Results for 'Wai-Yin Lam'

Order:
  1. Is Imagination Too Liberal for Modal Epistemology?Derek Lam - 2018 - Synthese 195 (5):2155-2174.
    Appealing to imagination for modal justification is very common. But not everyone thinks that all imaginings provide modal justification. Recently, Gregory and Kung :620663, 2010) have (...)independently argued that, whereas imaginings with sensory imageries can justify modal beliefs, those without sensory imageries dont because of such imaginingsextreme liberty. In this essay, I defend the general modal epistemological relevance of imagining. I argue, first, that when the objections that target the liberal nature of non-sensory imaginings are adequately developed, those objections also threaten the sensory imaginings. So, if we think that non-sensory imaginings are too liberal for modal justification, we should say the same about sensory imaginings. Ill finish my defense by showing that, when it comes to deciding between saying that all imaginings are prima facie justificatory and saying that no imaginings are justificatory, there is an independent reason for accepting the former. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   2 citations  
  2. The Physics and Metaphysics of Primitive Stuff.Michael Esfeld, Dustin Lazarovici, Vincent Lam & Mario Hubert - 2017 - British Journal for the Philosophy of Science 68 (1):133-61.
    The article sets out a primitive ontology of the natural world in terms of primitive stuffthat is, stuff that has as such no physical properties at (...)allbut that is not a bare substratum either, being individuated by metrical relations. We focus on quantum physics and employ identity-based Bohmian mechanics to illustrate this view, but point out that it applies all over physics. Properties then enter into the picture exclusively through the role that they play for the dynamics of the primitive stuff. We show that such properties can be local, as well as holistic, and discuss two metaphysical options to conceive them, namely, Humeanism and modal realism in the guise of dispositionalism. 1 Introduction2 Primitive Ontology: Primitive Stuff3 The Physics of Matter as Primitive Stuff4 The Humean Best System Analysis of the Dynamical Variables5 Modal Realism about the Dynamical Variables6 Conclusion. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   24 citations  
  3.  97
    Folk Intuitions and the Conditional Ability to Do Otherwise.Thomas Nadelhoffer, Siyuan Yin & Rose Graves - 2020 - Philosophical Psychology 33 (7):968-996.
    In a series of pre-registered studies, we explored (a) the difference between peoples intuitions about indeterministic scenarios and their intuitions about deterministic scenarios, (b) the difference (...) between peoples intuitions about indeterministic scenarios and their intuitions about neurodeterministic scenarios (that is, scenarios where the determinism is described at the neurological level), (c) the difference between peoples intuitions about neutral scenarios (e.g., walking a dog in the park) and their intuitions about negatively valenced scenarios (e.g., murdering a stranger), and (d) the difference between peoples intuitions about free will and responsibility in response to first-person scenarios and third-person scenarios. We predicted that once we focused participantsattention on the two different abilities to do otherwise available to agents in indeterministic and deterministic scenarios, their intuitions would support natural incompatibilismthe view that laypersons judge that free will and moral responsibility are incompatible with determinism. This prediction was borne out by our findings. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  4. Contractualism and Punishment.Hon-Lam Li - 2015 - Criminal Justice Ethics 34 (2):177-209.
    T. M. Scanlons contractualism is a meta-ethical theory that explains moral motivation and also provides a conception of how to carry out moral deliberation. It supports (...) non-consequentialismthe theory that both consequences and deontological considerations are morally significant in moral deliberation. Regarding the issue of punishment, non-consequentialism allows us to take account of the need for deterrence as well as principles of fairness, justice, and even desert. Moreover, Scanlonian contractualism accounts for permissibility in terms of justifiability: An act is permissible if and only if it can be justified to everyone affected by it. This contractualist thesis explains why it is always impermissible to frame an innocent person, why vicarious punishment is impermissible, and why there has to be a cap on sentences. Contractualism therefore allows us to take deterrence as a goal of punishment without the excess of utilitarianism. This paper further argue that the resulting view is superior to pure retributivism. Finally, it shows why legal excuses and mitigation can be justified in terms of the notion of negative desert. (For access to this paper: http://www.tandfonline.com/eprint/sJ2JBVXkztyFMGmxS7tS/full ) . (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  5.  38
    Stipulative Agency.Derek Lam - forthcoming - Oxford Studies in Agency and Responsibility.
    An agents knowledge of her own intentional actions (agential knowledge) is non-observational. Yet, intentional actions typically consist of happenings external to the agents. A theory is (...) needed to explain how agents are warranted to form such beliefs independent of observation. This paper first argues for three desirable features of an ideal theory about agential knowledge. After showing that no existing theories possess all three, a novel theory that does is presented. According to this theory, agential knowledge is the same kind of knowledge as the Kripkean contingent a priori: they are knowledge justified a priori by stipulation. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  6. Logical Thinking Education to Combat Plagiarism.Wai Ling Lai & Chad Nilep - 2014 - Gengo bunka ronshu 36 (1):179-193.
    Plagiarism, which Indiana Universitys Writing Tutorial Service defines as "using others' ideas and words without clearly acknowledging the source of that information", is often described (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  7.  47
    An Imaginative Persons Guide to Objective Modality.Derek Lam - forthcoming - In Amy Kind & Christopher Badura (eds.), Epistemic Uses of Imagination. Routledge.
    Imagination is a source of evidence for objective modality. It is through this epistemic connection that the idea of modality first gains traction in our intellectual life. (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  8.  28
    Being Pessimistic About the Objective Present.Derek Lam - 2020 - Synthese:1-16.
