Results for 'Ida Sim'

58 found
Order:
  1. National Center for Biomedical Ontology: Advancing Biomedicine Through Structured Organization of Scientific Knowledge.Daniel L. Rubin, Suzanna E. Lewis, Chris J. Mungall, Misra Sima, Westerfield Monte, Ashburner Michael, Christopher G. Chute, Ida Sim, Harold Solbrig, M. A. Storey, Barry Smith, John D. Richter, Natasha Noy & Mark A. Musen - 2006 - Omics: A Journal of Integrative Biology 10 (2):185-198.
    The National Center for Biomedical Ontology is a consortium that comprises leading informaticians, biologists, clinicians, and ontologists, funded by the National Institutes of Health (NIH) Roadmap, to (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   4 citations  
  2. How to Count Biological Minds: Symbiosis, the Free Energy Principle, and Reciprocal Multiscale Integration.Matthew Sims - 2020 - Synthese 8:1-1.
    The notion of a physiological individuals has been developed and applied in the phi- losophy of biology to understand symbiosis, an understanding of which is key to (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   4 citations  
  3. Are You a Sim?Brian Weatherson - 2003 - Philosophical Quarterly 53 (212):425–431.
    Nick Bostrom argues that if we accept some plausible assumptions about how the future will unfold, we should believe we are probably not humans. The argument appeals (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   13 citations  
  4. Transfer of Personality to Synthetic Human ("Mind Uploading") and the Social Construction of Identity.John Danaher & Sim Bamford - 2017 - Journal of Consciousness Studies 24 (11-12):6-30.
    Humans have long wondered whether they can survive the death of their physical bodies. Some people now look to technology as a means by which this might (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   2 citations  
  5.  76
    Coupling to Variant Information: an Ecological Account of Comparative Mental Imagery Generation.Matthew Sims - 2019 - Review of Philosophy and Psychology 11 (4):899-916.
    Action-based theories of cognition place primary emphasis upon the role that agent-environment coupling plays in the emergence of psychological states. Prima facie, mental imagery seems to (...) present a problem for some of these theories because it is understood to be stimulus-absent and thus thought to be decoupled from the environment. However, mental imagery is much more multifaceted than thisnaïveview suggests. Focusing on a particular kind of imagery, comparative mental imagery generation, this paper demonstrates that although such imagery is stimulus-absent, it is also stimulus-sensitive. Exhibiting stimulus-sensitivity is sufficient for a process to qualify as coupled to the environment. The notion of variant coupling is explicated as the coupling of a cognizers perceptual system to variant environmental information. By demarcating the categories of stimulus-absent and stimulus-sensitive cognition, and variant and invariant coupling, this paper expands the conceptual apparatus of action-based theories, suggesting not only a way to address the problem that comparative mental imagery generation presents, but perhaps a way to account for other forms of imagery too. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  6. El problema de la autoridad en la obra de Juan Donoso Cortés (Tesis de Maestría - IDAES/UNSAM).Fabricio Castro - 2019 - UNSAM/IDAES 1:1-168.
    Esta tesis estudia el pensamiento del conservador español Juan Donoso Cortés (1809- 1853). Más precisamente, se ocupa de responder cómo resuelve el problema de la decadencia de (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  7. Revisiting the Derrida Affair.Barry Smith & Jeffrey Sims - 1999 - Sophia 38 (2):142-169.
    My own philosophical interests led me to investigate the letter which Smith submitted to The Times, along with eighteen other signatures from renowned philosophers, each objecting to (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  8. Sim, May, Remastering Morals with Aristotle and Confucius[REVIEW]Bryan Van Norden - 2009 - Dao: A Journal of Comparative Philosophy 8 (1):109-111.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  9. Abnormal Ventromedial Prefrontal Cortex Function in Children With Psychopathic Traits During Reversal Learning.Elizabeth C. Finger, Abigail A. Marsh, Derek G. Mitchell, Marguerite E. Reid, Courtney Sims, Salima Budhani, David S. Kosson, Gang Chen, Kenneth E. Towbin, Ellen Leibenluft, Daniel S. Pine & James R. Blair - 2008 - Archives of General Psychiatry 65: 586–594.
