NECROPOLÍTICA: Estratégias de extermínio do corpo negro

Odeere 3 (6):149-176 (2018)
Download Edit this record How to cite View on PhilPapers
Abstract
Este artigo tem a pretensão de analisar a construção de alguns processos conceituais que levaram a justificativa da legitimação da dominação, subjugação e eliminação do corpo de seres humanos de pele escura, especificamente procedentes do continente africano e as respectivas terras para onde foram levados a força para serem escravizados. Ao receber a alcunha de negro pelo colonizador europeu, o africano começa a ser inserido em um estágio de construção de não-ser, não-humanidade e não-racionalidade. Classificado dessa forma o seu corpo (a força de trabalho) foi utilizado como combustível para o desenvolvimento do capitalismo. Um corpo que poderia ser utilizado e descartado assim que se tornasse inútil para ser explorado. Mesmo após o sistema econômico escravagista ter sido extinto, as estratégias de eliminação do corpo negro não cessaram. Agora, como ameaça biológica, os sistemas políticos contemporâneos, atualizando técnicas coloniais executam esse mesmo corpo em forma de necropolítica.
Keywords
Categories
(categorize this paper)
PhilPapers/Archive ID
PESNED
Upload history
Archival date: 2020-08-27
View other versions
Added to PP index
2020-08-27

Total views
345 ( #15,789 of 57,013 )

Recent downloads (6 months)
335 ( #1,069 of 57,013 )

How can I increase my downloads?

Downloads since first upload
This graph includes both downloads from PhilArchive and clicks on external links on PhilPapers.