A contribuição dos estudos críticos da branquitude para a compreensão do preconceito racial no campo da psicologia social

Quaderns de Psicologia 24 (1):e1760 (2022)
  Copy   BIBTEX

Abstract

Este artigo tem como objetivo apresentar as principais abordagens em que a psicologia social clássica norte-americana teorizou sobre o preconceito racial, o racismo e o antirracismo e, a partir delas, trazer os estudos críticos da branquitude como possibilidades para superar os limites identificados nessa corrente, que ora apresenta um indivíduo fora da estrutura, ora a estrutura sem indivíduos. Para isto, neste artigo definimos três abordagens propostas pela psicologia social norte-americana: teste de associação implícita (Greenwald & Banaji 2013); teoria do contato intergrupal e racismo aversivo (Pettigrew 1997, Gaertner & Dovidio, 1986); e emoções específicas (Leach et al., 2002). A partir daí mostramos como os estudos críticos da branquitude se apresentam como uma síntese entre essas duas posições opostas, que oscilam entre o indivíduo e a estrutura. Nesta perspectiva, a estrutura se manifesta na própria experiência subjetiva do indivíduo, que se torna capaz de identificá-la em seu próprio campo experiencial.

Author's Profile

Felipe Nogueira de Carvalho
Federal University of Minas Gerais

Analytics

Added to PP
2022-01-25

Downloads
180 (#41,830)

6 months
105 (#6,292)

Historical graph of downloads since first upload
This graph includes both downloads from PhilArchive and clicks on external links on PhilPapers.
How can I increase my downloads?