    Some philosophers argue that non-presentist A-theories problematically imply that we cannot know that this moment is present. The problem is usually presented as arising from the (...) combination of the A-theoretic ideology of a privileged presentness and a non-presentist ontology. The goal of this essay is to show that the epistemic problem can be rephrased as a pessimistic induction. By doing so, I will show that the epistemic problem, in fact, stems from the A-theoretic ideology alone. Hence, once it is properly presented, the epistemic problem presents a serious threat to all A-theories. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  9. Contractualism and the Death Penalty.Li Hon Lam - 2017 - Criminal Justice Ethics 36 (2):152-182.
    It is a truism that there are erroneous convictions in criminal trials. Recent legal findings show that 3.3% to 5%of all convictions in capital rape-murder (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  10. Metaphysics of Quantity and the Limit of Phenomenal Concepts.Derek Lam - 2018 - Inquiry: An Interdisciplinary Journal of Philosophy (3):1-20.
    Quantities like mass and temperature are properties that come in degrees. And those degrees (e.g. 5 kg) are properties that are called the magnitudes of the (...)quantities. Some philosophers (e.g., Byrne 2003; Byrne & Hilbert 2003; Schroer 2010) talk about magnitudes of phenomenal qualities as if some of our phenomenal qualities are quantities. The goal of this essay is to explore the anti-physicalist implication of this apparently innocent way of conceptualizing phenomenal quantities. I will first argue for a metaphysical thesis about the nature of magnitudes based on Yablos proportionality requirement of causation. Then, I will show that, if some phenomenal qualities are indeed quantities, there can be no demonstrative concepts about some of our phenomenal feelings. That presents a significant restriction on the way physicalists can account for the epistemic gap between the phenomenal and the physical. Ill illustrate the restriction by showing how that rules out a popular physicalist response to the Knowledge Argument. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  11. The Phenomenology and Metaphysics of the Open Future.Derek Lam - forthcoming - Philosophical Studies:1-27.
    Intuitively, the future is open and the past fixed: there is something we can do about the future but not the past. Some metaphysicians believe that a (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  12.  84
    Whyis at”? —On Quines Objection to Carnaps Aufbau inTwo Dogmas of Empiricism”.Ka Ho Lam - 2018 - Journal for the History of Analytical Philosophy 6 (4).
    InTwo Dogmas”, Quine indicates that Carnaps Aufbau failsin principleto reduce our knowledge of the external world to sense data. This is because in (...)projecting the sensory material to reconstruct the physical world, Carnap gives up the use of operating rules and switches to a procedure informed by general principles. This procedure falls short of providing an eliminative translation for the connectiveis at”, which is necessary for the reduction. In dissecting Quines objection, I argue that Quine has at best proven the claim that the use of general principles essentially fails the task of radical reductionism. However, in order to establish the conclusion that the Aufbau fails in principle, Quine needs to further vindicate two other claims. They are: first, a switch from operating rules to general principles is necessary; second, the set of general principles Carnap adopts is the best alternative. By disambiguating the notion ofexplicit definitionand examining the concept of definability in the Aufbau, I explore the possibility of justifying these two claims that Quine overlooks in his objection. The result suggests that Quines objection stands in tension with his radical reductionist reading of the Aufbau. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  13. Wai vakaviti.Maika Tupua - 2010 - Suva, Fiji: MOBDELTA.
    Waivakaviti is in english is Fijian Medicine. Medicine Native to Fijians or used by Fijians. This mostly include parts of parts or combinations of several parts of (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  14. Relationship Between Extraversion and EmployeesInnovative Behavior and Moderating Effect of Organizational Innovative Climate.Yuyan Luo, Zhi Cao, Lu Yin, Huiqin Zhang & Zhong Wang - 2018 - Neuroquantology 16 (6):186-194.
    This paper aims to clarify the relationship between extraversion and employeesinnovative and disclose the moderating effect of organizational innovative climate on that relationship. To this end, (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  15. Review: Jonathan L. Kvanvig . Oxford Studies in Philosophy of Religion. Volume Six. Oxford: Oxford University Press, 2015. 320 Pages; $90.00/Hardcover[REVIEW]Yin Zhang - 2016 - Philosophical Forum 47 (1):91-95.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  16. Chinese Dialectical Thinkingthe Yin Yang Model.Xinyan Jiang - 2013 - Philosophy Compass 8 (5):438-446.
    The yin yang model of thinking is most essential to the Chinese cosmology, ontology and outlook on life. This paper is a systematic discussion of such a (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  17. Văn minh làm giàu & nguồn gốc của cải.Vương Quân Hoàng - 2007 - Hà Nội, Vietnam: NXB Chính trị quốc gia.
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  18. Engelhardt on the Family.Hon-Lam Li - 2013 - International Journal of Chinese and Comparative Philosophy of Medicine (153-160).
    Tristram Engelhardt, Jr. offers erudite and compelling arguments for the view that all families should try to realize the traditional family. Although I tend to agree with (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  19. On Happiness.Hon-Lam Li - 2011 - World Policy Journal:4-5.
    I argue that "quality of life" can be understood in three main ways: as purchasing power, together with social and political goods; as the subjective state (...) of mind: happiness; happiness as related to the meaningfulness of one's profession or cause. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  20.  45
    Sống để làm việc chứ không phải hưởng thụ.An Như - 2015 - Thể Thao and Văn Hóa 2015 (7):1-6.
