Eudemian Ethics ii 1. The argument (1) seeks to define happiness through the method of dichotomous division; (2) (...)shows that the highest good is better than all four of the goods of the soul, not only two, as commentators have thought; and (3) secures its conclusion without invoking the human function, sidestepping a fallacious inference alleged of the Nicomachean argument. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  2. Societal-Level Versus Individual-Level Predictions of Ethical Behavior: A 48-Society Study of Collectivism and Individualism.David A. Ralston, Carolyn P. Egri, Olivier Furrer, Min-Hsun Kuo, Yongjuan Li, Florian Wangenheim, Marina Dabic, Irina Naoumova, Katsuhiko Shimizu, María Teresa Garza Carranza, Ping Ping Fu, Vojko V. Potocan, Andre Pekerti, Tomasz Lenartowicz, Narasimhan Srinivasan, Tania Casado, Ana Maria Rossi, Erna Szabo, Arif Butt, Ian Palmer, Prem Ramburuth, David M. Brock, Jane Terpstra-Tong, Ilya Grison, Emmanuelle Reynaud, Malika Richards, Philip Hallinger, Francisco B. Castro, Jaime Ruiz-Gutiérrez, Laurie Milton, Mahfooz Ansari, Arunas Starkus, Audra Mockaitis, Tevfik Dalgic, Fidel León-Darder, Hung Vu Thanh, Yong-lin Moon, Mario Molteni, Yongqing Fang, Jose Pla-Barber, Ruth Alas, Isabelle Maignan, Jorge C. Jesuino, Chay-Hoon Lee, Joel D. Nicholson, Ho-Beng Chia, Wade Danis, Ajantha S. Dharmasiri & Mark Weber - 2014 - Journal of Business Ethics 122 (2):283–306.
    Is the societal-level of analysis sufficient today to understand the values of those in the global workforce? Or are individual-level analyses more appropriate for assessing the (...) influence of values on ethical behaviors across country workforces? Using multi-level analyses for a 48-society sample, we test the utility of both the societal-level and individual-level dimensions of collectivism and individualism values for predicting ethical behaviors of business professionals. Our values-based behavioral analysis indicates that values at the individual-level make a more significant contribution to explaining variance in ethical behaviors than do values at the societal-level. Implicitly, our findings question the soundness of using societal-level values measures. Implications for international business research are discussed. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   11 citations  
  3. Spinoza, Bennett, and Teleology.Lee C. Rice - 1985 - Southern Journal of Philosophy 23 (2):241-253.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   2 citations  
  4. Morgenbesser's Coin and Counterfactuals with True Components.Lee Walters - 2009 - Proceedings of the Aristotelian Society 109 (1pt3):365-379.
    Is A & C sufficient for the truth ofif A were the case, C would be the case’? Jonathan Bennett thinks not, although the counterexample he gives (...) is inconsistent with his own account of counterfactuals. In any case, I argue that anyone who accepts the case of Morgenbesser's coin, as Bennett does, should reject Bennetts counterexample. Moreover, I show that the principle underlying his counterexample is unmotivated and indeed false. More generally, I argue that Morgenbessers coin commits us to the sufficiency of A & C for the truth of the corresponding counterfactual. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   21 citations  
  5.  21
    The Free Speech Century Lee C. Bollinger & Geoffrey R. Stone, 2018 New York, Oxford University Press. Xvi + 356 Pp, $99.00 (Hb) $21.95[REVIEW]Mark Satta - 2020 - Journal of Applied Philosophy 37 (2):332-334.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  6. Mind as Conceptual Structure: On Ethical Theory of C. I. Lewiss Conceptual Pragmatism.Cheongho Lee - 2017 - Journal of Ethics: The Korean Association of Ethics 1 (113):73-89.
    Clarence I. Lewis (1883-1964) delineated the structure of mind based on hisconceptual pragmatism.” Human mind grounds itself on the ongoing dynamic interaction of relational processes, (...)which is essentially mediated and structural. Lewiss pragmatism anchors itself on the theory of knowledge that has the triadic structure of the given or immediate data, interpretation, and the concept. Lewis takes the a priori given as a starting point of meaningful experience. The interpretative work of mind is the mediator of the a priori given and the concepts. The a priori given is the principle that determines the application of concepts in our interpretative process. Our mind interprets the given in relating to other possible experience. In other words, the meaning of the a priori given is determined by mind, the subject of interpretative process, which performs constructive and legislative activity, and allows room for the existence of alternatives. Lewiss theory of knowledge calls for pragmatic justification of value experience. In his ethical theory, Lewis pursues to find answers for how to build up the objectivity of value experience regarding the work of mind as conceptual apparatus. For Lewis, knowledge is a claim about valuation and normativity. In our value experience, the normative significance of our empirical assessments for action comprises objective significance for future experience. Mind isprinciple- content apparatuscomposed of imperatives as the a priori given principles and the contents of experience as a whole.Imperatives are the result of lessons accumulated from the past and function as rules for the future. Individuals start their experience from imperatives and organize their own experience by doing based on the inferential process, which is directional from the past to the future. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  7.  23
    Grounding Confucian Moral Psychology in Rasa Theory: A Commentary on Shun Kwong-LoisAnger, Compassion, and the Distinction Between First and Third-Person.”.Lee Wilson - forthcoming - Australasian Philosophical Review 6 (1).
    Shun Kwong-loi argues that the distinction between first- and third-person points of view does not play as explanatory a role in our moral psychology as has (...) been supposed by contemporary philosophical discussions. He draws insightfully from the Confucian tradition to better elucidate our everyday experiences of moral emotions, arguing that it offers an alternative and more faithful perspective on our experiences of anger and compassion. However, unlike the distinction between first- and third-person points of view, Shuns descriptions of anger and compassion leave unarticulated what would be necessary to differentiate these responses from non-moral responses. Here, I make a friendly suggestion on how this explanatory gap might be filled, providing complementary grounding for Shuns observations by way of K. C. Bhattacharyyas phenomenological analysis of feeling. It fills the gap by means of a gradation in the possible depth of emotional responses found in the a priori structure of a feeling experience for any subject. The payoff of such a comparison between Shuns explication of Confucian moral psychology and Bhattacharyyas explication of rasa theory is not only a possible phenomenological grounding for the former but also a potential way to articulate a missing ethics in Bhattacharyyas thought. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  8.  42
    Les lumières de Mario Bunge. Pour la méthode.Normand Baillargeon & Jean-René Roy - 2020 - Mεtascience 1:247-267.
    Ce texte est le fruit dune collaboration entre un astrophysicien, Jean-René Roy, et un philosophe de léducation, Normand Baillargeon. Ils ont en commun davoir (...)été marqués par la fréquentation des oeuvres de Mario Bunge, auxquelles ils attachent un grand prix, sur un plan personnel, dabord, mais aussi, et cest ce quils veulent rappeler dans ces pages : parce quils estiment que les oeuvres de Bunge contribuent de manière extrêmement forte et positive à rendre plus salubre la vie de lesprit, en enrichissant notre intellect et en luttant contre diverses formes troublantes dobscurantisme qui y sévissent parfois, notamment dans les domaines familiers aux deux auteurs. (shrink)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  9. Intellectual Property, the Non-Aggression Principle, and Pre-Propertarian Liberty: New-Paradigm Libertarian Replies to Some Rothbardian Criticisms.J. C. Lester - 2016 - In Arguments for Liberty: A Libertarian Miscellany. Buckingham, England: The University of Buckingham Press. pp. 160-183.
    Andy Curzon replied (often quoting from the opening sections of Lester 2014, chapter 10) in an ongoing debate with Lee Waaks, which Mr Waaks forwarded (with approval) (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  10. The Generational Cycle of State Spaces and Adequate Genetical Representation.Elisabeth A. Lloyd, Richard C. Lewontin & and Marcus W. Feldman - 2008 - Philosophy of Science 75 (2):140-156.
    Most models of generational succession in sexually reproducing populations necessarily move back and forth between genic and genotypic spaces. We show that transitions between and within these (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   7 citations  
  11. The Realist Challenge to Conceptual Pragmatism.Peter Olen - 2015 - European Journal of Pragmatism and American Philosophy 7 (2):152-167.
    Although commonly cited as one of the philosophers responsible for the resurgence of interest in pragmatism, Wilfrid Sellars was also the son of Roy Wood Sellars, one (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   5 citations  
  12. The Philosophy of Creativity.Elliot Samuel Paul & Scott Barry Kaufman (eds.) - 2014 - Oxford University Press.
    Creativity pervades human life. It is the mark of individuality, the vehicle of self-expression, and the engine of progress in every human endeavor. It also raises (...)a wealth of neglected and yet evocative philosophical questions: What is the role of consciousness in the creative process? How does the audience for a work for art influence its creation? How can creativity emerge through childhood pretending? Do great works of literature give us insight into human nature? Can a computer program really be creative? How do we define creativity in the first place? Is it a virtue? What is the difference between creativity in science and art? Can creativity be taught? -/- The new essays that comprise The Philosophy of Creativity take up these and other key questions and, in doing so, illustrate the value of interdisciplinary exchange. Written by leading philosophers and psychologists involved in studying creativity, the essays integrate philosophical insights with empirical research. -/- CONTENTS -/- I. Introduction Introducing The Philosophy of Creativity Elliot Samuel Paul and Scott Barry Kaufman -/- II. The Concept of Creativity 1. An Experiential Account of Creativity Bence Nanay -/- III. Aesthetics & Philosophy of Art 2. Creativity and Insight Gregory Currie 3. The Creative Audience: Some Ways in which Readers, Viewers and/or Listeners Use their Imaginations to Engage Fictional Artworks Noël Carroll 4. The Products of Musical Creativity Christopher Peacocke -/- IV. Ethics & Value Theory 5. Performing Oneself Owen Flanagan 6. Creativity as a Virtue of Character Matthew Kieran -/- V. Philosophy of Mind & Cognitive Science 7. Creativity and Not So Dumb Luck Simon Blackburn 8. The Role of Imagination in Creativity Dustin Stokes 9. Creativity, Consciousness, and Free Will: Evidence from Psychology Experiments Roy F. Baumeister, Brandon J. Schmeichel, and C. Nathan DeWall 10. The Origins of Creativity Elizabeth Picciuto and Peter Carruthers 11. Creativity and Artificial Intelligence: a Contradiction in Terms? Margaret Boden -/- VI. Philosophy of Science 12. Hierarchies of Creative Domains: Disciplinary Constraints on Blind-Variation and Selective-Retention Dean Keith Simonton -/- VII. Philosophy of Education (& Education of Philosophy) 13. Educating for Creativity Berys Gaut 14. Philosophical Heuristics Alan Hájek. (shrink)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark   12 citations  
  13.  37
    A Critical Look on Critical Realism.Agustina Borella - 2012 - Perspectives on Epistemology of Economics:183-207.
    Tony Lawson, founder of The Social Ontology Group and The Realist Workshop of Cambridge, has proposed critical realism to reorient economics. The transformation of the social world (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  14. L'etica del Novecento. Dopo Nietzsche.Sergio Cremaschi - 2005 - Roma RM, Italia: Carocci.