    ContextChildren and adults with psychopathic traits and conduct or oppositional defiant disorder demonstrate poor decision making and are impaired in reversal learning. However, the neural basis (...) of this impairment has not previously been investigated. Furthermore, despite high comorbidity of psychopathic traits and attention deficit/hyperactivity disorder, to our knowledge, no research has attempted to distinguish neural correlates of childhood psychopathic traits and attention-deficit/hyperactivity disorder. ObjectiveTo determine the neural regions that underlie the reversal learning impairments in children with psychopathic traits plus conduct or oppositional defiant disorder. DesignCase-control study. SettingGovernment clinical research institute. ParticipantsForty-two adolescents aged 10 to 17 years: 14 with psychopathic traits and oppositional defiant disorder or conduct disorder, 14 with attention-deficit/hyperactivity disorder only, and 14 healthy controls. Main Outcome MeasureBlood oxygenation leveldependent signal as measured via functional magnetic resonance imaging during a probabilistic reversal task. ResultsChildren with psychopathic traits showed abnormal responses within the ventromedial prefrontal cortex (Brodmann area 10) during punished reversal errors compared with children wit hattention deficit/hyperactivity disorder and healthy children (P < .05 corrected for multiple comparisons). ConclusionsTo our knowledge, this study provides the first evidence of abnormal ventromedial prefrontal cortex responsiveness in children with psychopathic traits and demonstrates this dysfunction was not attributable to comorbid attention-deficit/hyperactivity disorder. These findings suggest that reversal learning impairments in patients with developmental psychopathic traits relate to abnormal processing of reinforcement information. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   11 citations  
  10.  35
    Modelling Ourselves: What the Debate on the Free Energy Principle Reveals About Our Implicit Notions of Representation.Matthew Sims - 2021 - Synthese 1 (1):30.
    Predictive processing theories are increasingly popular in philosophy of mind; such process theories often gain support from the Free Energy Principle (FEP)—a nor- mative principle for (...)adaptive self-organized systems. Yet there is a current and much discussed debate about conflicting philosophical interpretations of FEP, e.g., repre- sentational versus non-representational. Here we argue that these different interpre- tations depend on implicit assumptions about what qualifies (or fails to qualify) as representational. We deploy the Free Energy Principle (FEP) instrumentally to dis- tinguish four main notions of representation, which focus on organizational, struc- tural, content-related and functional aspects, respectively. The various ways that these different aspects matter in arriving at representational or non-representational interpretations of the Free Energy Principle are discussed. We also discuss how the Free Energy Principle may be seen as a unified view where terms that tradition- ally belong to different ontologiese.g., notions of model and expectation versus notions of autopoiesis and synchronizationcan be harmonized. However, rather than attempting to settle the representationalist versus non-representationalist debate and reveal something about what representations are simpliciter, this paper demon- strates how the Free Energy Principle may be used to reveal something about those partaking in the debate; namely, what our hidden assumptions about what represen- tations areassumptions that act as sometimes antithetical starting points in this persistent philosophical debate. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  11. Un llamado ético a la inclusión de mujeres embarazadas en investigación: Reflexiones del Foro Global de Bioética en Investigación.Carla Saenz, Jackeline Alger, Juan Pablo Beca, José Belizán, María Luisa Cafferata, Julio Arturo Canario Guzman, Jesica Candanedo, Lissette Duque, Lester Figueroa, Ana Garcés, Lionel Gresh, Ida Cristina Gubert, Dirce Guilhem, Gabriela Guz, Gustavo Kaltwasser, Roxana Lescano, Florencia Luna, Alexandrina Cardelli, Ignacio Mastroleo, Irene Melamed, Agueda Muñoz del Carpio Toia, Ricardo Palacios, Gloria Palma, Sofía Salas, Xochitl Sandoval, Sergio Surugi de Siqueira, Hans Vásquez & Bertha Villela de Vega - 2017 - Revista Panamericana de Salud Pública 41 (e13):1-2.
    El Foro Global de Bioética en Investigación (GFBR por sus siglas en inglés) se reunió el 3 y 4 de noviembre en Buenos Aires, Argentina, con el (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  12.  29
    What Do We Talk About When We Talk About Queer Death? Theories and Definitions.Patricia MacCormack, Marietta Radomska, Nina Lykke, Ida Hillerup-Hansen, Phillip R. Olson & Nicholas Manganas - 2021 - Whatever: A Transdisciplinary Journal of Queer Theories and Studies 4:573-598.
    This is part 1 of 6 of the dossier What Do We Talk about when We Talk about Queer Death?, edited by M. Petricola. The contributions collected (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  13. Salience Principles for Democracy.Susanna Siegel - forthcoming - In Sophie Archer (ed.), Salience.
    I discuss the roles of journalism in aspirational democracies, and argue that they generate set of pressures on attention that apply to people by virtue of the (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  14. Evolving Perceptual Categories.Cailin O’Connor - 2014 - Philosophy of Science 81 (5):110-121.