    Hoàn thành nghiên cứu Tiến Bỉ, Vương Quân Hoàng tập trung vào công việc tìm hiểu đặc tính nền kinh tế Việt Nam. Qua công (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  21.  35
    Thực trạng "lạm" trích dẫn đáng báo động.Thuy Ta - unknown
    Mới đây, Clarivate Analytics đã đưa ra danh sách loại bỏ 33 tạp chí không được chỉ mục hóa sau khi soát một loạt các tạp (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  22. Comparison Between Hegels Being-Nothing-Becoming and I-Chings Yin-Yang-I (Change).Ma Zhen - 2016 - Asian Research Journal of Arts and Social Sciences 1 (6):1-15.
    This article introduces a cross-cultural comparative study on Hegels Western triad of Being-Nothing-Becoming and I-Ching (including Tao-Teh-Ching, TTK)’s Eastern triad of Yin (...)-Yang-I (Change). The study exposes the similarities and differences between the two triads in three aspects: concept, internal motivation, and external manifestation. Results include: (1) HegelsTaois not identical to that of the Yin-Yang paradigm; (2) Hegels envision of Becoming is intrinsically far away from the essence of I-Chings I. (shrink)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  23. Scientific Elite Revisited: Patterns of Productivity, Collaboration, Authorship and Impact.Jichao Li, Yian Yin, Santo Fortunato & Dashun Wang - 2020 - arXiv 2020 (3):1-54.
    Throughout history, a relatively small number of individuals have made a profound and lasting impact on science and society. Despite long-standing, multi-disciplinary interests in understanding careers (...) of elite scientists, there have been limited attempts for a quantitative, career-level analysis. Here, we leverage a comprehensive dataset we assembled, allowing us to trace the entire career histories of nearly all Nobel laureates in physics, chemistry, and physiology or medicine over the past century. We find that, although Nobel laureates were energetic producers from the outset, producing works that garner unusually high impact, their careers before winning the prize follow relatively similar patterns as ordinary scientists, being characterized by hot streaks and increasing reliance on collaborations. We also uncovered notable variations along their careers, often associated with the Nobel prize, including shifting coauthorship structure in the prize-winning work, and a significant but temporary dip in the impact of work they produce after winning the Nobel. Together, these results document quantitative patterns governing the careers of scientific elites, offering an empirical basis for a deeper understanding of the hallmarks of exceptional careers in science. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  24.  67
    Towards a Body Fluids Ontology: A Unified Application Ontology for Basic and Translational Science.Jiye Ai, Mauricio Barcellos Almeida, André Queiroz De Andrade, Alan Ruttenberg, David Tai Wai Wong & Barry Smith - 2011 - Second International Conference on Biomedical Ontology , Buffalo, Ny 833:227-229.
    We describe the rationale for an application ontology covering the domain of human body fluids that is designed to facilitate representation, reuse, sharing and integration of diagnostic, (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  25. Collaborative Virtual Worlds and Productive Failure.Michael J. Jacobson, Charlotte Taylor, Anne Newstead, Wai Yat Wong, Deborah Richards, Meredith Taylor, Porte John, Kartiko Iwan, Kapur Manu & Hu Chun - 2011 - In Proceedings of the CSCL (Computer Supported Cognition and Learning) III. University of Hong Kong.
    This paper reports on an ongoing ARC Discovery Project that is conducting design research into learning in collaborative virtual worlds (CVW).The paper will describe three design (...)components of the project: (a) pedagogical design, (b)technical and graphics design, and (c) learning research design. The perspectives of each design team will be discussed and how the three teams worked together to produce the CVW. The development of productive failure learning activities for the CVW will be discussed and there will be an interactive demonstration of the project's CVW. (shrink)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  26.  11
    Towards Post-Pandemic Sustainable and Ethical Food Systems.Matthias Kaiser, Stephen Goldson, Tatjana Buklijas, Peter Gluckman, Kristiann Allen, Anne Bardsley & Mimi E. Lam - 2021 - Food Ethics 6 (1).
    The current global COVID-19 pandemic has led to a deep and multidimensional crisis across all sectors of society. As countries contemplate their mobility and social-distancing policy (...) restrictions, we have a unique opportunity to re-imagine the deliberative frameworks and value priorities in our food systems. Pre-pandemic food systems at global, national, regional and local scales already needed revision to chart a common vision for sustainable and ethical food futures. Re-orientation is also needed by the relevant sciences, traditionally siloed in their disciplines and without adequate attention paid to how the food system problem is variously framed by diverse stakeholders according to their values. From the transdisciplinary perspective of food ethics, we argue that a post-pandemic scheme focused on bottom-up, regional, cross-sectoral and non-partisan deliberation may provide the re-orientation and benchmarks needed for not only more sustainable, but also more ethical food futures. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  27. Complementarity as a Model for East-West Integrative Philosophy.Robert E. Allinson - 1998 - Journal of Chinese Philosophy 25 (4):505-517.
    The discovery of a letter in the Niels Bohr archives written by Bohr to a Danish schoolteacher in which he reveals his early knowledge of the Daodejing (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   2 citations  
  28. Correlative Reasoning About Water in Mengzi 6A2.Nicholaos Jones - 2016 - Dao: A Journal of Comparative Philosophy 15 (2):193-207.
    Mengzi 孟子 6A2 contains the famous water analogy for the innate goodness of human nature. Some evaluate Mengzis reasoning as strong and sophisticated; others, as weak (...)or sophistical. I urge for more nuance in our evaluation. Mengzis reasoning fares poorly when judged by contemporary standards of analogical strength. However, if we evaluate the analogy as an instance of correlative thinking within a yin-yang 陰陽 cosmology, his reasoning fares well. That cosmology provides good reason to assert that water tends to flow downward, not because of available empirical evidence, but because water correlates to yin and yin correlates to naturally downward motion. Substantiating these contentions also gives occasion to better understand the nature of correlative reasoning in classical Chinese philosophy. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  29. A Redemptive Analysis of Suffering.Daihyun Chung - 2015 - Philosophy Study 5 (10):530-536.