    TWENTIETH-CENTURY ETHICS. AFTER NIETZSCHE -/- Preface This book tells the story of twentieth-century ethics or, in more detail, it reconstructs the history of a discussion on (...)the foundations of ethics which had a start with Nietzsche and Sidgwick, the leading proponents of late-nineteenth-century moral scepticism. During the first half of the century, the prevailing trends tended to exclude the possibility of normative ethics. On the Continent, the trend was to transform ethics into a philosophy of existence whose self-appointed task was that of describing the human condition as consisting of choices, as unavoidable as arbitrary, without any attempt at providing criteria for making such choices. In the Anglo-Saxon countries, the heir of ethics was a philosophy of morality, that is, an analysis of the language of morality that intended to clarify valuations without trying to justify them. 1958 was the year of the normative turn that led to the Rehabilitation of practical philosophy, a turn followed by decades of controversies between distinct kinds of normative ethics: utilitarian, Kantian, virtue ethics. While the controversy was raging, a quiet revolution took place, that of applied ethics which surprisingly dissolved the controversy's very subject matter by providing methods for making convergence possible on intermediate principles even when no agreement was available about first principles. The normative turn and the revolution of applied ethics have led us, at the turn of the century, to a goal that was quite far from the starting point. Instead of scepticism and relativism that was the fashion at the beginning of the century, at the beginning of the third millennium impartial and universal moral arguments seem to hold the spot being supported, if not by a final rational foundation, at least by reasonableness, the most precious legacy of the Enlightenment. -/- ● TABLE OF CONTENTS -/- ● I Anglo-Saxon philosophy: naturalism 1. Dewey beyond evolutionism and utilitarianism 2. Dewey and anti-essentialist moral epistemology 3. Dewey and naturalist moral ontology 4. Dewey and normative ethics of conduct and function 5. Perry and semantic naturalism -/- ● II Anglo-Saxon philosophy: ideal utilitarianism and neo-intuitionism 1. Moore's critique of utilitarian empiricism 2. Moore on the naturalistic fallacy 3. Moore on the nature of intrinsic value 4. Moore on ideal utilitarianism 5. Prichard on the priority of the right over the good 6. Ross's coherentist moral epistemology 7. Ross's moral ontology: realism, pluralism, and non-naturalism 8. Ross's normative ethics of prima facie duties -/- The chapter reconstructs the background of ideas, concerns and intentions out of which Moore's early essays, the preliminary version, and then the final version of Principia Ethica originated. It stresses the role of religious concerns, as well as that of the Idealist legacy. It argues that PE is more a patchwork of somewhat diverging contributions than a unitary work, not to say the paradigm of a new school in Ethics. -/- ●III Anglo-Saxon philosophy: non-cognitivism 1. The Scandinavian School, the Vienna circle and proto-emotivism 2. Wittgenstein and the ineffability of ethics 3. Russell's and Ayer's radical emotivism 4. Stevenson and moderate emotivism 5. Stevenson and the pragmatics of moral language 6. Stevenson and the methods for solving ethical disagreement 7. Hare and prescriptivism The chapter reconstructs first the discussion after Moore. The naturalistic-fallacy argument was widely accepted but twisted to prove instead that the intuitive character of the definition of 'good', its non-cognitive meaning, in a first phase identified with 'emotive' meaning. Alfred Julius Ayer is indicated as a typical proponent of such non-cognitivist meta-ethics. More detailed discussion is dedicated to Bertrand Russell's ethics, a more nuanced and sophisticated doctrine, arguing that non-cognitivism does not condemn morality to arbitrariness and that the project of rational normative ethics is still possible, heading finally to the justification of a kind of non-hedonist utilitarianism. Stevenson's theory, another moderate version of emotivism is discussed at some length, showing how the author comes close to the discovery of the role of a pragmatic dimension of language as a basis for ethical argument. A section reconstructs the discussion from the Forties about Hume's law, mentioning Karl Popper's argument and Richard Hare's early non-cognitivist but non-emotivist doctrine named prescriptivism. -/- ●IV Anglo-Saxon philosophy: critics of non-cognitivism 1. Neo-naturalism and its objections to the naturalistic fallacy argument 2. Objections to Hume's law 3. Clarence Lewis and the pragmatic contradiction 4. Toulmin and the good reasons approach 5. Baier and moral reasons 5. Baier, social moralities and the absolute morality 6. Baier and the moral point of view 7. Baier and the contents of absolute ethics -/- ● V Continental philosophy: the philosophy of values 1. Max Weber and the polytheism of values 2. Phenomenology against psychologism and rationalism 3. Reinach and the theory of social acts 4. Scheler and the material ethics of values 5. Hartmann and the ontology of values 6. Plessner, Gehlen and the Philosophische Anthropologie -/- The chapter illustrates first the idea of phenomenology and the Husserl's project of a phenomenological ethic as illustrated in his 1908-1914 lectures. The key idea is dismissing psychology and trying to ground a new science of the apriori of action, within which a more restricted field of inquiry will be the science of right actions. Then the chapter illustrates the criticism of modern moral philosophy conducted in the 1920 lectures, where the main target is naturalism, understood in the Kantian meaning of primacy of common sense. The third point illustrate is Adolph Reinach's theory of social acts as a key the grounding of norms, a view that sketches the ideas 'discovered' later by Clarence I. Lewis, John Searle, Karl-Otto Apel and Jürgen Habermas. A final section discusses Nicolai Hartman, who always refused to define himself a phenomenologist and yet developed a more articulated and detailed theory of 'values' – with surprising affinities with George E. Moore - than philosophers such as Max Scheler, who claimed to be Husserl's legitimate heirs. -/- ● VI Continental philosophy: the critics of the philosophy of values 1. Freud, the Superego and Civilization 2. Heidegger on original ethos against ethics 3. Sartre and de Beauvoir on authenticity and ambiguity 4. Adorno and Horkheimer on emancipation and immoralism -/- ●VII Post-liberal theologians and religious thinkers 1. Barth on the autonomy of faith from ethics 2. Developments of Reformed moral theology after Barth 3. Bonhoeffer on the concrete divine command and ethics of penultimate realities 4. Developments of Reformed and Catholic moral theology after world war II 5. Baeck and the transformation of liberal Judaism 6. Rosenzweig against liberal Judaism 7. Buber and religion as the vital lymph of morality 8. Heschel and Judaism as a science of actions -/- The chapter examines the main protagonists of Christian theology and Jewish religious thinking in the twentieth century. It stresses how the main dilemmas of contemporary philosophical ethics lie at the root of the various path of inquiry taken by these thinkers. -/- ● VIII Normative ethics: neo-Utilitarianism 1. The discussion on act and rule utilitarianism 2. Hare on two-tiered preference utilitarianism 3. Harsanyi, Gauthier and rational choice ethics 4. Parfit, utilitarianism and the idea of a person 5. Brandt and indirect conscience utilitarianism -/- The chapter addresses the issue of the complex process of self-transformation Utilitarianism underwent after Sidgwick's and Moore's fatal criticism and the unexpected Phoenix-like process of rebirth of a doctrine refuted. Two examples give the reader a glimpse at this uproarious process. The first is Roy Harrod Wittgensteinian transformation of utilitarianism in pure normative ethics depurated from hedonism as well as from whatsoever theory of the good. This transformation results in preference utilitarianism combined with a 'Kantian' version of rule utilitarianism. The second is Richard Hare's two-level preference utilitarianism, where act utilitarianism plays the function of the eventual rational justification of moral judgments and rule-utilitarianism that of an action-guiding practical device. -/- ● IX Normative ethics: neo-Aristotelianism and virtue ethics 1. Hannah Arendt, action and judgement 2. Hans-Georg Gadamer and phronesis 3. Alasdair MacIntyre on practices, virtues, and traditions 5. Stuart Hampshire on deliberation 6. Bernard Williams and moral complexity 7. Feminist ethics -/- Sect 1 reconstructs the post-war rediscovery of ethics by many German thinkers and its culmination in the Sixties in the movement named 'Rehabilitation of practical philosophy' is described. Heidegger's most brilliant disciples were the promoters of this Rehabilitation. Hans-Georg Gadamer is a paradigmatic example. His reading of Aristotle's lesson I reconstructed, starting with Heidegger's lesson but then subtly subverting its outcome thanks to the recovery of the significant role of the notion of phronesis. Sect 3 discusses the three theses defended by Anscombe in 'Modern Moral Philosophy'. It argues that: a) her answer to the question "why should I be moral?" requires a solution of the problem of theodicy, and ignores any attempts to save the moral point of view without recourse to divine retribution; b) her notion of divine law is an odd one more neo-Augustinian than Biblical or Scholastic; c) her image of Kantian ethics and intuitionism is the impoverished image manufactured by consequentialist opponents for polemical purposes and that she seems strangely accept it; d) the difficulty of identifying the "relevant descriptions" of acts is not an argument in favour of an ethics of virtue and against consequentialism or Kantian ethics, and indeed the role of judgment in the latter is a response to the difficulties raised by the case of judgment concerning future action. The chapter gives a short look at further developments in the neo-naturalist current trough a reconstruction of Philippa Foot's and Peter Geach's critiques to the naturalist-fallacy argument and Alasdair MacIntyre's grand reconstruction of the origins and allegedly inevitable failure of the Enlightenment project of an autonomous ethic. -/- ● X Normative ethics: Kantian and rights-based ethics 1. Dialogical constructivism 2. Apel, Habermas and discourse ethics 3. Gewirth and rights-based ethics 4. Nagel on agent-relative reasons 5. Donagan and persons as ends in themselves Parallel to the neo-Aristotelian trend, there was in the Rehabilitation of practical philosophy a Kantian current. This current started with the discovery of the pragmatic dimension of language carried out by Charles Peirce and the Oxford linguistic philosophy. On this basis, Karl-Otto Apel singled out as the decisive proponent of the linguistic and Kantian turn in German-speaking ethics, worked out the performative-contradiction argument while claiming that this was able to provide a new rational and universal basis for normative ethics. The chapter offers an examination of his argument in some detail, followed by a more cursory reconstruction of Jürgen Habermas's elaboration on Apel's theory. -/- ● XI The applied ethics renaissance 1. Elisabeth Anscombe on the atom bomb 2. From medical ethics to bioethics 3. Rawls and public ethics 3. Nozick, Dworkin and further developments of public ethics 5. Sen and the revival of economic ethics -/- The chapter presents the revolution of applied ethics while stressing its methodological novelty, exemplified primarily by Beauchamp and Childress principles approach and then by Jonsen and Toulmin's new casuistry. The chapter argues that Rawls's distinction between a "political" and a "metaphysical" approach to the theory of justice, one central part of ethical theory, is a formulation of the same basic idea at the root of both the principles approach and the new casuistry, both discussed in the following chapter. The idea is that it is possible to reach an agreement concerning positive moral judgments even though the discussion is still openand in Rawls' view never will be closeon the essential criteria for judgment. -/- ● XII Fin-de-siècle metaethics 1. Deontic logics 2. Anti-realism 3. External realism 4. Internal realism 5. Kantian constructivism -/- The chapter illustrates the fresh start of meta-ethical discussion in the Eighties and Nineties and the resulting new alignments: metaphysical naturalism, internal realism, anti-realism, and constructivism. (shrink)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark   2 citations  