    This article uses sim-max games to model perceptual categorization with the goal of answering the following question: To what degree should we expect the perceptual categories (...)of biological actors to track properties of the world around them? I argue that an analysis of these games suggests that the relationship between real-world structure and evolved perceptual categories is mediated by successful action in the sense that organisms evolve to categorize together states of nature for which similar actions lead to similar results. This conclusion indicates that both strongly realist and strongly antirealist views about perceptual categories are too simple. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   15 citations  
  15.  89
    Artifacts and Mind-Dependence.Tim Juvshik - forthcoming - Synthese:1-24.
    I defend the intention-dependence of artifacts (IDA), which says that something is an artifact of kind K only if it is the successful product of an (...)intention to make an artifact of kind K. I consider objections from two directions. First, that artifacts are often mind- and intention-dependent, but that this isnt necessary, as shown by swamp cases. I offer various error theories for why someone would have artifact intuitions in such cases. Second, that while artifacts are necessarily mind-dependent, they arent necessarily intention-dependent. I consider and reject three kinds of cases which purport to show this: accidental creation, automated production, and mass production. I argue that intentions are present in all of these cases, but not where we would normally expect. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  16. On the Different Ways of ‘‘Doing Theory’’ in Biology‘.Massimo Pigliucci - 2013 - Biological Theory 7 (4): 287-297.
    ‘‘Theoretical biology’’ is a surprisingly heter- ogeneous field, partly because it encompasses ‘‘doing the- ory’’ across disciplines as diverse as molecular biology, systematics, ecology, and evolutionary biology. (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   4 citations  
  17. Could Embodied Simulation Be a by-Product of Emotion Perception?Edoardo Zamuner & Julian Kiverstein - 2010 - Behavioral and Brain Sciences 33 (6):449 - 449.
    The SIMS model claims that it is by means of an embodied simulation that we determine the meaning of an observed smile. This suggests that crucial interpretative (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  18. Developing Artificial Neural Network for Predicting Mobile Phone Price Range.Ibrahim M. Nasser, Mohammed Al-Shawwa & Samy S. Abu-Naser - 2019 - International Journal of Academic Information Systems Research (IJAISR) 3 (2):1-6.
    In this paper an Artificial Neural Network (ANN) model, was developed and tested for predicting the price range of a mobile phone. We used a dataset that (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   2 citations  
  19. Religião e política no pensamento de Maquiavel.J. L. Ames - 2006 - Kriterion: Journal of Philosophy 47 (113):51-72.
    For Machiavelli, religion is valued not by the importance of its founder, the content of its teachings, the truth of its dogmas or the significance of its (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  20. Sobre o significado do formalismo jurídico de Kant.Alexandre Hahn - 2015 - Revista de Filosofia Moderna E Contemporânea 2 (2):34-48.
    O presente trabalho tem por objetivo fornecer uma resposta à crítica direcionada pelo jurista Fábio Konder Comparato ao formalismo jurídico de Kant. Explicarei porque essa crítica se (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  21. The Semiotics of Video Games.Christophe Bruchansky - 2011
    What is the difference between a game and life? Is the game really ending when we go back to our everyday activities? Or could The Sims video (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  22. Múltiplos modos de afirmar E negar: Uma refutação da leitura eleata de espinosa pela via dos modos de perceber.Cristiano Novaes de Rezende - 2016 - Cadernos Espinosanos 35:135-165.
    A estrutura argumentativa deste artigo pode ser resumida no seguinte raciocínio: 1) Espinosa foi recorrentemente acusado de eleatismo; 2) há ruptura com o eleatismo quando se admite (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  23. ANN for Predicting Mobile Phone Price Range.Fatthy Khillha & Nassar Shawwa - 2020 - International Journal of Academic Information Systems Research (IJAISR) 3 (2):1-6.
    In this paper an Artificial Neural Network (ANN) model, was developed and tested for predicting the price range of a mobile phone. We used a dataset that (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  24. Identidad y poder en las sociedades de control.Antonio Tudela Sancho - 2009 - Revista de Filosofía (Venezuela) 61 (1):7-37.
