A ontologia do tempo no pensamento de Agostinho de Hipona

Polymatheia: Revista de Filosofia 12 (20):224 - 247 (2019)
Download Edit this record How to cite View on PhilPapers
Abstract
Neste trabalho, abordamos a concepção de tempo em Agostinho. Tal concepção, encontra-se fundamentada em sua obra: Confissões, livro XI. O desafio principal do bispo de Hipona é a busca de uma solução para o problema deixado pelos maniqueus, que é a respeito da ocupação de Deus antes de criar o céu e a terra. Por isso, o filósofo, de uma maneira muito especial, fala do tempo estabelecendo novas terminologias importantes para a compreensão dele. O objetivo dessa pesquisa é chegar a uma compreensão do que seja o tempo tal qual o concebemos pela faculdade da alma humana. A importância está em percebermos aonde está este objeto, o que ele significa, qual é a sua dignidade e o seu valor ôntico. Desse modo, procuramos problematizar o valor ontológico do tempo, fundamentalmente quanto à sua referência à eternidade. Isto é, no Ser de Deus, Ele que é o criador de todas as coisas.
Keywords
No keywords specified (fix it)
Categories
(categorize this paper)
PhilPapers/Archive ID
SOUAOD-8
Upload history
Archival date: 2022-06-20
View other versions
Added to PP index
2022-06-20

Total views
77 ( #56,227 of 70,083 )

Recent downloads (6 months)
77 ( #10,070 of 70,083 )

How can I increase my downloads?

Downloads since first upload
This graph includes both downloads from PhilArchive and clicks on external links on PhilPapers.