    The notion of suffering carries with it aspects which are private and individual on the one hand and social and lingual on the other. I would pay (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  30. Why Standpoint Matters.Alison Wylie - 2003 - In Robert Figueroa & Sandra G. Harding (eds.), Science and Other Cultures: Issues in Philosophies of Science and Technology. Routledge. pp. 26--48.
    Feminist standpoint theory has been marginal to mainstream philosophical analyses of scienceindeed, it has been marginal to science studies generallyand it has had an uneasy reception (...) among feminist theorists. Critics of standpoint theory have attributed to it untenable foundationalist assumptions about the social identities that can underpin an epistemically salient standpoint, and implausible claims about the epistemic privilege that should be accorded to those who occupy subdominant social locations. I disentangle what I take to be the promising core of feminist standpoint theory from this conflicted history of debate. I argue that non-foundationalist, non-essentialist arguments can be given (and have been given) for attributing epistemic advantage (rather than privilege) to some social locations and standpoints. They presuppose a situated knowledge thesis, and posit contingent advantage relative to epistemic purpose. I illustrate these claims in terms of the epistemic advantages that accrue to a fictional character, from Neelys novel Blanche on the Lam, who represents a type of standpoint invoked by diverse advocates of standpoint theory: that of a race, class, and gender disadvantagedinsider-outsiderwho has no choice, given her social location, but to negotiate the world of the privileged while at the same time being grounded in a community whose marginal status generates a fundamentally different understanding of how the world works. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   80 citations  
  31. Spacetime Emergence in Quantum Gravity: Functionalism and the Hard Problem.Baptiste Le Bihan - forthcoming - Synthese.
    Spacetime functionalism is the view that spacetime is a functional structure implemented by a more fundamental ontology. Lam and Wüthrich have recently argued that spacetime functionalism helps (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   6 citations  
  32. Ethical Issues in Text Mining for Mental Health.Joshua Skorburg & Phoebe Friesen - forthcoming - In M. Dehghani & R. Boyd (ed.), The Atlas of Language Analysis in Psychology.
    A recent systematic review of Machine Learning (ML) approaches to health data, containing over 100 studies, found that the most investigated problem was mental health (Yin et (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  33. Zhu Xis Spiritual Practice as the Basis of His Central Philosophical Concepts.Joseph A. Adler - 2008 - Dao: A Journal of Comparative Philosophy 7 (1):57-79.
    The argument is that (1) the spiritual crisis that Zhu Xi discussed with Zhang Shi 張栻 (11331180) and the othergentlemen of Hunanfrom about 1167 (...)to 1169, which was resolved by an understanding of what we might call the interpenetration of the mind’s stillness and activity (dong-jing 動靜) or equilibrium and harmony (zhong-he 中和), (2) led directly to his realization that Zhou Dunyi’s thought provided a cosmological basis for that resolution, and (3) this in turn led Zhu Xi to understand (or construct) the meaning of taiji in terms of the polarity of yin and yang; i.e. the Supreme Polarity as the most fundamental ordering principle (li 理). (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  34. Identification of Possible Differences in Coding and Non Coding Fragments of DNA Sequences by Using the Method of the Recurrence Quantification Analysis.Sergio Conte, Alessandro Giuliani & Elio Conte - 2012 - Journal of Research and Review in Applied Science 13 (2):1-28.
    Starting with the results of Li et al. in 1992 there is valuable interest in finding long range correlations in DNA sequences since it raises questions about (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  35.  72
    Hormônios e Sistema Endócrino na Reprodução Animal.Emanuel Isaque Cordeiro da Silva & Emanuel Isaque Da Silva - manuscript
    HORMÔNIOS E SISTEMA ENDÓCRINO NA REPRODUÇÃO ANIMAL -/- OBJETIVO -/- As glândulas secretoras do corpo são estudadas pelo ramo da endocrinologia. O estudante de Veterinária e/ou Zootecnia que (...) se preze, deverá entender os processos fisio-lógicos que interagem entre si para a estimulação das glândulas para a secreção de vários hormônios. -/- Os hormônios, dentro do animal, possuem inúmeras funções; sejam exercendo o papel sobre a nutrição, sobre a produção de leite e sobre a reprodução, os hormônios desempenham um primordial papel quanto ao funcionamento do animal. -/- Nesse capítulo, o estudante identificará os hormônios relevantes para o controle reprodutivo, suas características e o uso clínico dos mesmos. -/- -/- INTRODUÇÃO -/- A endocrinologia é a ciência que se encarrega do estudo do sistema endócrino: um sistema de comunicação entre as células de um organismo; esse trabalho de comunicação é compartilhado com o sistema nervoso que ambos sistemas possuem características distintas que lhes permite complementar-se para alcançar uma adequada coordenação das funções. Em algumas ocasiões o sistema nervoso e o sistema endócrino interagem direta-mente na transmissão de uma mensagem, pelo qual se conhece como sistema neuroendó-crino. -/- -/- OS HORMÔNIOS -/- A endocrinologia é a ciência que se encarrega do estudo dos hormônios e seus e-feitos. De maneira tradicional os hormônios são considerados comosubstâncias secreta-das em direção a circulação pelas glândulas especializadas, e que exercem uma