    La finalidad del presente ensayo consiste en partir de las nociones interrelacionadas de "capitalismo mundial integrado" (Guattari) y de "sociedad de control" (Deleuze) para (...)intentar una deriva que cruce géneros, épocas y nombres propios: de la filosofía al cine y a la poesía (caminos de ida y vuelta), de Benjamin a Serres pasando por Homero, Kavafis, Cioran o Godard, del tardío imperio romano y sus incertidumbres a la imprecisión de nuestro propio tiempo. Posiblemente, pensar hoy la identidad humana sea como nunca antes un asunto de mezcla, de viaje a través de territorios viejos que demandan una nueva cartografía. -/- The purpose of this essay is to depart from the interrelated notions of "whole global capitalism" (Guattari) and the "control society" (Deleuze) to attempt a drift across genders, epochs and proper names: from philosophy to cinema and poetry (roundtrip roads), from Benjamin to Serres, passing through Homer, Kavafis, Cioran or Godard, from the late Roman empire and its uncertainties to our own time. Possibly, thinking today about human identity is as never before, a matter of mixture, of travel through old territories that demand new maps. (shrink)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  25. Realismo ontológico e antirrealismo epistemológico na problema do mundo externo em Hume.Leandro Hollanda - 2016 - In Jaimir Conte, Marília Cortês de Ferraz & Flávio Zimmermann (eds.), Ensaios sobre a filosofia de Hume. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). pp. 403-432.
    No Tratado da natureza humana, David Hume dedica uma longa seção à problemática sobre a possibilidade da existência do mundo externo intituladaDo ceticismo quanto aos sentidos”. (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  26.  35
    Pensamento Singular e Atos de Pensamento Episódicos.Soutif Ludovic - 2018 - Manuscrito 41 (1):93-113.
    No debate acerca da singularidade de, pelos menos, alguns de nossos pensamentos sobre o mundo, assume-se corriqueiramente que o responsável pela natureza singular do episódio mental (...)não é o próprio episódio e, sim, a proposição singular expressa quer por um proferimento assertórico de sentença singular autônoma, quer pela cláusula complementar em um relato de atribuição de atitude proposicional. As rotas semânticas padrão assumem que a singularidade do episódio mental (conceitual) é por assim dizerherdadada singularidade do conteúdo. Argumento que este pressuposto apresenta uma lacuna, pois desconsidera o papel desempenhado em certos atos de pensamento, chamados de episódicos, por habilidades cognitivas tais como a capacidade de perceber objetos particulares, de vivenciar (novamente) ou de projetar-se mentalmente em direção a acontecimentos particulares pessoais, diretamente responsáveis por sua singularidade. No entanto, contra a tese de que haveria capacidades episódicas envolvidas, argumento que a singularidade dos atos de pensar episódicos se pelo exercício pontual no espaço e no tempo dessas capacidades e , portanto, um sentido não derivado em que eles podem ser qualificados como singulares. (shrink)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  27. Filosofia da Linguagem.Teresa Marques & Manuel García-Carpintero - 2012 - In Pedro Galvão (ed.), Filosofia: Uma Introdução por Disciplinas. Edições 70.
    A filosofia da linguagem dedica-se ao estudo da linguagem natural. Não se dedica ao estudo de línguas particulares, tal como o português, o castelhano ou o (...)inglês, mas sim ao estudo filosófico de características gerais da linguagem e da nossa capacidade e proficiência linguística enquanto seres humanos. A investigação do desenvolvimento da linguagem é uma tarefa a ser desenvolvida pela ciênciaa paleontologia, a neurologia, etc. Mas a ciência ocupa-se de algo de que temos um conhecimento intuitivo prévioa linguagem natural. Ora, a filosofia da linguagem dedica-se em parte a tornar explícito o nosso conhecimento implícito da linguagem. Como tal, a filosofia da linguagem é uma disciplina central na filosofia. Este capítulo é uma introdução selectiva à filosofia da linguagem. A alternativa que se nos deparava era fazer uma breve apresentação de teorias do significado, da referência e da verdade, e ainda de alguns tópicos de pragmática, ou escolher um tópico em particular que é, tradicionalmente, o elegido nos cursos introdutórios à filosofia da linguagem. Este capítulo oferece assim uma introdução a alguns dos temas centrais e clássicos da filosofia da linguagem contemporânea. A maior parte do capítulo dedicar-se-á a teorias da referência, a de Frege e de Russell, e à sua crítica subsequente por filósofos como Saul Kripke. Isto poderia levar-nos a pensar que a filosofia da linguagem contemporânea continua, como era tradicional, focada simplificada da relação entre linguagem, mente e