  15. Puberdade e Estacionalidade Reprodutiva dos Animais.Emanuel Isaque Cordeiro da Silva - manuscript
    OBJETIVO -/- O estudante de Zootecnia e de Veterinária, quando se depara com a produção animal, um dos pilares importantes é a reprodução, uma vez que é a (...) perpetuação da espécie, seja para gerar filhas de uma vaca campeã em produção leiteira e de um touro com rusticidade e com aptidão produtiva de corte, ou mesmo para reposição de um plantel, o mesmo deve estar consciente de que esse ramo é de extrema responsabilidade, que estará intimamente lidando com a vida e com um investimento que pode gerar lucros em demasia para a propriedade ou, se mal feito o manejo da reprodução, trazer sérios transtornos para a mesma. -/- Nesse trabalho, o estudante revisará os sucessos da puberdade e estacionalidade reprodutiva relacionando-os com os processos endócrinos e os fatores que afetam sua manifestação como os nutricionais, para compreender a maneira ao qual podem ser manipuladas. -/- -/- • _____INTRODUÇÃO -/- A puberdade marca o início da vida reprodutiva do animal, permitindo integrar o indivíduo ao seu ciclo produtivo. A estacionalidade é uma característica de adaptação que algumas espécies desenvolveram para fazer garantir a eficiência da reprodução e a sobrevivência dos filhotes. -/- -/- • _____PUBERDADE -/- A puberdade é atingida quando o animal é capaz de produzir e liberar gametas viáveis e funcionais (férteis). Na fêmea esse fato ocorre na primeira ovulação, que geralmente coincide com a manifestação do comportamento do cio; e nos machos durante a primeira ejaculação com espermatozoides viáveis. -/- Do ponto de vista da produção animal, puberdade prematura ou precoce, é importante para poder permitir a incorporação dos animais ao ciclo produtivo o mais rapidamente possível. No caso de touros holandeses, por exemplo, é desejável que produzam sêmen precocemente para incorporá-los a prova de progênie; nas fêmeas, entretanto, deve-se considerar que nem sempre é conveniente usar o primeiro ciclo ou cio para reprodução. É o caso das marrãs (porcas primíparas), onde é benéfico esperar até o segundo ou terceiro estro para aumentar o tamanho da ninhada. Também pode ser vantajoso esperar que o indivíduo alcance sua maturidade sexual, que ocorre quando a fêmea consegue se reproduzir sem sofrer efeitos adversos. A ovelha nascida na primavera, por exemplo, pode engravidar no outono seguinte e dar à luz no primeiro ano de vida, mas seu crescimento pode ser afetado; o mesmo ocorre com a novilha, em que o acasalamento precoce pode promover distorcia por falta de desenvolvimento pélvico. -/- A puberdade é um processo gradual e está intimamente relacionada à taxa de crescimento e ao metabolismo energético. O recém-nascido usa energia para funções vitais, principalmente termorregulação; esse feito se deve ao fato de os jovens possuírem uma superfície corporal muito elevada em relação ao seu volume. Durante o desenvolvi-mento subsequente dos tecidos também prioridade no uso de nutrientes, que inicialmente favorecem o desenvolvimento do tecido ósseo e muscular, e uma vez que estes atingem determinado tamanho de acordo com as condições genéticas do indivíduo, inicia-se o desenvolvimento do tecido adiposo, que é indicativa de um reservatório de energia. É importante ressaltar que existe uma interação entre a genética e o meio ambiente, de forma que o potencial genético será expresso se o meio ambiente for favorável. -/- Para que a ovulação ocorra, é necessário considerar o funcionamento do eixo hipotálamo-hipófise-gonodal. O aumento da frequência pulsátil do GnRH hipotalâmico e em consequência do LH hipofisário provoca a maturação do folículo em nível gonodal, o que aumenta a produção de estrógenos. O aumento dos estrogênios causa, por feedback positivo no hipotálamo, a liberação do pico pré-ovulatório de LH e, consequentemente, a ovulação. Na fase pré-púbere, a frequência dos pulsos de GnRH e LH é muito baixa e insuficiente para provocar a maturação folicular, pois o hipotálamo é inibido e, portanto, não ocorre ovulação. -/- A geração pulsátil de GnRH no momento reprodutivo adequado para desencadear o início da puberdade depende de uma rede neural complexa que, além dos neurônios GnRH, inclui outros neurônios e células da glia; ele também integra vários sinais internos e externos para o corpo. A morfologia dos neurônios GnRH também é única, uma vez que seus dendritos também podem funcionar como axônios, dando-lhes uma função distinta. A geração de pulsos também indica a necessidade de sincronização entre subpopulações de neurônios GnRH, que, acima de tudo, parece ser extrínseca a esses neurônios e envolve múltiplos hormônios e neurotransmissores -/- Se dois níveis de conexões aferentes são considerados, estima-se que cada neurônio de GnRH pode ser conectado a cerca de cinco milhões de outros neurônios; milhares de genes, então, podem estar envolvidos no processo da puberdade. A importância funcional e hierárquica de cada um desses genes no controle dos neurônios GnRH, juntamente com outros fatores neuronais e gliais, pode diferir entre as espécies. Existem, no entanto, componentes fundamentais que parecem ser comuns a todos os mamíferos e que se situam nos níveis hierárquicos mais elevados, ajudando a compreender a progressão do processo puberal. Assim, todas as espécies de mamíferos estudadas, por exemplo, têm aglomerados de neurônios kisspeptinérgicos (que secretam kisspeptina), envolvidos na regulação da secreção tônica e secreção cíclica de GnRH, que também se classifica como o elemento mais alto na hierarquia desse complexo neuronal após considerar os neurônios GnRH. -/- Sabe-se que o eixo hipotálamo-hipofisário-gonodal está ativo desde as primeiras fases da vida do indivíduo, mesmo antes do nascimento em certas espécies. A secreção de GnRH, no entanto, é suprimida mais tarde no desenvolvimento e permanece dessa forma até o período pré-púbere, quando será reativada gradualmente. -/- Por várias décadas, a supressão e reinicialização dos pulsos de GnRH foi atribuída a uma hipótese conhecida como teoria gonadostat que afirma que o centro tônico do hipotálamo é inibido devido à sua sensibilidade ao mecanismo de feedback negativo dos esteroides gonodais, é aumentado; portanto, o GnRH e a consequente secreção de gonadotrofinas (FSH e LH) são insuficientes para a ocorrência da maturação folicular e espermatogênese. Essa sensibilidade diminui progressivamente à medida que a puberdade se aproxima. -/- Sabe-se agora que existem fatores não gonodais que agem em paralelo com os esteroides para mediar mudanças no feedback negativo que também são específicos da espécie. -/- Na fêmea, o centro gerador de pulso cíclico também deve ser considerado, o qual é responsável por iniciar a primeira ovulação. O centro cíclico é composto por uma segunda subpopulação de neurônios GnRH que é reativada por meio de uma complexa interação entre vários sistemas neuronais inibitórios (que devem reduzir progressiva-mente sua influência) e outros sistemas excitatórios, que, por sua vez, operam por meio de diferentes neurotransmissores, como o ácido γ-amino-butírico (GABA) e seus receptores, glutamato, óxido nítrico e neuropeptídio Y (NPY). Esses fatores, juntamente com as alterações morfológicas observadas nos neurônios do GnRH à medida que a puberdade se aproxima, e com as interações e sinais aferentes das células gliais, levam a um padrão de progressão linear que culminará na reativação do centro cíclico. Esse processo era conhecido anteriormente como teoria da maturação central e faz parte das mudanças que configuram o processo para chegar à puberdade. A elevação nas concen-trações de estradiol subsequente à reativação gradual do centro gerador de pulso tônico GnRH provavelmente permitirá a maturação final do centro cíclico. -/- A forma como cada organismo estabelece o momento certo para iniciar as mudanças que levam à puberdade é conhecido; a existência de algum mecanismo neurobiológico que constitui um relógio interno pode ser considerada. No entanto, esse mecanismo afetaria principalmente o desenvolvimento neuronal no nível central; também seria difícil compará-lo com a maneira pela qual fatores externos ao indivíduo afetam o início da puberdade. Nessa perspectiva, um sistema que permita receber informações completas sobre o crescimento e desenvolvimento do indivíduo poderia ser mais prático. Os mediadores desse sistema incluem o hormônio do crescimento, IGF-I, leptina e outros substratos metabólicos. A leptina em particular, que sinaliza as reservas de tecido adiposo, é um dos elementos mais importantes e, embora não determine quando começa a puberdade, se atua como fator permissivo para que o processo progrida, uma vez que excede um nível limite. A consideração do estágio de desenvolvimento do animal para o início da puberdade era anteriormente conhecida como o peso corporal crítico ou teoria do lipostato. É importante considerar que as três teorias mencionadas não são exclusivas. -/- O mecanismo da puberdade nos machos é semelhante ao descrito; entretanto, deve-se lembrar que no macho o centro cíclico não está ativo. À medida que a puberdade se aproxima, o crescimento testicular é desencadeado e, em ruminantes e suínos, o pênis que estava preso à mucosa prepucial é gradualmente liberado. -/- -/- • _____FATORES QUE INFLUENCIAM A PUBERDADE -/- Os animais podem manifestar a puberdade de três formas diferentes. Pode ser tardia e o animal demorar para estar apto a reprodução; precoce e o animal entrar na vida reprodutiva antes do esperado ou pode ser normal e o animal estar com boa conformação e idade. Para tanto, alguns fatores podem interferir à manifestação da puberdade pelos animais como a genética, idade e peso, nutrição, fotoperíodo e o próprio manejo adotado. -/- -/- Genética -/- O genótipo afeta a idade da puberdade, pois algumas raças são anteriores a outras. Nos bovinos, as raças europeias atingem a puberdade antes dos zebuínos, isto é, uma novilha ou novilho da raça holandesa atinge a puberdade primeiro que os animais da mesma idade e do mesmo peso da raça nelore, por exemplo. -/- Da mesma forma, as porcas da raça chinesa Meishan atingem a puberdade por volta dos 115 dias de idade, metade da idade das raças brancas. As ovelhas de raças de corte, da mesma forma, são mais precoces que os produtores de . As raças pequenas, da mesma forma, são geralmente mais precoces, pelo menos em bovinos (jersey x guzerá) e em caninos. Os híbridos, por outro lado, apresentam puberdade mais precoce que os puros, devido ao efeito da heterose. Por este motivo, em certas espécies são utilizadas linhas híbridas. -/- -/- Idade e peso -/- A tabela 1 mostra a idade média de início da puberdade em espécies domésticas. O peso vivo (PV) adulto é mais relevante para a idade na puberdade nos ruminantes, enquanto em suínos é menos decisivo. A