Inexistência e Obstinação

In Adriana V. Serrão, Carla M. Simões, Elisabete M. De Sousa, Filipa Afonso, Maria Luísa Ribeiro Ferreira & Ubirajara Rancan de Azevedo Marques (eds.), Poética da razão: homenagem a Leonel Ribeiro dos Santos. Lisboa, Portugal: pp. 385-397 (2013)
Download Edit this record How to cite View on PhilPapers
Abstract
Queremos neste ensaio introduzir um esboço de uma semântica simples e adequada para uma classe importante de predicações singulares de inexistência, ou frases existenciais singulares negativas. Frases deste género, como “Sócrates (já) não existe” e “O pássaro Dódó não existe”, são usualmente tidas como de algum modo paradoxais e semanticamente problemáticas. O modelo semântico que vamos delinear para tais frases, que desejavelmente se caracteriza pela simplicidade e pela economia, depende no entanto de duas importantes e substantivas suposições de partida, e, mais crucialmente, de uma tese semântica de alguma maneira controversa acerca da referência singular. Trata-se da tese da rigidez obstinada, a tese de que nomes próprios e outros termos irredutivelmente singulares – tais como indexicais, demonstrativos e termos para categorias naturais – são designadores, não apenas rígidos, mas obstinadamente rígidos, dos objectos que de facto designam
Categories
(categorize this paper)
PhilPapers/Archive ID
BRAIEO-3
Revision history
Archival date: 2018-06-06
View upload history
References found in this work BETA

No references found.

Add more references

Citations of this work BETA

No citations found.

Add more citations

Added to PP index
2018-06-06

Total views
13 ( #36,711 of 38,069 )

Recent downloads (6 months)
4 ( #35,607 of 38,069 )

How can I increase my downloads?

Monthly downloads since first upload
This graph includes both downloads from PhilArchive and clicks to external links.