mundo. Nada podia estar mais longe da verdade, como se tornará claro. A grande alteração na perspectiva sobre o estudo da linguagem, que se deve a pessoas como Frege ou Russell, é que graças ao seu trabalho os filósofos passaram a reflectir sobre a contribuição semântica sistematicamente feita por diferentes categorias sintácticas nas diferentes construções frásicas em que possam ocorrer, por exemplo a de termos referenciais como os nomes próprios. A relação linguagem-mente-mundo continua a ser uma preocupação dos filósofos contemporâneos, mas de uma forma muito mais sofisticada, rigorosa e sistemática. Os filósofos preocupam-se agora, por exemplo, com as condições de verdade correctas de usos particulares de frases, com os estados de coisas reais ou possíveis que confeririam verdade ou falsidade às frases usadas, e com o valor cognitivo de distintos tipos de frases. Como indicaremos na última secção do capítulo, outros desenvolvimentos da filosofia da linguagem contemporânea dizem respeito àquilo que nós, enquanto seres humanos, conseguimos fazer por meio da linguagem, aos diferentes actos de fala possíveis, e aos diferentes níveis de significado que podemos comunicar por meio do uso de frases com um significado convencionalmente estabelecido. (shrink)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  28.  42
    A Fundação pedra para psicologia e filosofia - uma revisão crítica de 'On Certainty'(En.Certeza).(1951).(ed.1969).(revisão.revisada 2019).Michael Richard Starks - 2020 - In Entendendo as Conexões entre Ciência, Filosofia, Psicologia, Religião, Política, Economia, História e Literatura - Artigos e Avaliações 2006-2019. Las Vegas, NV USA: Reality Press. pp. 2-32.
    Uma crítica de "On Certainty",de Wittgenstein, que ele escreveu em 1950-51 e foi publicada pela primeira vez em 1969. A maior parte da revisão (...)se dedica a apresentar uma estrutura moderna para a filosofia (a psicologia descritiva do pensamento de alta ordem) e posicionar o trabalho de Wittgenstein e John Searle neste quadro e em relação ao trabalho dos outros. Sugere-se que este livro pode ser considerado como a pedra angular da psicologia e da filosofia, pois foi o primeiro a descrever os dois sistemas de pensamento e mostra como nossa compreensão inabalável do mundo deriva do nosso Sistema 1 axiomático inata, e como ele interage com o Sistema 2. Foi uma revolução na epistemologia, pois mostrou que nossas ações não repousam em julgamentos, mas em axiomas indubitáveis que levam diretamente à ação. Colocarei o trabalho de Wittgenstein e Searle no quadro dos dois sistemas de pensamento proeminentes na tomada de decisões e pesquisas, usando uma nova tabela de intencionalidade e nova nomenclatura de sistemas duplos. Aqueles que desejam um quadro até à data detalhado para o comportamento humano da opinião moderna dos dois sistemas consultar meu livros Falando Macacos Ed (2019), A Estrutura Lógica da Filosofia, Psicologia, Mente e Linguagem em Ludwig Wittgenstein e John Searle 2a Ed (2019), Suicídio Pela Democracia,4aEd(2019), Entendendo as Conexões entre Ciência, Filosofia, Psicologia, Religião, Política e Economia Artigos e Análises 2006-2019 (2020), Ilusões Utópicas Suicidas no 21St século 5a Ed (2019), A Estrutura Lógica do Comportamento Humano (2019), e A Estrutura Lógica da Consciência (2019) y outras. "Se eu quisesse duvidar se esta era a minha mão, como eu poderia evitar duvidando se a palavra "mão" tem algum significado? Então isso é algo que você parece saber, afinal. Na certeza p48 "Mas não consegui que minha imagem do mundo satisfizesse sua correção: nem a tenho porque estou satisfeito com sua correção. Não: é o fundo herdado contra o qual eu distinguio entre verdadeiro e falso." (OC p94). "Aqui encontramos um fenômeno notável e característico na pesquisa filosófica: a dificuldade---Eu poderia dizer ---não é encontrar a solução, mas sim reconhecer como a solução algo que parece que era apenas uma preliminar para ela. dissemos tudo. ---Não é nada que deriva disso, não esta é a solução! .... Isso está relacionado, eu acho, à nossa falha em esperar por uma explicação, enquanto a solução da dificuldade é uma descrição, se dermos o lugar certo em nossas considerações. Se pararmos nisso, e não tentarmos ir além disso. Zettel p312-314 . (shrink)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  29.  51
    A supressão transitória dos piores demônios da nossa naturezauma revisão de Steven Pinker ' os melhores anjos da nossa natureza: por que a violência declinou ' (‘The Better Angels of Our Nature: Why Violence Has Declined’) (2012)(revisão revisada 2019).Michael Richard Starks - 2019 - In Delírios Utópicos Suicidas no Século XXI Filosofia, Natureza Humana e o Colapso da Civilization- Artigos e Comentários 2006-2019 5ª edição. Las Vegas, NV USA: Reality Press. pp. 242-246.