tabela também apresenta a porcentagem de peso corporal necessária para a puberdade ocorrer de forma natural. -/- -/- Tabela 1: Idade e peso a puberdade das espécies domésticas -/- Espécie -/- Fêmea (meses) -/- Macho (meses) -/- PV adulto (%) -/- Gado holandês -/- 11 (8-15) -/- 11 (7-18) -/- 30-40 -/- Gado brahman -/- 19 -/- 17 -/- 45-60 -/- Caprinos e ovinos -/- 7 (4-14) -/- 7 (6-9) -/- 40-60 -/- Suínos -/- 6 (5-7) -/- 7 (5-8) -/- 75 -/- Equinos -/- 18 (12-19) -/- 14 (10-24) -/- - -/- Caninos -/- 12 (6-24) -/- 9 (5-12) -/- - -/- Felinos -/- 8 (4-12) -/- 9 (8-10) -/- - -/- Fonte: VALENCIA, 2018. -/- Nutrição -/- Como a puberdade está relacionada à taxa de crescimento, os animais que recebem uma nutrição adequada e balanceada apresentarão puberdade em uma idade mais jovem, ou seja, mais precocemente; ao contrário, a puberdade será tardia nos animais que sofreram restrição alimentar, que estão desnutridos ou que tiveram seu crescimento afetado por doenças infecciosas ou parasitárias. A superalimentação também não é recomendada, pois pode alterar tanto os sinais que são recebidos pelo hipotálamo quanto sua resposta a eles. -/- Logo, o manejo alimentar adotado deve estar de acordo com as normas estabeleci-das pelos especialistas na área, principalmente no tocante as exigências nutricionais que devem servir de regra na propriedade. Sendo assim, os animais entrarão em puberdade com as taxas de alta qualidade o que afetará positivamente na prole futura e dará retorno lucrativo ao proprietário. -/- -/- Época do ano (Fotoperíodo) -/- Em fêmeas de espécies sazonais, como ovelhas e cabras, existem certos requisitos de fotoperíodo que devem ser atendidos para que a puberdade ocorra. Nessas espécies, um período de exposição a dias longos é necessário, seguido por outro de exposição a dias curtos. Na verdade, os cordeiros e cabritos nascidos fora da estação, mesmo que tenham atingido o peso necessário, terão que esperar até o outono seguinte (a estação reprodutiva) para atingir a puberdade. Os machos, por outro lado, não estão sujeitos a essas limitações nos requisitos fotoperiódicos para apresentar a puberdade. -/- Em novilhas nascidas no outono, por outro lado, a puberdade ocorre antes de um ano de idade, no verão seguinte ou no início do outono, mais cedo do que nas nascidas na primavera, devido à exposição a longos dias durante os primeiros seis meses do ano após seu nascimento aceleram seu crescimento. Em gatos, o aumento do fotoperíodo também acelera o início da puberdade. -/- Em ovelhas e novilhas, a primeira ovulação que ocorre ao entrar na puberdade é silenciosa; ou seja, não é acompanhada de sinais comportamentais de cio como a micção frequente, inchamento da vulva, uma montando a outra e deixando-se montar etc., pois para que esse comportamento se manifeste, o sistema nervoso necessita de uma pré-sensibilização com progesterona que não estará presente até o próximo ciclo, após o desenvolvimento do corpo lúteo vindo desta primeira ovulação. -/- -/- Sociossexual -/- A interação de indivíduos da mesma espécie ou a presença ou ausência de sinais de bioestimulação, como feromônios, pode afetar o período de puberdade. A puberdade, por exemplo, é atrasada em porcas criadas individualmente em comparação com porcas criadas em grupo. Além disso, na porca, ovelha e cabra, a exposição ao macho estimula as fêmeas e a puberdade aparece mais precocemente. -/- -/- Manejo -/- Certas práticas de manejo podem acelerar a puberdade, especialmente no período pré-púbere. Em porcas próximas à puberdade, por exemplo, o estresse causado por procedimentos, como o transporte de um local para outro ou a exposição ao macho, faz com que apareça o estro em torno de sete dias após a realização do manejo mencionado. -/- -/- • _____ESTACIONALIDADE REPRODUTIVA -/- A estacionalidade ou sazonalidade reprodutiva é uma estratégia evolutiva que se desenvolveu em algumas espécies; tende a tornar a reprodução mais eficiente. Nos países de latitudes distantes do equador, o objetivo é que as crias nasçam na primavera, época do ano mais favorável, graças à abundância de alimentos e às amenas condições climáticas. No caso da ovelha, cuja gestação dura cinco meses, para que os partos ocorram na primavera, ela deve engravidar no outono (figura 1), quando os dias são curtos; enquanto a égua, tendo uma gestação de aproximadamente 11 meses, deve conceber na primavera, quando os dias são longos; assim, o parto ocorrerá na primavera do ano seguinte (figura 2). -/- -/- Figura 1: Esquema ilustrativo da estacionalidade reprodutiva na espécie ovina. Fonte: PIRES et al., 2011. -/- -/- Esta característica evolutiva desenvolvida pela seleção natural na maioria das espécies silvestres e ainda é conservado por algumas espécies domésticas, como ovelhas, cabras, cavalos e gatos. Em bovinos e suínos, ao contrário, a domesticação levou à perda quase total da estacionalidade reprodutiva. -/- A estacionalidade reprodutiva é codificada nos genes; significa então que a seleção natural favoreceu a propagação de genes que permitiam acoplar a hora do nascimento com a melhor época do ano, por isso passou a ser considerada um método anticoncepcional natural. -/- -/- Figura 2: ciclo reprodutivo anual em espécies estacionais; onde são apresentados os períodos de gestação e a forma como se agrupam os nascimentos, independentemente da época reprodutiva da espécie, em vermelho as fêmeas estão apresentando estro ou cio. Fonte: VALENCIA, 2018. -/- -/- Fotoperíodo -/- Para sincronizar o período fértil com a época mais favorável do ano, a maioria das espécies sazonais usa o fotoperíodo (quantidade de luz diária ao longo do ano). -/- Este sinal ambiental é seguro, confiável e se repete a cada ano. Ovinos e caprinos se reproduzem na época do ano em que os dias são curtos e os equinos quando são longos. O grau de sazonalidade depende da origem da raça. As raças nativas de países localizados em latitudes elevadas (> 50°,ovelhas: soay, blackface, suffolk; cabras: saanen, alpino francês, toggenburg; equinos: puro-sangue, hanoveriano) terão uma estacionalidade mais acentuada do que as latitudes menores ou mediterrâneas (ovelhas: merino; cabras: murciana granadina; equinos: quarto de milha). Também existem raças de latitudes próximas ao Equador cuja estacionalidade é baixa ou nula (ovelhas: raças de pelo, crioulas; cabras: raças africanas e asiáticas) (tabela 2). -/- Para a maioria das raças de ovinos e caprinos, a estação reprodutiva começa no final do verão e início do outono; caracteriza-se pela apresentação de ciclos estrais sucessivos, e termina no final do inverno, quando se inicia o anestro, que se caracteriza pela ausência de ovulação. Nos equinos, ocorre o contrário, uma vez que a estação reprodutiva ocorre na primavera e no verão. -/- -/- Tabela 2: Relação entre a origem da raça e o grau de estacionalidade ou sazonalidade -/- Espécie -/- Alta -/- Média -/- Baixa -/- Ovinos -/- Suffolk, raças britânicas de e corte -/- Merino -/- Pelibuey, crioulas -/- Caprinos -/- Saanen, alpino, toggenburg -/- Murciana granadina -/- Crioula -/- Equinos -/- Puro-sangue, hanoveriano, quarto de milha -/- - -/- Crioula, burros -/- Fonte: VALENCIA, 2018. -/- -/- Mecanismo neuroendócrino da estacionalidade -/- Durante o período de anestro, o fotoperíodo exerce efeito inibitório sobre o centro tônico do GnRH no hipotálamo, diminuindo a frequência de pulso. Consequentemente, a pulsatilidade do LH também diminui, que agora é incapaz de induzir a maturação folicular, o aumento dos estrogênios, o pico pré-ovulatório de LH e, portanto, a ovulação. -/- Isso ocorre porque durante o anestro a sensibilidade do hipotálamo ao mecanismo de feedback negativo dos estrogênios e de outros fatores de origem não gonodal é aumentada. Ao aproximar-se da estação reprodutiva, a sensibilidade hipotalâmica diminui e o aumento da pulsatilidade do GnRH causa as mudanças que culminam na ovulação. Portanto, o mecanismo endócrino do anestro estacional é semelhante ao do anestro pré-púbere e de alguns outros tipos de anestro. -/- A estacionalidade é um bom exemplo da interação entre o meio ambiente e o sistema neuroendócrino, pois o organismo é capaz de traduzir um sinal externo ambiental, como o fotoperíodo, em um sinal hormonal interno, que neste caso é a melatonina. -/- A glândula pineal secreta melatonina durante as horas de escuridão. Os animais sazonais apresentam um ritmo reprodutivo endógeno, que é regulado por janelas de fotossensibilidade, determinadas por mudanças na duração do dia. O sinal luminoso é captado pela retina e conduzido, via nervo, pelo trato retino-hipotalâmico até o núcleo supraquiasmático, que funciona como o relógio biológico do corpo. Daí o sinal viaja para o núcleo para-ventricular, depois para o gânglio cervical e, finalmente, para a glândula pineal, que responde secretando melatonina (figura 3). -/- Nas ovelhas, a estação reprodutiva começa quando a duração do dia diminui e, naturalmente, a noite aumenta; na égua, ocorre quando os dias se alongam. -/- A primavera não é necessariamente a melhor época do ano em todas as regiões do globo. Nas latitudes tropicais, a primavera coincide com a seca e não com a abundância de forragem, aspecto a ser levado em consideração ao programar a reprodução. -/- Outro ponto importante a considerar é que as raças europeias sazonais mantêm sua estacionalidade no Brasil. -/- -/- Figura 3: Mecanismo do fotoperíodo em ovinos e a melatonina. Fonte: HAFEZ, 2004. -/- -/- Estacionalidade no macho -/- O macho é menos afetado que a fêmea pelas mudanças típicas de cada época do ano, que sua função reprodutiva não é necessariamente interrompida durante o anestro ou repouso sexual, embora a produção de hormônios reprodutivos, tamanho e tônus testicular, a libido, as características qualitativas e quantitativas do ejaculado e a fertilidade do esperma podem ser diminuídas. O nível de afetação depende do grau de sazonalidade da raça e da latitude. Por fim, os efeitos do fotoperíodo devem ser separados dos nutricionais, que também variam com a época do ano. -/- -/- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS -/- -/- BEARDEN, Henry Joe et al. Reproducción animal aplicada. México: Manual Moderno, 1982. -/- BROOKS, P. H.; COLE, D. J. A. The effect of the presence of a boar on the attainment of puberty in gilts. Reproduction, v. 23, n. 3, p. 435-440, 1970. -/- CARDOSO, Daniel; DE PAULA NOGUEIRA, Guilherme. Mecanismos neuroendócrinos envolvidos na puberdade de novilhas. Arquivos de Ciências Veterinárias e Zoologia da Unipar, v. 10, n. 1, 2007. -/- CHEMINEAU, P. et al. Induction and persistence of pituitary and ovarian activity in the out-of-season lactating dairy goat after a treatment combining a skeleton photoperiod, melatonin and the male effect. Reproduction, v. 78, n. 2, p. 497-504, 1986. -/- CLARKE, Iain J. et al. Kisspeptin and seasonality in sheep. Peptides, v. 30, n. 1, p. 154-163, 2009. -/- CORTEEL, J. M. Production, storage and insemination of goat semen. In: Management and Reproduction in Sheep and Goats Symposium, Madison, Wis. (USA), 1977. University of Wisconsin, 1977. -/- CUNNINGHAM, James. Tratado de fisiologia veterinária. Elsevier Health Sciences, 2011. -/- CUPPS, Perry T. (Ed.). Reproduction in domestic animals. Elsevier, 1991. -/- DUKES, Henry Hugh; SWENSON, Melvin J.; REECE, William O. Dukes fisiologia dos animais domésticos. Editora Guanabara Koogan, 1996. -/- DÝRMUNDSSON, Ó. R.; LEES, J. L. Effect of rams on the onset of breeding activity in Clun Forest ewe lambs. The Journal of Agricultural Science, v. 79, n. 2, p. 269-271, 1972. -/- EBLING, F. J. P.; FOSTER, D. L. Photoperiod requirements for puberty differ from those for the onset of the adult breeding season in female sheep. Reproduction, v. 84, n. 1, p. 283-293, 1988. -/- FIELDS, Michael J.; SAND, Robert S.; YELICH, Joel V. (Ed.). Factors affecting calf crop: Biotechnology of reproduction. CRC Press, 2001. -/- HAFEZ, Elsayed Saad Eldin; HAFEZ, Bahaa. Reprodução animal. São Paulo: Manole, 2004. -/- HUGHES, P. E.; PHILIP, G.; SISWADI, R. The effects of contact frequency and transport on the efficacy of the boar effect. Animal Reproduction Science, v. 46, n. 1-2, p. 159-165, 1997. -/- KARSCH, FRED J. et al. Neuroendocrine basis of seasonal reproduction. In: Proceedings of the 1983 Laurentian Hormone Conference. Academic Press, 1984. p. 185-232. -/- LINCOLN, G. A.; SHORT, R. V. Seasonal breeding: nature's contraceptive. In: Proceedings of the 1979 Laurentian Hormone Conference. Academic Press, 1980. p. 1-52. -/- MELLO, Raquel Rodrigues Costa. Puberdade e maturidade sexual em touros bovinos. Agropecuária Científica no Semiárido, v. 10, n. 3, p. 11-28, 2015. -/- MEZAHERRERA, C. A. et al. Neuroendocrine, metabolic and genomic cues signalling the onset of puberty in females. Reproduction in Domestic Animals, v. 45, n. 6, p. e495-e502, 2010. -/- MONTEIRO, Claudia Dias; BICUDO, Sony Dimas; TOMA, Hugo Shisei. Puberdade em fêmeas ovinas. Pubvet, v. 4, p. Art. 850-857, 2010. -/- OLIVEIRA, Daniel de Jesus Cardoso de. Mecanismos neuroendócrinos envolvidos na puberdade de novilhas da raça Nelore. 