função sobre um órgão branco”. Essa definição, no entanto, é limitada e imprecisa. É necessário ser mais pontual, que os hormônios não são produzidos em qualquer célula da glândula, senão nas células específicas. Por exemplo, o hormônio luteinizante (LH) é produzido pelos gonadotropos da adenohipófise e não por qualquer outro tipo de célula hipofisária. Da mesma maneira, falar de umórgão branconão é exato, que os hormônios atuam somente nas células que tenham receptores específicos para esse hormônio, e não outras células do mesmo órgão; logo, falar de umacélula brancaé mais apropriado que falar de umórgão branco”. As células brancas do LH no testículo são as células de Leydig e as células brancas do hormônio folículo estimulante (FSH) no mesmo órgão são as células de Sertoli. -/- Mediante o supracitado, uma definição mais apropriada de hormônio é a seguinte: “Os hormônios são reguladores biológicos, produzidos e secretados em quantidades pe-quenas pelas células vivas, que depois de viajar pelo meio extracelular atuam sobre as -lulas brancas, onde exercem uma ação específica”. -/- É importante levar em conta que os hormônios somente regulam (estimulam ou inibem) funções que existem na célula branca. Ademais, os hormônios são extraordina-riamente potentes, pelo qual se requerem quantidades muito pequenas para induzir uma resposta na célula. As concentrações circulantes da maioria dos hormônios estão na ordem de nanogramas (10-9 g) ou pictogramas (10-12 g) por mililitro. -/- Etimologicamente o termoendócrinosignificasecretar em direção adentro”, que os hormônios são secretados em direção ao interior do organismo (o sangue ou o espaço intracelular), em diferença das secreções exócrinas (em direção ao exterior), que são secretadas em direção a luz de um órgão, como o intestino no caso das enzimas pan-creáticas. -/- Algumas substâncias, sem deixar de ser hormônios, recebem uma classificação adicional em relação ao seu local de ação, ao tipo de células que lhes produzem, ou a al-guma outra característica. Agora, serão descritas algumas dessas características (figura 1). -/- -/- Parahormônio ou hormônio local -/- A maioria dos hormônios são transportados pela circulação desde seu local de se-creção até a célula branca. No entanto, alguns hormônios exercem seu efeito em células adjacentes aquelas que foram produzidos, ao qual não é necessário seu transporte através da circulação geral. Esse tipo de substâncias são chamadas de parahormônios ou hormô-nios locais, e sua liberação é denominada como secreção parácrina. Um exemplo é a pros-taglandina F2 alfa (PGFα), que é produzida no epitélio uterino (endométrio) e provoca as contrações nas células musculares do mesmo órgão (miométrio). Deve-se tomar em conta que a mesma substância poderia se comportar em outros casos como um hormônio clássico, atuando em um órgão distinto ao local de sua produção; é o caso da mesma PGFα de origem endometrial quando atua sobre as células do corpo lúteo do ovário, pro-vocando sua regressão. A classificação de uma substância como hormônio ou parahormô-nio não depende de sua estrutura química, senão da relação espacial existente entre a célu-la que o produz e a célula branca. -/- -/- Neurohormônio -/- A maioria dos hormônios são produzidos pelas células de origem epitelial, porém, muitos deles são produtos pelos neurônios, logo denominados como neurohormônios. To-dos os neurônios segregam alguma substância, porém tratam-se dos neurohormônios quando o neurônio que os produz despeja-os diretamente em direção a circulação geral, através da qual chegam aos órgãos para exercer seu efeito, sejam na indução, inibição ou estimulação do mesmo. -/- Esse processo é diferente dos neurotransmissores, os quais também são secretados por um neurônio, mas exercem seu efeito em uma célula adjacente com o qual o neurônio estabelece uma sinapse (neuroma com neurônio, neurônio com célula muscular, neurônio com célula glandular). A classificação de uma substância como hormônio ou como neuro-hormônio não depende de sua estrutura química, senão do tipo de célula que o produz. Uma mesma substância é um hormônio quando ele é produzido por uma célula epitelial e um neurohormônio se é produzido por um neurônio. A ocitocina, por exemplo, é secre-tada na neurohipófise por neurônios hipotalâmicos, nesse caso se trata de um neurohor-mônio, mas também é secretada por células do corpo lúteo dos ruminantes, e se trata nesse caso, de um hormônio. A distinção entre um neurohormônio e um hormônio é um neuro-transmissor, da mesma forma, não depende de sua estrutura química, e sim do local onde é secretado. Por exemplo, a dopamina atua como neurotransmissor quando se libera em sinapse da substância negra do mesencéfalo z mas atua como neurohormônio quando é liberada por neurônios hipotalâmicos em direção a circulação do eixo hipotálamo-hipofisário. -/- -/- Pré-hormônio -/- Em alguns casos, os hormônios são secretados em forma inativa (pré-hormônio), que requer uma transformação posterior para converter-se na forma ativa de hormônio. O angiotensinógeno circulante somente cobrará atividade biológica ao se transformar em angiotensina por ação da enzima renina. Algumas substâncias podem atuar como hormô-nios m alguns casos e como pré-hormônios em outros. A testosterona, por exemplo, atua como hormônio nas células musculares, aos quais possui um efeito anabólico direto. O certo é que para a testosterona induzir a masculinização dos órgãos genitais externos em um efeito macho é necessário que seja transformada previamente em -di-hidrotes-tosterona pela enzima -redutase presente nas células de tecido branco, por onde, nesse caso a testosterona é um pré-hormônio de di-hidrotestosterona. -/- -/- Feromônio -/- Os hormônios são mensagens químicas que comunicam