    Este não é um livro perfeito, mas é único, e se você desnatado o primeiro 400 ou assim páginas, o último 300 (de alguns 700) são uma (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  30.  74
    Kant e a questão "por quê ser moral?".Konrad Christoph Utz - 2018 - Ethic@ - An International Journal for Moral Philosophy 17 (1):81-98.
    A questãopor quê ser moral”, que foi formulada expressamente no contexto do debate filosófico acadêmico por Francis Herbert Bradley, divide os leitores quando buscam sua resposta (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  31. Efeitos sonoros enquanto fala audiovisual: Análise de Gerald McBoing-Boing à luz do §528 das Investigações Filosóficas.Rafael Duarte Oliveira Venancio - 2011 - Revista Ciberlegenda (PPGCOM - Universidade Federal Fluminense) 24:126-137.
    Dentro da produção da UPA, estúdio que buscou rivalizar esteticamente com os preceitos da Disney no cinema de animação nos anos 1950, Gerald McBoing-Boing é a (...)personagem mais emblemática, estrelando quatro curtas de animação que representam os preceitos do estúdio. No entanto, o mote narrativo de McBoing-Boing é que ele não se comunica com sons, mas sim por efeitos sonoros, e se fazendo entender. Para entender quais são as possibilidades linguísticas desse uso sonoro e como ele não nos aparece enquanto algo surreal, analisaremos tal representação à luz da segunda filosofia de Ludwig Wittgenstein, cuja obra-chave são as Investigações Filosóficas. Concentrando no §528, o objetivo é mostrar como McBoing-Boing se encaixa em um fenômeno language-like, representando um ponto central na crítica estética da UPA. (shrink)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  32. Re-Expressing Normative Pragmatism.Richard Evans - 2009 - In Collective Intentionality VI, Berkeley.
    The central claim of normative pragmatism is that intentional states can be explained in terms of participation in practices. My aim in this paper is not so (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  33. Representing Personality Traits as Conditionals.Richard Evans - 2011 - Aisb 4 (1):35-42.
    This paper compares two approaches to representing personality traits in synthetic agents. It proposes a set of goals that any computational implementation of personality should satisfy. It (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  34.  34
    Alma, Mundo, Deus: A Metafísica Fenomenologicamente Reduzida.Marcelo Fabri - 2019 - Basilíade - Revista de Filosofia 1 (1):25-39.
    Sendo a fenomenologia um modo não-especulativo de pensar, o artigo põe a questão sobre a possibilidade de descrever a metafísica em regime de redução fenomenológica, ou (...)seja, a partir de uma atitude que não pretende discursar sobre o ser enquanto ser, mas sim a partir dos diferentesmodos de aparecerdos principaisobjetosda metafísica: alma, mundo e Deus. Neste caso, que sentido deverá possuir, para o modo fenomenológico de pensar, o metá, presente na palavra metafísica? (shrink)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  35. Arquétipos Morais: ética na pré-história.Roberto Thomas Arruda (ed.) - 2020 - Terrra à Vista.