2006. Tese de Doutorado em Medicina Veterinária. Universidade de São Paulo. -/- OLSTER, DEBORAH H.; FOSTER, DOUGLAS L. Control of gonadotropin secretion in the male during puberty: a decrease in response to steroid inhibitory feedback in the absence of an increase in steroid-independent drive in the sheep. Endocrinology, v. 118, n. 6, p. 2225-2234, 1986. -/- PIRES, Bruno Carlos et al. Métodos para elevar o ritmo reprodutivo dos ovinos. PUBVET, Londrina, V. 5, N. 11, Ed. 158, Art. 1071, 2011. -/- PLANT, Tony M.; ZELEZNIK, Anthony J. (Ed.). Knobil and Neill's physiology of reproduction. New York: Academic Press, 2014. -/- RAMIREZ, Domingo V.; MCCANN, S. M. Comparison of the regulation of luteinizing hormone (LH) secretion in immature and adult rats. Endocrinology, v. 72, n. 3, p. 452-464, 1963. -/- ROSER, JANET F.; HUGHES, JOHN P. Seasonal effects on seminal quality, plasma hormone concentrations, and GnRHinduced LH response in fertile and subfertile stallions. Journal of andrology, v. 13, n. 3, p. 214-223, 1992. -/- SALOMONI, Eduardo et al. Idade e peso à puberdade em fêmeas de corte puras e cruzas em campo natural. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 23, n. 10, p. 1171-1179, 1988. -/- SMITH, Jeremy T.; CLARKE, Iain J. Seasonal breeding as a neuroendocrine model for puberty in sheep. Molecular and cellular endocrinology, v. 324, n. 1-2, p. 102-109, 2010. -/- VALENCIA, J. Pubertad y estacionalidad reproductiva. In. PORTA, L. R.; MEDRANO, J. H. H. Fisiología reproductiva de los animales domésticos. Cidade do México: FMVZ-UNAM, 2018. -/- WHITTEMORE, Colin et al. The science and practice of pig production. Blackwell Science Ltd, 1998. -/- -/- -/- FIXAÇÃO DO ASSUNTO -/- -/- 1. Defina o que é puberdade e como ela manifesta-se no corpo. -/- -/- -/- 2. Diferencie puberdade de maturidade sexual. -/- -/- -/- 3. Quais são os fenômenos que devem ser observados em fêmeas que estão entrando na puberdade? -/- -/- -/- 4. Qual o papel do GnRH e do IGF-I sobre a puberdade? -/- 5. Um produtor possui duas ovelhas e um carneiro reprodutor, as ovelhas possuem idade e peso, mas não manifestaram seu primeiro cio, quais elementos que você recomenda ao produtor para induzir a ciclicidade dessas fêmeas? -/- -/- -/- 6. De forma geral, quais os fatores que podem afetar a entrada na puberdade dos animais? -/- -/- -/- 7. Defina estacionalidade reprodutiva. -/- -/- -/- 8. O que é fotoperíodo e qual sua importância para a reprodução dos animais domésticos? -/- -/- -/- 9. Defina as relações existentes entre a origem da raça e o grau de estacionalidade e como tais teorias se aplicam ao rebanho brasileiro. -/- -/- -/- 10. Qual o papel da glândula pineal para a estacionalidade reprodutiva? -/- -/- -/- 11. Por que os machos são menos afetados pela sazonalidade reprodutiva do que as fêmeas? -/- -/- -/- 12. Sabendo-se sobre os termos de puberdade e estacionalidade e as características de ambos nas espécies domésticas, pede-se: um criador deseja obter 5 novas crias ovinas e 5 caprinas em seu plantel até o final do ano, para tanto ele ainda possui um ano e está na estação do verão, sabendo-se sobre a estacionalidade dessas espécies elabore um projeto reprodutivo de modo que essas 10 fêmeas possam gerar uma cria cada até a primavera. -/- -/- Dados: 10 fêmeas gerando 10 crias. 1 macho ovino e 1 caprino. Fêmeas com 1 ano de idade ( cio) e peso corporal = 55% do peso adulto. Verão de 2020 para parir na primavera de 2020. (shrink)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  16. Digestão dos Alimentos e Desenvolvimento do Rúmen em Bezerros.Emanuel Isaque Cordeiro da Silva - manuscript
    PRINCÍPIOS DA DIGESTÃO DOS ALIMENTOS NOS BEZERROS -/- -/- E. I. C. da Silva -/- Departamento de AgropecuáriaIFPE Campus Belo Jardim -/- Departamento de ZootecniaUFRPE sede -/- -/- (...)PRINCÍPIOS DA DIGESTÃO DOS ALIMENTOS NOS BEZERROS -/- -/- INTRODUÇÃO -/- Se todos os bezerros pudessem ser criados por suas mães, haveria pouca necessidade de inúmeros livros, artigos e trabalhos, como esse, sobre a criação e o manejo básico desses animais. A maioria das vacas desempenha um ótimo papel na criação dos seus descendentes, desde que sejam tomados os devidos cuidados com relação a alimentação, saúde e a outros aspectos relativos à criação desses neonatos. A essência da pecuária bovina relativa à criação de bezerros é manter esses animais vivos e aptos o suficiente para desempenhar atividades produtivas de grande importância na propriedade. Para tanto, os criadores necessitam entender o desenvolvimento do trato digestivo do bezerro e os conceitos básicos da digestão dos alimentos por ele, e é isso que pretendo aclarar de forma clara e concisa com esse trabalho. -/- -/- 1.1 O TRATO DIGESTIVO DO BEZERRO -/- Um animal adulto necessita de quatro estômagos funcionais para dar-lhe a capacidade de utilizar a ampla gama de alimentos disponíveis. -/- O retículo e o rúmen abrigam milhões de micróbios que fermentam e digerem o material vegetal, em especial às presentes nas forragens. O omaso permite a absorção de água do conteúdo do intestino. O abomaso, ou quarto estômago, é o verdadeiro estômago, comparável ao dos humanos, e permite a digestão ácida dos alimentos. -/- O bezerro muito jovem não desenvolve a capacidade de digerir o pasto, sendo assim o abomaso é o único estômago funcional ao nascer. Tanto os animais recém-nascidos como os adultos têm um intestino delgado funcional que permite a digestão alcalina dos alimentos. -/- A figura 1 ilustra a anatomia dos estômagos e intestino delgado de um bezerro recém-nascido. Esse diagrama esquemático mostra as dimensões relativas dos quatro estômagos, o sulco esofágico, que vai do esôfago até o abomaso, e o esfíncter pilórico ou válvula no fundo do abomaso, que controla a velocidade de movimento do conteúdo do intestino no duodeno. -/- O omaso e o abomaso representam cerca de 70% da capacidade total do estômago no bezerro recém-nascido. Por outro lado, nas vacas adultas, eles compõem apenas 30% da capacidade total do estômago (figura 2). -/- A digestão dos alimentos é auxiliada pela secreção de certos produtos químicos denominados enzimas, que estão presentes nas várias partes do intestino. Por exemplo, os bezerros produzem a enzima renina na parede do abomasal para auxiliar na digestão das proteínas do leite, enquanto a lactase é produzida na parede do duodeno para a digestão do açúcar do leite (lactose). Estas enzimas operam mais eficazmente em diferentes níveis de acidez no conteúdo do intestino, ácido no abomaso e alcalino no duodeno. Para conseguir isso, o bezerro segrega eletrólitos, ou sais minerais, com as enzimas, para mudar o conteúdo do intestino de um tipo para outro. -/- Os produtos finais da digestão dos diferentes componentes dos alimentos são absorvidos através da parede do intestino, mediante as vilosidades intestinais, para a corrente sanguínea, onde são levados para as diferentes partes do corpo para o crescimento e desenvolvimento do animal. -/- -/- 1.2 O BEZERRO ALIMENTADO COM LEITE -/- O Leite ou substituto do leite, quer seja apreendido através de uma teta ou bebido de um balde, é canalizado do esôfago através do sulco esofágico para o abomaso. Este sulco é um pequeno canal na parede do rúmen que é controlado por músculos que permitem que os líquidos sejam diretamente enviados para o abomaso e que não entrem no rúmen. O sulco é ativado em resposta a diferentes estímulos. Funciona bem quando os bezerros amamentam-se através das tetas das mães, mas às vezes não funciona quando bebem de um balde. Essa parece ser uma condição psicológica em resposta aos bezerros separados de suas mães. A maioria dos bezerros podem ser treinados pelo tratador para beber o leite do balde rapidamente e bem, a metodologia empregada é a da persuasão do animal, ao qual o mesmo possa responder positivamente à nova rotina diária e à mãe substituta na forma do criador do bezerro. Quando o leite ou o substituto do leite entra no abomaso, forma um coágulo firme dentro de alguns minutos sob a influência das enzimas renina e pepsina. Este é o mesmo processo envolvido na fabricação de queijo ou junket, usando renina para coagular a proteína do leite. A coagulação do leite retarda a taxa em que flui para fora do abomaso, permitindo assim uma liberação constante de nutrientes alimentares em todo o intestino e, eventualmente, para a corrente sanguínea. Pode levar de 12 a 18 horas para que a coalhada de leite seja totalmente digerida. -/- As enzimas que atuam nas proteínas do leite requerem um ambiente ácido e esse é fornecido pela secreção do ácido clorídrico no abomaso. No entanto, até que a digestão ácida esteja operando de forma eficiente, e isso pode levar até sete dias, a única forma de proteína que pode ser digerida é a caseína. Não substituto para a caseína no bezerro muito jovem. Os substitutos do leite que contêm outras formas de proteína não podem ser devidamente digeridos até que os bezerros sejam mais velhos. Logo, é necessário muito cuidado para não fornecer substitutos ou sucedâneos que contenham fontes proteicas que não possam ser digeridas pelo estômago do animal, para que não ocasione complicações gastrintestinais. -/- A digestão do leite pode ser melhorada com a inclusão de coalho, que pode ser obtido a partir de fábricas de queijo ou aditivos comerciais de leite de bezerro para a primeira semana ou mais. Esses produtos comerciais podem fornecer ácidos adicionais para reduzir o pH abomasal e incrementar a quantidade de enzimas e bactérias específicas para aumentar a taxa de degradação da coalhada de leite. Tais aditivos são chamados probióticos, na medida em que ajudam nos processos digestivos normais. A pesquisa nem sempre os encontrou para melhorar o desempenho e a saúde dos bezerros, e eles são mais propensos a ser benéficos quando os bezerros estão sofrendo de problemas de saúde. Além disso, a sua eficácia, em termos de custo-benefício é, por vezes, questionada. -/- Qualquer leite de uma alimentação anterior está envolvido neste coágulo recém-formado. As proteínas líquidas de soro de leite e a lactose são rapidamente separadas da coalhada de leite e passam para o abomaso. A gordura do leite contida na coalhada de leite é decomposta por outra enzima, a lipase. Esta é secretado na boca pela saliva e incorporada quando o leite é engolido. A alimentação pelas tetas em vez da alimentação através do balde parece produzir mais saliva e, portanto, mais lipase. A digestão adicional da proteína do leite e da gordura ocorre no duodeno com a ajuda das enzimas produzidas no pâncreas. -/- A lactose, que é rapidamente liberada da coalhada de leite no abomaso, é dividida em glicose