Whistlin’ past the graveyard: Quietism and philosophical engagement

Philósophos - Revista de Filosofia 10 (2):141-161 (2005)
Download Edit this record How to cite View on PhilPapers
Abstract
nos últimos anos, John McDowell tem proposto uma concepção de filosofia em que o objetivo da disciplina não é oferecer teses substanciais, mas antes revelar modos de pensar e premissas ocultas que estão na base da filosofia construtiva. Esta visão terapêutica tem sido chamada ‘quietismo’ e deve muito a algumas idéias favoritas de Wittgenstein ao longo de toda a sua vida. No entanto, a obra de Wittgenstein (e, talvez, também a de McDowell) parece oscilar entre duas compreensões de quietismo: pode-se ser quietista por não macular aquilo que é mais importante com discussões explícitas ou pode-se ser quietista por não ter nada a dizer. Argumentaremos que o segundo tipo do quietismo não implica recusar em se ocupar com a filosofia do passado, nem tampouco adotar uma atitude contemplativa. A concentração sobre o particular, em ética tanto quanto em qualquer outra área da filosofia, é suficiente para minar as ambições universalistas da filosofia tradicional e descortinar um aumento na ação filosófica.
Keywords
No keywords specified (fix it)
Reprint years
2005
PhilPapers/Archive ID
DEPWTG-2
Upload history
Archival date: 2018-07-21
View other versions
Added to PP index
2013-12-01

Total views
60 ( #61,388 of 71,242 )

Recent downloads (6 months)
7 ( #62,925 of 71,242 )

How can I increase my downloads?

Downloads since first upload
This graph includes both downloads from PhilArchive and clicks on external links on PhilPapers.