    A tradição filosófica das abordagens da moral tem predominantemente como base conceitos e teorias metafísicas e teológicas. Entre os conceitos tradicionais de ética, o mais proeminente é (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  36.  86
    Semantic Information Measure with Two Types of Probability for Falsification and Confirmation.Lu Chenguang - manuscript
    Logical Probability (LP) is strictly distinguished from Statistical Probability (SP). To measure semantic information or confirm hypotheses, we need to use sampling distribution (conditional SP function) to (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  37. O que é a Educação Infantil?Khyara Fantollini dos Santos - manuscript
    Entendemos a Educação Infantil em amplo sentido, isto é, um leque de conceitos em que pode-se gozar dentro da Pedagogia e as Ciências da Educação, (...)é nessa modalidade de ensino que podem-se englobar todas as esferas educativas vivenciadas pelas crianças de, conforme Lei, 0 à 5 anos de idade, pela família e, também, pelo próprio corpo social, antes mesmo de atingir a idade educativa obrigatória que é, vide Lei, aproximadamente a partir dos 7 anos de idade. A EI também pode ser considerada como uma das mais complexas fazes do desenvolvimento humano, em diversas esferas, seja ela a intelectual, emocional, social, motora, psicomotora, etc. uma vez que tratam-se de crianças que, muitas vezes, têm o primeiro contato com um novo ambiente, que é o ambiente escolar. Diante disso, torna-se primordial a inserção das crianças em berçários, creches e Educação Maternal, também denominado de pré-escola, para que as mesmas interajam entre seus semelhantes e comecem a aproximar-se da vida social e educacional, estando preparadas para uma nova etapa educacional. Mediante essa perspectiva da vida psicopedagógica das crianças, Kuhlmann Júnior ressalta que: Pode-se falar deEducação Infantilem um sentido bastante amplo, envolvendo toda e qualquer forma de educação da criança na família, na comunidade, na sociedade e na cultura em que viva (2003. p. 469). -/- Mediante a análise de Kuhlmann, logo, a EI designa a periodicidade regular a uma entidade educativa exterior ao domicílio, isto é, trata-se do lapso da vida escolar em que se volta-se, pedagogicamente, ao público entre 0 e 5 anos de idade no Brasil; vale salientar que nessa idade entre 0 e 5 anos, as crianças não estão submetidas a obrigatoriedade do ingresso na vida escolar. A Constituição brasileira de 1988 define no Título VIII (Da Ordem Social), Capítulo III (Da Educação, da Cultura e do Desporto), Seção I (Da Educação), Artigo 208 que: O dever do Estado com a educação será efetivado mediante a garantia de: Inciso IVeducação infantil, em creche e pré-escola, às crianças até 5 (cinco) anos de idade. (Constituição Federal, 2016. p. 63). -/- A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, especificamente a Lei 9394/96, denomina a Creche como sendo a entidade responsável por promover o primeiro contato das crianças com o ambiente escolar, a idade é determinada como sendo de 0 a 3 anos de idade (Artigo 30. Inciso I). Também denomina de pré-escola a instituição responsável pelo ensino de crianças entre 4 e 6 anos de idade (Artigo 30. Inciso II). Não obstante, mediante Lei 11274/06 que reedita o Artigo 32 da Lei 9394/96, o ensino fundamental passou a ser de 9 (nove) anos de idade e não mais de 8 (oito), logo, as crianças que com 6 (seis) anos de idade não eram submetidas a obrigatoriedade do estudo, passaram a fazer parte da conformação obrigatória, isto é, elas não fazem mais parte do ensino eletivo ou optativo da pré-escola e sim do ensino fundamental obrigatório. -/- Dito isto, a LDB diz na Seção II (Da Educação Infantil) e no Artigo 29 que a Educação Infantil é tida como a primeira etapa da Educação Básica, e tem por objetivo, a promoção e o favorecimento do desenvolvimento integral da criança de 0 à 5 anos de idade, nos mais variados aspectos possíveis, sendo eles o físico, psicológico, intelectual e social, sendo mais que uma complementação da instrução familiar e da sociedade (BRASIL, 2005. p. 17). Seguindo a linha teórica acerca das crianças, o Artigo 30, da mesma, ressalta que a EI será promovida por meio de creches para crianças de 0 a 3 anos e em pré-escolas para o público entre 4 e 5 anos de idade, como enaltecido supracitadamente. No que se refere a avaliação, no Artigo 31 esse processo será feito porventura do acompanhamento e registro do desenvolvimento das crianças, sem que haja quaisquer tipos de promoção, mesmo que vise o acesso ao Ensino Fundamental. -/- Vale enfatizar que essa modalidade de ensino tem uma finalidade pedagógica, um trabalho que se apropria da realidade e dos conhecimentos infantis como estopim e os amplia mediante atividades que tem uma certa significação concreta para a vida dos infantes e, isocronicamente asseguram a aquisição de novos conhecimentos. Doravante e por meio dessa perspectiva, é imprescindível que o educador da EI preocupe-se com o arranjo e aplicação dos trabalhos fazendo, assim, uma contribuição para a ascensão do infante de 0 a 5 anos. -/- O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil de 1998 ressalta que deve-se levam em conta que os infantes são distintos entre si, isto é, que cada um possui um ritmo peculiar de aprendizagem. Dito