e galactose e estas são absorvidas na corrente sanguínea para formar a principal fonte de energia para os bezerros jovens. -/- As gorduras são divididas em ácidos graxos e glicerol para absorção e uso como energia, enquanto as proteínas são divididas em aminoácidos e peptídeos para absorção e uso como fontes de proteína corporal. -/- O amido de cereais, por exemplo, é uma importante fonte de energia em bezerros mais velhos, mas esses animais, nas suas primeiras semanas de vida, não conseguem digerir o amido. -/- O abomaso não é ácido até que o bezerro tenha 1-2 dias de idade e isso apresenta vantagens e desvantagens. A principal vantagem é que as proteínas imunes no colostro não podem ser digeridas nesse compartimento estomacal, por isso são absorvidas na corrente sanguínea na mesma forma quando produzidas pela vaca. Isso garante o seu papel como anticorpos para proteger contra as doenças e infecções. A baixa acidez do conteúdo abomasal no bezerro recém-nascido constitui um risco potencial das bactérias (e provavelmente vírus) tomadas através da boca. Estes não serão mortos pela digestão ácida, sendo assim podem passar para os intestinos, onde podem fazer mal ao bezerro recém-nascido. -/- Todos os bezerros pegam bactérias nos primeiros dias de vida e isso é essencial para o desenvolvimento normal do rúmen (flora microbiana). No entanto, a primeira bactéria a colonizar o intestino também pode causar danos. Desde que o bezerro tenha bebido colostro, os anticorpos maternos podem controlar a propagação dessas bactérias mais nocivas. -/- O bezerro alimentado com leite deve, então, produzir uma digestão ácida no abomaso e uma digestão alcalina no duodeno. Isto é conseguido pela produção de eletrólitos na parede do intestino. -/- Bezerros que sofrem de escoriações devido a distúrbios nutricionais ou infecções bacterianas podem perder grandes quantidades de água e eletrólitos em suas fezes. Estes devem ser reabastecidos como parte do tratamento para as escoriações. -/- O colostro é o primeiro leite produzido por vacas recém-paridas. Além de fornecer nutrientes essenciais para a alimentação animal, fornece anticorpos maternos que permitem a transferência passiva de imunidade contra doenças. As recomendações para a alimentação com colostro serão abordadas brevemente em outro trabalho. -/- -/- 1.3 DESENVOLVIMENTO DO RÚMEN E O PROCESSO DE DESMAME -/- Quando os bezerros são desmamados, o custo da criação diminui acentuadamente. Os custos de alimentação são mais baixos, os insumos de trabalho são reduzidos e a incidência de problemas de saúde é menor. No sentido econômico, faz sentido desmamar os bezerros assim que for razoável. No entanto, o bezerro é forçado a sofrer várias mudanças dramáticas, a saber: -/-  A fonte primária de nutrientes muda de líquido para sólido. -/-  A quantidade de matéria seca que o bezerro recebe é reduzida. -/-  O bezerro deve adaptar-se de um tipo monogástrico a um ruminante de digestão, que inclui a fermentação de alimentos. -/-  Mudanças na habitação e no manejo muitas vezes ocorrem em torno do desmame, o que pode aumentar o estresse. -/- Ao nascer, o rúmen é uma parte pequena e estéril do intestino que, ao desmame deve se tornar o compartimento mais importante dos quatro estômagos. Deve aumentar em tamanho, atividade metabólica interna e fluxo sanguíneo externo. Os cinco requisitos para o desenvolvimento ruminal são: -/-  Estabelecimento de bactérias. -/-  Líquido. -/-  Saída de material (ação muscular). -/-  Capacidade absortiva do tecido. -/-  Substrato para permitir o crescimento bacteriano, tais como minerais reciclados, bem como nutrientes para alimentação. -/- Antes do consumo de alimentos sólidos, as bactérias existentes fermentam o cabelo ingerido, o estrato e o leite que flui do abomaso para o rúmen. A maior parte da água que entra no rúmen provém da água livre (água real não contida no leite ou na solução substituta do leite). O leite contornará o rúmen através do sulco esofágico, enquanto a água livre não. -/- O rúmen se desenvolve a partir de um órgão muito pequeno em bezerros recém-nascidos (1-2 L) para a parte mais importante do intestino (25-30 L) por 3 meses de idade. Ele pode aumentar muito rapidamente durante as primeiras semanas de vida, dado o manejo da alimentação direita. -/- O crescimento do rúmen ocorre apenas sob a influência dos produtos finais da digestão no mesmo, que resultam da fermentação de alimentos sólidos pelos micróbios presentes nesse compartimento. O desenvolvimento ocorre em grande parte através do crescimento das papilas ruminais (figura 5 e 6) na parede ruminal (estruturas semelhantes a folhas na superfície interna), que aumentam a área superficial do rúmen e, portanto, a sua capacidade de absorver estes produtos finais de digestão. Portanto, os concentrados favorecem melhor o desenvolvimento dessas papilas ruminais. Para tanto, é necessário, com um tempo, ir incrementando a dieta sólida gradativamente para que esses animais deixem de consumir o leite das vacas produtoras e possam alimentar-se de ração e pastagens, que é a finalidade da criação de bovinos, ou seja, criar animais com menor custo possível e engordá-los através de ração, mas principalmente de pastagens. -/- A capacidade do rúmen e a ingestão de alimentos sólidos estão intimamente relacionadas. O desenvolvimento do rúmen é muito lento em bezerros alimentados com grandes quantidades de leite. O leite satisfaz seus apetites para que eles não tenham fome suficiente para comer qualquer alimento sólido. Logo, é necessário diminuir paulatinamente o fornecedor do leite para esses animais, favorecendo a ingestão de alimentos sólidos e desenvolvendo o rúmen, estômago que digere as fibras das forragens e que os tona animais peculiares. -/- A ruminação pode ocorrer com cerca de 2 semanas de idade e é uma boa indicação de que o rúmen está se desenvolvendo. Alimentos sólidos, bem como a ruminação, estimulam a produção de saliva e isso fornece nutrientes como ureia e bicarbonato de sódio para produzir os substratos para o crescimento e desenvolvimento da flora bacteriana. -/- No desmame precoce, é importante limitar a quantidade de leite oferecida e a sua disponibilidade durante todo o dia. Também é essencial fornecer alimentos sólidos. Os grosseiros (de baixa ou alta qualidade) devem ser oferecidos em combinação com concentrados de alta qualidade. -/- O criador deve tomar cuidado com o fornecimento de alimentos como a ração farelada, uma vez que essa ração pode entrar pelas vias nasais e ocasionar complicações respiratórias; alguns relatos de bezerros mortos após a ingestão de ração farelada, na autópsia de um dos casos foi diagnosticada uma morte por esses grãos farelados presentes no pulmão. Portanto, para evitar complicações o ideal é que se forneça uma ração denominada peletizada. -/- Os alimentos grosseiros (volumosos) estimulam o desenvolvimento do rúmen, enquanto os concentrados fornecem nutrientes para a alimentação animal que não são fornecidos pelas quantidades limitadas de leite oferecidas. Sem os concentrados, o crescimento dos bezerros é lento, mas o rúmen ainda se desenvolve, resultando em animais barrigudos. -/- A ureia fornece nitrogênio para os micróbios, enquanto o bicarbonato de sódio atua como um tampão ruminal, ajudando a manter um pH estável no conteúdo do rúmen. Isso é, particularmente, importante quando os bezerros comem grandes quantidades de grãos de cereais na vida adulta, pois os micróbios do rúmen podem produzir muito ácido lático durante a fermentação desse material. -/- Envenenamento por grãos ou acidose ocorre quando os níveis de ácido lático são excessivamente elevados e tornam-se tóxicos para os micróbios do rúmen e, eventualmente, para o animal. Assim como os produtos finais que são absorvidos através da parede do rúmen, a fermentação microbiana produz os gases dióxido de carbono e metano e estes são normalmente exalados. Quando algo impede a fuga destes gases do rúmen, o inchaço pode se manifestar em qualquer fase da vida, diz-se do animal estufado. -/- -/- 1.4 O PAPEL DA FORRAGEM NO PROCESSO DE DESMAME -/- Existem inúmeras controvérsias acerca do papel da forragem no processo de desmame. Pesquisas realizadas na década de 1980 indicaram claramente que a forragem era benéfica, enquanto pesquisas da década de 1990 descobriram que nem sempre era necessário o fornecimento da forragem para que os bezerros fossem desmamados e que não sofresse estresse e nem apresentasse baixa eficiência produtiva e reprodutiva no futuro. Na maioria das pesquisas anteriores, os bezerros eram desmamados com a oferta de concentrados moídos como pellets com ou sem a presença de feno longo ou palha. Porém, a inclusão de forragens na dieta melhorou a ingestão e o desempenho, além de permitir o desmame precoce. -/- Na pesquisa posterior, os bezerros geralmente alimentavam-se de concentrados grosseiramente moídos, além de alguns volumosos, enquanto alguns até incluíam volumosos picados finos na mistura (às vezes chamados de mistura muesli por apresentar o capim e a ração). Nesses estudos, verificou-se que a inclusão de feno ou palha adicional teve pouco efeito no desempenho pré-desmame. -/- Os sistemas de criação de bezerros australianos frequentemente diferem dos demais, especialmente em áreas de parto sazonais. Um número excessivo elevado de bezerros precisam ser criados de uma vez para lhes fornecer, a todos, currais individuais durante todo o seu período de amamentação. Consequentemente, os bezerros são criados em grupos. Além disso, os ingredientes da maioria dos concentrados para esses animais são finamente moídos. Nessas situações, descobriu-se que a palha limpa é um alimento útil e que deve ser incluso no período pré-desmame. Alguns agricultores preferem feno de boa qualidade, porém estes agricultores geralmente têm bezerros em grupos muito pequenos, muitas vezes um ou dois, por isso possuem maior controle sobre a ingestão de forragem. -/- Figura 7: A alimentação volumosa de bezerros alimentados com leite é uma questão controversa. Imagem cedida pelo IPA -/- É difícil e, portanto, mais caro que os produtores de rações incorporem feno picado nas refeições dos bezerros. Os pellets são muito mais fáceis, pois eles vão fluir para silos. Por fim, os produtores de leite devem incluir o componente volumoso no regime alimentar pré-desmame. A pastagem não é a fonte ideal de forragem volumosa para os bezerros alimentados com leite, uma vez que possui muito pouca fibra e uma baixa densidade de energia alimentar. O seu elevado teor de água limita a sua capacidade de fornecer energia alimentar adequada aos animais em crescimento. Para ingerir a pastagem a capacidade ruminal deveria ser maior, bezerros jovens simplesmente não conseguem comer pasto suficiente, a menos que seja de alta em qualidade. -/- Os bezerros criados com leite e fornecimento gradual de concentrados apresentam uma boa função ruminal às 3 semanas de vida, além de possuírem uma suficiente capacidade ruminal para o desmame entre às 4-6 semanas de idade. No entanto, se a dieta for baseada em leite restrito e pastagem de alta qualidade, a capacidade do rúmen pode não ser suficiente para o desmame até às 8-10 semanas de vida. Mesmo assim, as taxas de crescimento seriam menores em bezerros desmamados com base alimentar somente à pasto, uma vez que a ingestão de energia é insuficiente devido às limitações físicas da capacidade ruminal. -/- Se a qualidade for muito boa e produza apetite, os bezerros preferem volumosos ao invés do concentrado, o que leva a uma ingestão reduzida de nutrientes durante alimentação, tendo como efeito um crescimento mais lento. Quando volumosos e concentrados fornecem apetite no animal, juntamente com o leite limitado, os bezerros podem comer cerca de 10% de palha e 90% de concentrados. Sem o volumoso e a ruminação resultante, o desenvolvimento do rúmen será mais lento devido