A memória episódica, o problema da cotemporalidade, e o senso comum

In Gerson Albuquerque de Araújo Neto & Giovanni Rolla (eds.), Ciência e Conhecimento. Teresina: Editora da Universidade Federal do Piauí. pp. 101-123 (forthcoming)
Download Edit this record How to cite View on PhilPapers
Abstract
Os realistas diretos sobre a memória episódica alegam que um sujeito que lembra está em contato direto com um evento passado. No entanto, como seria possível estar em contato direto com um evento que deixou de existir? Este é o assim-chamado problema da cotemporalidade. A solução padrão para este problema, a qual foi proposta por Sven Bernecker, consiste em distinguir entre, por um lado, a ocorrência de um evento, e, por outro lado, a existência de um evento, de modo que um evento deixa de ocorrer sem deixar de existir – esta é a solução eternista para o problema da cotemporalidade. No entanto, alguns filósofos da memória – notadamente Kourken Michaelian – alegam que a adoção de uma metafísica eternista do tempo seria um preço metafísico muito alto a ser pago para se defender as intuições dos realistas diretos sobre a memória. Ainda que eu concorde com essas críticas, buscarei mostrar duas coisas. Primeiro, que este tipo de “argumento do senso comum” não é decisivo. Segundo, que a proposta de Bernecker permanece sendo a melhor solução para o problema da cotemporalidade.
PhilPapers/Archive ID
SCHAME-2
Upload history
Archival date: 2020-03-28
View other versions
Added to PP index
2020-03-28

Total views
53 ( #46,002 of 54,673 )

Recent downloads (6 months)
22 ( #30,969 of 54,673 )

How can I increase my downloads?

Downloads since first upload
This graph includes both downloads from PhilArchive and clicks on external links on PhilPapers.