Constrangimento e ignorância da teoria aristotélica do ato voluntário

Download Edit this record How to cite View on PhilPapers
Abstract
Neste artigo é apresentada uma interpretação dos critérios propostos por Aristóteles para separar as ações voluntárias das demais ações, assim como do tratamento aristotélico das ações mistas, das não-voluntárias e das reações morais que lhes são devidas. A interpretação defendida se concentra na Ética Nicomaquéia (EN) e faz uso da Ética Eudêmia (EE) apenas ocasionalmente. Só podemos afirmar que agimos de forma involuntária ou não-voluntária quando somos constrangidos a sofrer uma determinada ação ou quando realizamos algo por acidente.
PhilPapers/Archive ID
NASCEI
Upload history
Archival date: 2019-06-11
View other versions
Added to PP index
2019-06-11

Total views
94 ( #48,227 of 65,772 )

Recent downloads (6 months)
31 ( #26,340 of 65,772 )

How can I increase my downloads?

Downloads since first upload
This graph includes both downloads from PhilArchive and clicks on external links on PhilPapers.