a células distintas dentro do mesmo organismo, embora existam casos aos que requerem uma comunicação quími-ca entre organismos diferentes, em geral da mesma espécie. As substâncias empregadas para esse fim denominam-se feromônios. Essas substâncias devem possuir a capacidade de dispersão sobre o ambiente, pelo que nos organismos terrestres geralmente trata-se de substâncias voláteis, enquanto que os feromônios de organismos aquáticos geralmente são substâncias hidrossolúveis. Embora muitos feromônios possuam uma função sexual ou reprodutiva como é o caso de muitas espécies como a canina em que a fêmea em cio dispersa grandes quantidades de feromônios que são captados de longe pelos machos, todavia esse não é sempre o caso, e eles podem ser utilizados para outros tipos de comunicação, como é o caso dos feromônios utilizados pelas formigas para sinalização da rota em direção a fonte de alimentação. E como as abelhas no sentido de orientação da fonte de pólen até a colmeia. Muitos desses feromônios podem ser artificializados, isto é, elaborados pelo homem em laboratório para o estudo ou manipulação de algum animal. -/- -/- O SISTEMA ENDÓCRINO COMO UM SISTEMA DE COMUNICAÇÃO -/- O sistema endócrino é um sistema de comunicação que tem como objetivo coor-denar as funções das células de diferentes órgãos para mantença da homeostase do orga-nismo e promover seu desenvolvimento, crescimento e reprodução. Também ajuda os or-ganismos a adaptarem-se as mudanças de ambiente e ao habitat. O sistema endócrino representa um sistema de comunicação do tipo sem fio, diferentemente do sistema nervo-so que é um sistema de comunicação com fio. -/- Em todo o sistema de comunicação existe uma série de elementos que são necessá-rios para a realização da comunicação de forma efetiva. Esses elementos incluem o emis-sor, a mensagem, o sinal, o meio de transporte do sinal, o receptor, o efetor, a resposta e o feedback ou retroalimentação (figura 1). Todos os elementos são igualmente importan-tes e uma deficiência em qualquer deles pode interromper ou alterar a comunicação. -/- -/- Figura 1: componentes do sistema endócrino de comunicação. Fonte: ZARCO, 2018. -/- -/- Emissor ou transmissor -/- É o elemento responsável pela transmissão de uma mensagem; poderíamos com-pará-lo com a redação de notícias de um canal de televisão. Antes de decidir quais serão as notícias que serão transmitidas esse dia, em que ordem se apresentarão e que ênfase lhes darão, as pessoas da redação analisa rodas as informações disponíveis: provenientes de seus repórteres, de agências de notícias internacionais, publicada em jornais do dia, a existente na internet ou disponíveis através de redes sociais; isso significa que as mensa-gens transmitidas pelo emissor não são aleatórias, e sim respondem a uma análise respon-sável das necessidades de informação. -/- No sistema endócrino o emissor é a célula que produz e secreta um hormônio. Co-mo todo emissor responsável, a mesma célula analisa toda a informação relevante dispo-nível, tal como a concentração de diversos metabólitos no sangue, a concentração de ou-tros hormônios, e as mensagens que recebem por via nervosa, antes de decidir se secretará seu hormônio, em que quantidade o fará e com que frequência. Por essa razão, ao estudar o sistema endócrino não somente devemos conhecer a célula transmissora, e sim qual é a informação que a célula pode receber, e como a analisa e a prioriza para construir sua mensagem. -/- -/- Mensagem -/- É a informação transmitida pelo emissor. No caso de um sistema de notícias tele-visivas a mensagem é a notícia, por exemploVaca a luz trigêmeos, um caso raro no Brasil”. No sistema endócrino a mensagem que se transmite é uma instrução para que em outra célula se realize determinadas ações. Por exemplo, os neurônios produtores de GnRH no hipotálamo de uma coelha, ao analisar as concentrações de estradiol circulantes e a informação nervosa procedente de neurônios sensoriais nós órgãos genitais da fêmea, podemsaberque nos ovários existam folículos lisos para ovularem e que a coelha está copulando, pelo qual decidem transmitir a mensagemSolicita-se os gonadotropos da adenohipófise a liberação de LH em quantidade suficiente para provocar a ovulação”. -/- -/- Sinal -/- É a forma a qual se codifica a mensagem para permitir sua difusão. No caso de um jornal, a mensagem (por exemplo a notícia da vaca que deu a luz trigêmeos) se codifi-ca em forma de ondas de rádio de uma determinada frequência, amplitude e intensidade; no caso do sistema endócrino a mensagem (a necessidade de realizar uma função celular) é codificada em forma de hormônio secretado em determinada quantidade, frequência e amplitude. Para o exemplo descrito supra, a mensagem se codifica na forma de uma grande elevação nas concentrações de GnRH no sangue do sistema porta hipotálamo-hipofisário. -/- É necessário tomar em conta que o emissor codifica a mensagem de forma tal que quando o receptor decifre o sinal obtenha a informação originalmente contida na mensa-gem. No entanto, o sinal pode ser interpretado de diferentes formas por receptores distintos, o que pode provocar respostas contrárias as esperadas. A notícia transmitida por um jornal de rádio, por exemplo, poderia estar codificada em forma de ondas de rádio que, casualmente, para o sistema eletrônico de um avião signifiquembaixe a altitude e acelere”, razão pela qual é proibido utilizar aparelhos eletrônicos durante a decolagem e aterrissagem desses aparelhos. -/- Do mesmo modo, a mensagem codificada na forma de secreção de estradiol por parte dos ovários pode ser interpretado pelo sistema nervoso de uma ovelha como uma ordem para apresentar conduta de estro, pelas células do folículo ovariano como uma instrução para sofrer mitose e secretar