Conhecimento e Verdade na Ontologia Fundamental de Martin Heidegger

Dissertation, University of Campinas, Brazil (2011)
Download Edit this record How to cite View on PhilPapers
Abstract
Este trabalho tem por objetivo examinar as relações entre conhecimento e verdade (no sentido de descobrimento e abertura), no contexto da Ontologia Fundamental, de Martin Heidegger. Num primeiro momento, busca-se caracterizar o conhecimento como um modo derivado do ser-no-mundo enquanto ocupação, patenteando a estrutura intencional que lhe é própria, bem como explicitando a interpretação fenomenológicoexistencial do “resultado” do comportamento cognoscitivo (conceitos de substância/eidos), que é posta em questão quanto à sua correção, em se considerando os conceitos da Física Moderna. A abordagem do fenômeno do conhecimento, aqui empreendida, culmina com a apresentação das relações “implícitas” entre o modo de ser do conhecimento e o “problema da verdade”, presentes na análise do fenômeno da enunciação predicativa (parágrafo 33, de Ser e Tempo), com base na qual se intenta indicar o lugar da Lógica na Ontologia Fundamental. Em seguida, no contexto da tematização do significado existencial de verdade, foca-se o conceito de Evidenciação (Ausweisung), no qual se entrelaçam plenamente as concepções heideggerianas de conhecimento e de verdade, porquanto se trata da descrição da verdade do conhecimento como um modo de descobrimento enunciativo dos entes tais como são em si mesmos. Busca-se, em primeiro lugar, mostrar a apropriação de Husserl e de Aristóteles, bem como a manutenção da idéia de verdade como adequação, embutidas naquele conceito. Propõe-se a idéia de que a não-verdade (falsidade) dos enunciados predicativos (não explicitamente tematizada por Heidegger, em Ser e Tempo) pode ser pensada a partir do conceito husserliano de “síntese de diferenciação”. Procura-se, ainda, esclarecer o que significa o “em si mesmo” dos entes que se dão na evidenciação e se ocultam na diferenciação, e salientar o aspecto problemático da idéia de uma dadidade dos entes em “si mesmos”, no âmbito da investigação científica. Por fim, apresenta-se a discussão acerca da concepção heideggeriana de verdade, iniciada por Tugendhat, em 1964, e constantemente retomada por vários filósofos, inclusive por Gethmann, cuja interpretação é aqui avaliada.
Keywords
Categories
(categorize this paper)
PhilPapers/Archive ID
SANCEV-2
Revision history
Archival date: 2017-06-17
View upload history
References found in this work BETA

Add more references

Citations of this work BETA

No citations found.

Add more citations

Added to PP index
2017-06-17

Total views
185 ( #15,518 of 39,699 )

Recent downloads (6 months)
76 ( #5,635 of 39,699 )

How can I increase my downloads?

Downloads since first upload
This graph includes both downloads from PhilArchive and clicks to external links.