isto, o educador deverá preparar-se para promover aos educandos uma educação alicerçada na condição de aprendizagem peculiar de cada um deles, considerando-se bastante singulares e com particularidades. Para isso, o governo deverá fornecer um alicerce na formação dos educadores, preparando-os para enfrentar esse mundo repleto de dificuldades mas, no fim, de uma extensa realização pessoal e profissional. Ante as características peculiares dos ritmos das crianças, o grande desafio que ora implica na EI é com que os profissionais consigam compreender, conhecer e reconhecer o jeito peculiar dos infantes serem e estarem inseridos no mundo. O RCN da modalidade EI ainda explicita que a entidade promovente da EI deve tornar acessível a todos os infantes que ora frequentam-no, indiscriminadamente, elementos culturais que enriquecem a ascensão e a inserção social dos mesmos. -/- A EI é caracterizada, historicamente, pelo assistencialismo reduzido e a um recinto que vise, primordialmente, os cuidados com os infantes. Ao passo dos anos, e diversas metamorfoses ocorridas nas tendências educacionais, passou a ser teorizada como um simples processo educativo. -/- Paulo Freire (1921-1997) alertava que: Quando se tira da criança a possibilidade este ou aquele espaço da realidade, na verdade se está alienando-a da sua capacidade de construir seus conhecimentos. Porque o ato de conhecer é tão vital quanto comer ou dormir; e eu não posso comer por alguém (FREIRE, 1983. p. 36). Logo, nesse contexto é sumamente impossível desassociar os termos cuidar e o educar, eixos cêntricos que dão características peculiares na constituição do espaço e do ambiente escolar nesse lapso da educação. Doravante, contradizendo ao que muitos ainda pensam o cuidar e o educar não remetem à perspectiva assistencialista e ao processo de ensino e aprendizagem dos mesmos, uma vez que ambos complementam-se, além de integrarem-se para uma melhor promoção do desenvolvimento do infante, no que se refere à edificação de sua autonomia e totalidade. -/- O infante carece de cuidados básicos no que se refere à saúde, os quais pode ser obtido mediante uma alimentação saudável e balanceada, assepsia, educação física, momentos de ópio, entre outras inúmeras situações peculiares à crianças e que exigem do educador uma atenção especial em relação aos cuidados com a criança. Todavia, é primordial que o profissional da EI desenvolva um trabalho educacional voltado ao favorecimento e a condução para a descoberta e edificação de sua identidade, apropriando-se de saberes necessários à constituição da autonomia tanto do infante, que ora se torna imprescindível quanto do próprio educador. -/- No que tange a afetividade na EI, falamos de uma constituição do cenário contemporâneo dos ambientes escolares e que, no futuro, tornara-se sumamente imprescindível algum marco ou lapsos que persistem e poderão persistir na educação futura do fundamental e até mesmo do médio ou ensino universitário, principalmente questões de vivência com os outros. Compreensão do outro, desenvolvimento de projetos, percepção da interdependência, de não à quaisquer tipos de violência, administração de possíveis conflitos, descoberta do outro, participação em projetos comuns, prazer no esforço alheio, cooperativada são essenciais nesses primeiros anos escolares e, para que isso torne-se realidade, é necessário que se abra um leque de possibilidades para o futuro mediante a formação atual dos educadores, logo com um alicerce maior em suas formações, o educador(a) estará preparado para atuar frente ao infante, unindo esse lapso fundamental de sua vida dos primeiros anos escolares. -/- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS -/- BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 2016. -/- _______. Leis de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei 9394/1996. Brasília, 2005. -/- _______. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998. -/- FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 1983. -/- KUHLMANN JR., M.. Educando a infância brasileira. In: LOPES, E. M. T.; FILHO, L. M. F.; VEIGA, C. G. (Org.). 500 anos de educação no Brasil. 4ªed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008. -/- LEÃO, J. L. de S. Educação Infantil no Brasil: Algumas Considerações. In: LEÃO, J. L. de S. O processo de inclusão escolar na educação infantil sob a ótica de assessoras pedagógicas da Secretaria Municipal de Educação do Natal/RN. 2008. Trabalho de conclusão de curso (Licenciatura em Pedagogia) – Centro de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2018. p. 18. (shrink)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  38.  41
    Por que ainda trabalhamos tanto? Reflexões sobre uma sociedade automatizada.Nicholas Kluge Corrêa - manuscript
    A mais de um século que o fenômeno da automatização dos meios de trabalho vem criando grande apreensão entre nós. Afinal, seríamos todos substituídos por máquinas em (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  39. A Educação de Jovens e Adultos como Transformação Social.Emanuel Isaque Cordeiro da Silva & Meuri Rusy Maria do Nascimento - 2017 - Dissertation,
    Monografia apresentada à banca examinadora da Escola Municipal Manuel Teodoro de Arruda, anexa do Colégio Frei Cassiano de Comacchio em Belo Jardim, para a obtenção do título (...)