à falta de saliva e produtos finais da digestão de fibras presentes na parede celular das forragens. -/- -/- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS -/- -/- BEN ASHER, Aharon. Manual de cría de becerras. Zaragoza: Acribia, 1999. -/- BITTAR, Carla Maris Machado; PORTAL, Rafaela Nunes Sanchez; PEREIRA, Anna Carolina Fett da Cunha. Criação de bezerras leiteiras. Piracicaba: EDUSP, 2018. -/- BLUM, J. W. Nutritional physiology of neonatal calves. Journal of animal physiology and animal nutrition, v. 90, n. 12, p. 1-11, 2006. -/- CAMPOS, OF de. Criação de bezerros até a desmama. Coronel Pacheco: EMBRAPA/CNPGL, 1985. -/- COELHO, S. G. Criação de bezerros. II Simpósio Mineiro de Buiatria, Anais., Belo Horizonte, 2005. -/- DAVIS, Carl L. et al. The development, nutrition, and management of the young calf. Iowa State University Press, 1998. -/- DE OLIVEIRA, Juliana Silva; DE MOURA ZANINE, Anderson; SANTOS, Edson Mauro. Fisiologia, manejo e alimentação de bezerros de corte. Arquivos de Ciências Veterinárias e Zoologia da UNIPAR, v. 10, n. 1, 2007. -/- DRACKLEY, James K. Calf nutrition from birth to breeding. Veterinary Clinics of North America: Food Animal Practice, v. 24, n. 1, p. 55-86, 2008. -/- FERREIRA, Lucas Silveira et al. Desempenho animal e desenvolvimento do rúmen de bezerros leiteiros aleitados com leite integral ou sucedâneo. Boletim de Indústria Animal, v. 65, n. 4, p. 337-345, 2008. -/- GUILLOTEAU, P.; ZABIELSKI, R.; BLUM, J. W. Gastrointestinal tract and digestion in the young ruminant: ontogenesis, adaptations, consequences and manipulations. J Physiol Pharmacol, v. 60, n. Suppl 1, p. 37-46, 2009. -/- HUBER, J. T. Development of the digestive and metabolic apparatus of the calf. Journal of Dairy Science, v. 52, n. 8, p. 1303-1315, 1969. -/- LONGENBACH, J. I.; HEINRICHS, Arlyn Judson. A review of the importance and physiological role of curd formation in the abomasum of young calves. Animal feed science and technology, v. 73, n. 1-2, p. 85-97, 1998. -/- LOPES, Marcos Aurélio; VIEIRA, P. de F. Criação de bezerros leiteiros. Jaboticabal: Funep, 1998. -/- LUCCI, Carlos de Sousa. Bovinos leiteiros jovens: nutrição, manejo, doenças. São Paulo: Nobel, 1989. -/- ROY, James Henry Barstow et al. The calf. Boston: Butterworths., 1980. -/- SAVAGE, E. S.; MCCAY, C. M. The nutrition of calves; A review. Journal of Dairy Science, v. 25, n. 7, p. 595-650, 1942. -/- THIVEND, P.; TOULLEC, R.; GUILLOTEAU, P. Digestive adaptation in the preruminant. In: Digestive physiology and metabolism in ruminants. Springer, Dordrecht, 1980. p. 561-585. (shrink)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  17.  41
    Probability and Arguments: Keyness Legacy.William Peden - forthcoming - Cambridge Journal of Economics:1-18.
    John Maynard Keyness A Treatise on Probability is the seminal text for the logical interpretation of probability. According to his analysis, probabilities are evidential relations between (...)a hypothesis and some evidence, just like the relations of deductive logic. While some philosophers had suggested similar ideas prior to Keynes, it was not until his Treatise that the logical interpretation of probability was advocated in a clear, systematic and rigorous way. I trace Keyness influence in the philosophy of probability through a heterogeneous sample of thinkers who adopted his interpretation. This sample consists of Frederick C. Benenson, Roy Harrod, Donald C. Williams, Henry E. Kyburg and David Stove. The ideas of Keynes prove to be adaptable to their diverse theories of probability. My discussion indicates both the robustness of Keyness probability theory and the importance of its influence on the philosophers whom I describe. I also discuss the Problem of the Priors. I argue that none of those I discuss have obviously improved on Keyness theory with respect to this issue. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  18.  44
    Una mirada crítica sobre el realismo crítico.Agustina Borella - 2011 - Selección de Trabajos de Las XVII Jornadas de Epistemología de Las Ciencias Económicas 1.
    Tony Lawson, fundador del Grupo de Ontología Social y del Taller Realista de Cambridge, ha propuesto el realismo crítico para reorientar la economía. La transformación del mundo (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  19. Un possibile esempio storico di slittamento gestaltico in fisica delle particelle elementari.Giuseppe Iurato - 2013 - Quaderni di Ricerca in Didattica (Science) 5 (5):13-29.
    The resolution of the celebrated θ-τ enigma of elementary particle physics through the introduction of the parity violation law by T.D. Lee and C.N. Yang (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  20. Are The Statue and The Clay Mutual Parts?Lee Walters - 2017 - Noûs:23-50.
    Are a material object, such as a statue, and its constituting matter, the clay, parts of one another? One wouldn't have thought so, and yet a (...)number of philosophers have argued that they are. I review the arguments for this surprising claim showing how they all fail. I then consider two arguments against the view concluding that there are both pre-theoretical and theoretical considerations for denying that the statue and the clay are mutual parts. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   10 citations  
  21. Repeatable Artworks as Created Types.Lee Walters - 2013 - British Journal of Aesthetics 53 (4):461-477.
    I sketch here an intuitive picture of repeatable artworks as created types, which are individuated in part by historical paths (re)production. Although attractive, this view has (...)been rejected by a number of authors on the basis of general claims about abstract objects. On consideration, however, these general claims are overgeneralizations, which whilst true of some abstracta, are not true of all abstract objects, and in particular, are not true of created types. The intuitive picture of repeatable artworks as created types is, then, left in place. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   19 citations  
  22. Arendt Against Athens: Rereading the Human Condition.Roy T. Tsao - 2002 - Political Theory 30 (1):97-123.
    Miss Arendt is more reticent than, perhaps, she should be, about what actually went on in this public realm of the Greeks. —W. H. Auden.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   14 citations  
  23. An Argument for Conjunction Conditionalization.Lee Walters & Robert Williams - 2013 - Review of Symbolic Logic 6 (4):573-588.
    Are counterfactuals with true antecedents and consequents automatically true? That is, is Conjunction Conditionalization: if (X & Y), then (X > Y) valid? Stalnaker and Lewis think so (...), but many others disagree. We note here that the extant arguments for Conjunction Conditionalization are unpersuasive, before presenting a family of more compelling arguments. These arguments rely on some standard theorems of the logic of counterfactuals as well as a plausible and popular semantic claim about certain semifactuals. Denying Conjunction Conditionalization, then, requires rejecting other aspects of the standard logic of counterfactuals, or else our intuitive picture of semifactuals. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   15 citations  
  24. Fictionality and Imagination, Revisited.Lee Walters - 2017 - Journal of Aesthetics and Art Criticism 75 (1):15-21.
    I present and discuss a counterexample to Kendall Walton's necessary condition for fictionality that arises from considering serial fictions. I argue that although Walton has not (...)in fact provided a necessary condition for fictionality, a more complex version of Walton's condition is immune from the counterexample. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   7 citations  
  25. Possible World Semantics and True-True Counterfactuals.Lee Walters - 2016 - Pacific Philosophical Quarterly 97 (3):322-346.
    The standard semantics for counterfactuals ensures that any counterfactual with a true antecedent and true consequent is itself true. There have been many recent attempts to amend (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   7 citations  
  26. Against Hypothetical Syllogism.Lee Walters - 2014 - Journal of Philosophical Logic 43 (5):979-997.
    The debate over Hypothetical Syllogism is locked in stalemate. Although putative natural language counterexamples to Hypothetical Syllogism abound, many philosophers defend Hypothetical Syllogism, arguing that the alleged (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   10 citations  
  27. The Three Phases of Arendt's Theory of Totalitarianism.Roy Tsao - 2002 - Social Research: An International Quarterly 69 (2):579-619.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   5 citations  
  28. The Moral Justification of Benefit/Cost Analysis: Donald C. Hubin.Donald C. Hubin - 1994 - Economics and Philosophy 10 (2):169-194.
    Benefit/cost analysis is a technique for evaluating programs, procedures, and actions; it is not a moral theory. There is significant controversy over the moral justification of (...)benefit/cost analysis. When a procedure for evaluating social policy is challenged on moral grounds, defenders frequently seek a justification by construing the procedure as the practical embodiment of a correct moral theory. This has the apparent advantage of avoiding difficult empirical questions concerning such matters as the consequences of using the procedure. So, for example, defenders of benefit/cost analysis are frequently tempted to argue that this procedure just is the calculation of moral Tightnessperhaps that what it means for an action to be morally right is just for it to have the best benefit-to-cost ratio given the accounts ofbenefitandcostthat BCA employs. They suggest, in defense of BCA, that they have found the moral calculusBentham'sunabashed arithmetic of morals.” To defend BCA in this manner is to commit oneself to one member of a family of moral theories and, also, to the view that if a procedure is the direct implementation of a correct moral theory, then it is a justified procedure. Neither of these commitments is desirable, and so the temptation to justify BCA by direct appeal to a B/C moral theory should be resisted; it constitutes an unwarranted short cut to moral foundationsin this case, an unsound foundation. Critics of BCA are quick to point out the flaws of B/C moral theories, and to conclude that these undermine the justification of BCA. But the failure to justify BCA by a direct appeal to B/C moral theory does not show that the technique is unjustified. There is hope for BCA, even if it does not lie with B/C moral theory. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   10 citations  
  29. Conditionals, Modals, and Hypothetical Syllogism.Lee Walters - 2014 - Thought: A Journal of Philosophy 3 (1):90-97.
    Moti Mizrahi (2013) presents some novel counterexamples to Hypothetical Syllogism (HS) for indicative conditionals. I show that they are not compelling as they neglect the complicated ways (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   9 citations  
  30. Reply to Ahmed.Lee Walters - 2011 - Proceedings of the Aristotelian Society 111 (1pt1):123-133.
    I reply to Ahmeds rejection (2011) of my argument (Walters 2009) that all counterfactuals with true antecedents and consequents are themselves true.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   10 citations  
  31. Does Sentience Come in Degrees?Andrew Y. Lee - 2020 - Animal Sentience 29 (20).
    I discuss whether "sentience" (i.e., phenomenal consciousness) comes in degrees.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  32. Social Science's Conspiracy Theory Panic: Now They Want to Cure Everyone.Lee Basham & Matthew Dentith - 2016 - Social Epistemology Review and Reply Collective 5 (10):12-19.