o líquido folicular, pelos gonadotropos como uma ordem para a secreção de um pico pré-ovulatório de LH, e pelas células do endométrio como uma instrução para sintetizar receptores para a ocitocina. Dessa forma, o mesmo sinal (secreção de estradiol) pode conter diferentes mensagens para diferentes células do organismo. -/- Em alguns casos, pode-se apresentar uma resposta patológica devido as diversas formas de interpretação de uma mensagem, por exemplo, a repetição da secreção de adrenalina em um indivíduo estressado pode resultar no desenvolvimento de um proble-ma de hipertensão arterial. Por isso é necessário conhecer a maneira em que cada célula endócrina codifica suas mensagens, assim como a forma em que esses sinais podem ser interpretados em diferentes órgãos e tecidos, em diferentes momentos da vida do animal, em animais com diferentes antecedentes de espécies diferentes. -/- -/- Meio de transporte do sinal -/- O sinal tem que viajar ou difundir-se desde o emissor até o receptor, e em seu ca-minho pode ser modificado de diversas formas. Os sinais de rádio, por exemplo, viajam através da atmosfera e durante esse trajeto podem ser bloqueados por uma barreira física (como ocorre com as ondas de rádio AM em um túnel), ampliadas por uma estação repeti-dora, alteradas por um campo eletromagnético (uma aspiradora funcionando ao lado da sala de transmissão), entre outros. Da mesma forma, os sinais endócrinos que geralmente viajam no sangue, podem ser modificados ao longo do seu caminho. -/- A PGFα é inativada ao passar pelo pulmão, o angiotensinógeno é ativado pela re-nina na circulação, e a testosterona pode ser transformada em di-hidrotestosterona nas células da pele e na próstata, ou em estrógenos nos adipócitos e nos neurônios. Por tudo isso, o sinal que finalmente chega ao receptor pode ser diferente do transmitido pelo emissor. -/- Portanto, ao estudar qualquer sistema hormonal devemos conhecer as possíveis modificações que o hormônio pode sofrer desde o momento em que é secretado até que se uma ao seu receptor na célula branca. -/- -/- Receptor -/- É o elemento que recebe o sinal e interpreta a mensagem contida nele. No caso de um jornal de TV, o receptor é o canal correspondente (por exemplo o canal 2) em um aparelho de televisão. É importante ressaltar que um aparelho de TV possui muitos canais distintos, mas somente receberá mensagens se estiver ligado e sintonizado no canal que está transmitindo a mensagem de interesse. Ou seja, o receptor tem que estar ativo. -/- No caso das mensagens endócrinas os receptores são moléculas específicas nas células brancas. Essas moléculas são proteínas membranais ou citoplasmáticas (segundo o tipo de hormônio), que possui uma alta afinidade por seu hormônio, o que lhes permite registrar a mensagem apenas das baixíssimas concentrações em que os hormônios circu-lam. Os receptores possuem uma alta especificidade, o que significa que somente se unem a seu próprio hormônio, e não a outras substâncias. Em algumas ocasiões um receptor pode receber diversos hormônios do mesmo tipo; por exemplo o receptor de andrógenos pode unir testosterona, androstenediona, di-hidrotestosterona e diversos andrógenos sin-téticos. Apesar disso, cada um desses hormônios pode possuir uma afinidade diferente pelo receptor, pelo qual alguns serão mais potentes que outros para estimulação. -/- Em geral existe um número limitado de moléculas receptoras em cada célula, logo diz-se que os receptores sãosaturáveis”, o qual significa que uma vez que todos sejam ocupados a célula não pode receber mais moléculas desse hormônio. Por essa razão a magnitude da resposta de um determinado hormônio vai aumentando conforme se aumen-tam suas concentrações, porém ao saturar-se os receptores alcançam um ponto em que a resposta não aumenta embora sigam incrementando as concentrações hormonais que os receptores não permanecem livres para unirem-se ao excesso de moléculas do hormô-nio. -/- As células, em contrapartida, podem regular tanto o número de receptores presen-tes como a afinidade destes por seu hormônio; isso significa que a magnitude da resposta antes um determinado sinal endócrino pode ser distinta em diferentes momentos da vida de um animal; depende do estado dos receptores presentes nos tecidos, pelo qual é impor-tante conhecer quais são os fatores que podem aumentar ou reduzir o número de recepto-res em uma célula, assim como aqueles que podem aumentar ou diminuir a afinidade des-ses receptores por seus hormônios. -/- -/- Efetor -/- É o elemento encarregado de responder a uma mensagem realizando uma ação, e é um elemento diferente do receptor. Vale ressaltar que no caso de uma transmissão de televisão o receptor é o aparelho sintonizado no canal de interesse, porém o efetor é o te-lespectador que está exposto as notícias. Esse telespectador sofrerá mudanças que podem resultar em uma ação. A mudança pode ser evidente (e auxiliar as vítimas de um desastre), ou simplesmente uma mudança potencial (ao se inteirar de uma notícia não se pode produ-zir nenhuma mudança aparente até que alguém lhe pergunte: se interessou?, E nesse caso a resposta será: “simem lugar donão”). Deve-se tomar em conta que o efetor pode estar ausente embora o receptor esteja presente (um televisor ligado em uma sala vazia). O efetor também pode estar inativado (o telespectador encontra-se dormindo); quando assim ocorre não irá produzir uma resposta embora o receptor esteja presente. -/- No sistema endócrino o efetor é, em geral, um sistema celular encarregado de rea-lizar uma determinada função. Na maioria dos casos trata-se de sistemas enzimáticos cuja função é estimulada pela união do hormônio ao seu receptor. Alguns hormônios, por exemplo, atuam através do sistema AMP cíclico (AMPc) logo, a união