    A response to a declaration in 'Le Monde', 'Luttons efficacement contre les théories du complot' by Gérald Bronner, Véronique Campion-Vincent, Sylvain Delouvée, Sebastian Dieguez, Karen Douglas, (...)Nicolas Gauvrit, Anthony Lantian, and Pascal Wagner-Egger, published on June the 6th, 2016. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   3 citations  
  33. A Note on Harmony.Nissim Francez & Roy Dyckhoff - 2012 - Journal of Philosophical Logic 41 (3):613-628.
    In the proof-theoretic semantics approach to meaning, harmony , requiring a balance between introduction-rules (I-rules) and elimination rules (E-rules) within a meaning conferring natural-deduction (...)proof-system, is a central notion. In this paper, we consider two notions of harmony that were proposed in the literature: 1. GE-harmony , requiring a certain form of the E-rules, given the form of the I-rules. 2. Local intrinsic harmony : imposes the existence of certain transformations of derivations, known as reduction and expansion . We propose a construction of the E-rules (in GE-form) from given I-rules, and prove that the constructed rules satisfy also local intrinsic harmony. The construction is based on a classification of I-rules, and constitute an implementation to Gentzens (and Pawitz’) remark, that E-rules can beread offI-rules. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   28 citations  
  34. Serial Fiction, the End?Lee Walters - 2015 - British Journal of Aesthetics 55 (3):323-341.
    Andrew McGonigal presents some interesting data concerning truth in serial fictions.1 Such data has been taken by McGonigal, Cameron and Caplan to motivate some form of (...)contextualism or relativism. I argue, however, that many of these approaches are problematic, and that all are under-motivated as the data can be explained in a standard invariantist semantic framework given some independently plausible principles. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   3 citations  
  35. Proof-Theoretic Semantics for Subsentential Phrases.Nissim Francez, Roy Dyckhoff & Gilad Ben-Avi - 2010 - Studia Logica 94 (3):381-401.
    The paper briefly surveys the sentential proof-theoretic semantics for fragment of English. Then, appealing to a version of Freges context-principle (specified to fit type-logical (...)grammar), a method is presented for deriving proof-theoretic meanings for sub-sentential phrases, down to lexical units (words). The sentential meaning is decomposed according to the function-argument structure as determined by the type-logical grammar. In doing so, the paper presents a novel proof-theoretic interpretation of simple type, replacing Montagues model-theoretic type interpretation (in arbitrary Henkin models). The domains of derivations are collections of derivations in the associateddedicatednatural-deduction proof-system, and functions therein (with no appeal to models, truth-values and elements of a domain). The compositionality of the semantics is analyzed. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   19 citations  
  36. Che cosa cè e che cosè.Maurizio Ferraris & Achille C. Varzi - 2003 - Nous. Postille Su Pensieri 1:81–101.
    A philosophical exchange broadly inspired by the characters of Berkeleys Three Dialogues. Hylas is the realist philosopher: the view he stands up for reflects a robust (...)metaphysic that is reassuringly close to common sense, grounded on the twofold persuasion that the world comes structured into entities of various kinds and at various levels and that it is the task of philosophy, if not of science generally, tobring to lightthat structure. Philonous, by contrast, is the anti-realist philosopher (though not necessarily an idealist): his metaphysic is stark, arid, dishearteningly bone-dry, and stems from the conviction that a great deal of the structure that we are used to attribute to the world out there lies, on closer inspection, in our head, in ourorganizing practices”, in the complex system of concepts and categories that unrerlie our representation of experience and our need to represent it that way. (shrink)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark   2 citations  
  37. Echo Chambers and Epistemic Bubbles.C. Thi Nguyen - 2020 - Episteme 17 (2):141-161.
    Recent conversation has blurred two very different social epistemic phenomena: echo chambers and epistemic bubbles. Members of epistemic bubbles merely lack exposure to relevant information and arguments. (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   46 citations  
  38. Essential Properties and Individual Essences.Sonia Roca-Royes - 2011 - Philosophy Compass 6 (1):65-77.
    According to Essentialism, an objects properties divide into those that are essential and those that are accidental. While being human is commonly thought to be essential (...)to Socrates, being a philosopher plausibly is not. We can motivate the distinction by appealingas we just didto examples. However, it is not obvious how best to characterize the notion of essential property, nor is it easy to give conclusive arguments for the essentiality of a given property. In this paper, I elaborate on these issues and explore the way in which essential properties behave in relation to other related properties, like sufficient-for-existence properties and individual essences. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   17 citations  
  39. Arendt and the Modern State: Variations on Hegel in The Origins of Totalitarianism.Roy T. Tsao - 2004 - Review of Politics 66 (1):61-93.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  40. Response to My Critics.Roy T. Cook - 2012 - Análisis Filosófico 32 (1):69-97.
    During the Winter of 2011 I visited SADAF and gave a series of talks based on the central chapters of my manuscript on the Yablo paradox. The (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   2 citations  
  41. Modal Knowledge and Counterfactual Knowledge.Sonia Roca-Royes - 2011 - Logique Et Analyse 54 (216):537-552.
    The paper compares the suitability of two different epistemologies of counterfactuals—(EC) and (W)—to elucidate modal knowledge. I argue that, while both of them explain the data (...) on our knowledge of counterfactuals, only (W)—Williamsons epistemologyis compatible with all counterpossibles being true. This is something on which Williamsons counterfactual-based account of modal knowledge relies. A first problem is, therefore, that, in the absence of further, disambiguating data, Williamsons choice of (W) is objectionably biased. A second, deeper problem is that (W) cannot satisfactorily elucidate modal knowledge. Third, from a naturalistic perspective, the nature of this second problem favours (EC) against (W). (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   18 citations  
  42. In Our Shoes or the Protagonists? Knowledge, Justification, and Projection.Chad Gonnerman, Lee Poag, Logan Redden, Jacob Robbins & Stephen Crowley - 2020 - In Tania Lombrozo, Shaun Nichols & Joshua Knobe (eds.), Oxford Studies in Experimental Philosophy, Vol. 3. Oxford University Press. pp. 189-212.
    Sackris and Beebe (2014) report the results of a series of studies that seem to show that there are cases in which many people are willing to (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  43. The Specter of Hegel in Coleridge's Biographia Literaria.Ayon Roy - 2007 - Journal of the History of Ideas 68 (2):279-304.
    Coleridge rarely mentions Hegel in his philosophical writings and seems to have read very little of Hegel's work. Yet I argue that Coleridge's criticisms of Schelling (...)'s philosophyas recorded in letters and marginaliabetray remarkable intellectual affinities with his nearly exact contemporary Hegel, particularly in their shared doubts about Schelling's foundationalist intuitionism. With this background in place, I seek to demonstrate that volume one of Coleridge's Biographia Literaria is a radically self-undermining text: its philosophical argument, far from slavishly recapitulating Schelling's philosophy, remains haunted by a quasi-Hegelian skepticism toward intuition even as it advances intuition as the foundation of its theoretical edifice. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   2 citations  
  44. Ethical and Unethical Bargaining Tactics: An Empirical Study.Roy J. Lewicki & Robert J. Robinson - 1998 - Journal of Business Ethics 17 (6):665-682.
    Competitive negotiators frequently use tactics which others view as "unethical", in that these tactics either violate standards of truth telling or violate the perceived rules of negotiation. (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   25 citations  
  45. Replies to Deng, Lee, and Skow.Simon Prosser - 2018 - Inquiry: An Interdisciplinary Journal of Philosophy 61 (3):328-350.
    This paper is a contribution to a book symposium on my book Experiencing Time. I reply to comments on the book by Natalja Deng, Geoffrey Lee and (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  46. Modal Epistemology, Modal Concepts and the Integration Challenge.Sonia Roca-Royes - 2010 - Dialectica 64 (3):335-361.
    The paper argues against Peacocke's moderate rationalism in modality. In the first part, I show, by identifying an argumentative gap in its epistemology, that Peacocke's account (...) has not met the Integration Challenge. I then argue that we should modify the account's metaphysics of modal concepts in order to avoid implausible consequences with regards to their possession conditions. This modification generates no extra explanatory gap. Yet, once the minimal modification that avoids those implausible consequences is made, the resulting account cannot support Peacocke's moderate rationalism. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   8 citations  
  47. Shared Intentions, Loose Groups and Pooled Knowledge.Olivier Roy & Anne Schwenkenbecher - 2019 - Synthese (5):4523-4541.
    We study shared intentions in what we callloose groups”. These are groups that lack a codified organizational structure, and where the communication channels between group members (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  48. Endurance Work’: Embodiment and the Mind-Body Nexus in the Physical Culture of High-Altitude Mountaineering.Jacquelyn Allen-Collinson, Lee Crust & Christian Swann - 2018 - Sociology 52 (6):1324-1341.
    The 2015 Nepal earthquake and avalanche on Mount Everest generated one of the deadliest mountaineering disasters in modern times, bringing to media attention the physical-cultural world (...)of high-altitude climbing. Contributing to the current sociological concern with embodiment, here we investigate the lived experience and socialproductionof endurance in this sociologically under-researched physical-cultural world. Via a phenomenological-sociological framework, we analyse endurance as cognitively, corporeally and interactionally lived and communicated, in the form ofendurance work’. Data emanate from in-depth interviews with 18 high-altitude mountaineers, ten of whom experienced the 2015 avalanche. The article responds to Shillings (2016) call to address an important lacuna identified in sociological work: the need to investigate the embodied importance of cognition in the incorporation of culture. The concept of endurance work provides a powerful exemplar of this cognitive-corporeal nexus at work as a physical-culturally shaped, embodied practice and mode-of-thinking in the social world of high-altitude climbing. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   2 citations  
  49. The Invalidity of the Argument From Illusion.Craig French & Lee Walters - 2018 - American Philosophical Quarterly (4):357-364.
    The argument from illusion attempts to establish the bold claim that we are never perceptually aware of ordinary material objects. The argument has rightly received a great (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  50.  77
    Exploring Peoples Beliefs About the Experience of Time.Jack Shardlow, Ruth Lee, Christoph Hoerl, Teresa McCormack, Patrick Burns & Alison S. Fernandes - 2020 - Synthese 198 (11):10709-10731.
    Philosophical debates about the metaphysics of time typically revolve around two contrasting views of time. On the A-theory, time is something that itself undergoes change, as (...)captured by the idea of the passage of time; on the B-theory, all there is to time is events standing in before/after or simultaneity relations to each other, and these temporal relations are unchanging. Philosophers typically regard the A-theory as being supported by our experience of time, and they take it that the B-theory clashes with how we experience time and therefore faces the burden of having to explain away that clash. In this paper, we investigate empirically whether these intuitions about the experience of time are shared by the general public. We asked directly for peoples subjective reports of their experience of timein particular, whether they believe themselves to have a phenomenology as of times passingand we probed their understanding of what times passage in fact is. We find that a majority of participants do share the aforementioned intuitions, but interestingly a minority do not. (shrink)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
1 — 50 / 998