do hormônio ao seu receptor resulta na ativação de uma proteína chamada Proteína Gs, que ativa a enzima Adenil-ciclase (ou adenilato ciclase), a qual transforma ATP em AMPc. A presença de AMPc resulta na ativação de uma enzima cinese de proteínas que fosforiza outras enzi-mas, o que pode ativá-las ou inativá-las; nesses casos, é gerada uma cascata de eventos que resulta em uma mudança na atividade celular; por exemplo, a cadeia de eventos que produz-se em resposta ao AMPc quando a célula de Leydig do testículo é estimulada pela união do LH a seu receptor resulta na produção de testosterona, enquanto que a estimula-ção de um adipócito provocada pela união da adrenalina a seu receptor, que também atua através do sistema AMPc, resulta em uma série de eventos que provocam, finalmente, a liberação de ácidos graxos livres em direção a circulação. -/- Nos exemplos supra, o AMPc é considerado um mensageiro intracelular, que o receptor capta o sinal (hormônio) no exterior da célula, o que resulta na produção de um novo sinal (mudança nas concentrações de AMPc) no interior da célula. Embora o sistema AMPc seja utilizado por muitos hormônios, não é um sistema universal; existem outros sistemas mensageiros intracelulares que também são utilizados para responder os hormô-nios que não entram nas células, por exemplo o sistema cálcio-calmodulina, ou os siste-mas baseados em receptores com atividade de cineses de tirosina. Nos casos que os hor-mônios possa atravessar livremente a membrana celular, como acontece com os hormôni-os esteroides, o hormônio se une a receptores presentes no citoplasma, que depois ingres-sam ao núcleo celular para intervir na regulação da transcrição do genoma. -/- De maneira independente ao mecanismo de ação de um determinado hormônio, sua presença finalmente desencadeará mudanças em um ou mais sistemas efetores da célula, o que permitirá que a mesma responda a mensagem que o emissor transmitiu originalmente. É evidente que para compreender a ação de qualquer hormônio é indispensável conhecer seu mecanismo de ação, o papel dos mensageiros intracelulares e as característi-cas dos sistemas efetores. Deve-se conhecer também quais são os fatores que afetam a transdução da mensagem que uma célula pode regular seus sistemas efetores e dessa forma ter uma resposta maior, menor ou alterada ante a mesma mensagem. -/- -/- Resposta -/- Como mencionado, qualquer mensagem provoca uma resposta (embora somente seja potencial) sobre o efetor que a recebe. No sistema endócrino, as mensagens hormonais viajam constantemente pelo organismo e são captadas por todas as células que possuem receptores ativos para um determinado hormônio. Uma única célula pode ter receptores para diferentes hormônios, pelo qual pode estar recebendo diversas mensagens simultaneamente, e cada uma dessas mensagens pode afetar a resposta de outras mensagens. Por exemplo, a presença de progesterona pode alterar a resposta das células endometriais ao estradiol. Ademais, as células podem estar recebendo ao mesmo tempo uma informação não hormonal, como as concentrações de diversos metabólitos na circulação, ou a recebida pelo sistema nervoso. A célula analisa toda essa informação e com base nela decide se deve responder a mensagem hormonal que está recebendo como deve responder, com que intensidade e durante quanto tempo. A resposta final pode ser uma resposta física imediata (contração, secreção de um hormônio armazenado previa-mente), uma modificação bioquímica a curto prazo (síntese de um determinado hormônio ou outra substância), ou o início de uma série de mudanças que levam a uma mudança a longo prazo (divisão celular, diferenciação celular, crescimento, morte celular). -/- -/- Feedback ou retroalimentação -/- Quando em um sistema de comunicação se produz uma resposta, em muitos casos essa resposta engloba a geração de informação que vai retornar ao emissor, e que agora constituirá um ou mais dos elementos que o emissor tomará em conta antes de transmitir uma nova mensagem. Assim, se um jornal transmite uma mensagemmenina pobre necessita de doação de roupas”, a resposta de alguns efetores (telespectadores) que virão a doar roupas será conhecida pelo emissor, que assim saberá que não será mais neces-sário voltar a transmitir a mensagem, o que o fará tomar a decisão de transmitir uma mensagem diferente comomenina pobre não necessita de roupas, porém requer de ali-mentos para sua família”. Essa modificação da mensagem provocada pela resposta do efetor é conhecida como retroalimentação. -/- De forma análoga, no sistema endócrino a resposta da célula efetora geralmente é reconhecida pelo emissor, que em consequência modifica sua mensagem. Na maioria dos casos se produz uma retroalimentação negativa, que consiste em que a resposta do efetor provoca uma redução na intensidade da mensagem transmitida pelo emissor. Quando os gonadotropos de uma vaca secretam hormônio folículo estimulante (FSH), as células da granulosa de seus folículos ovarianos respondem realizando diversas funções, uma das quais é a secreção de inibina. A elevação nas concentrações circulantes de inibina é capta-da pelos gonadotropos, que logo sabem que o FSH transmitiu sua mensagem, pelo que reduzem a secreção deste hormônio. A retroalimentação negativa é muito importante em qualquer sistema endócrino que permite manter as concentrações hormonais dentro de limites aceitáveis. -/- A retroalimentação negativa pode ser de onda ultracurta, curta ou longa. A onda ultracurta é quando o hormônio produzido por uma célula pode inibir sua própria secre-ção. A retroalimentação negativa de onda curta é quando o hormônio produzido por uma célula pode inibir a de um órgão imediatamente superior na hierarquia (por exemplo, quando a progesterona produzida pelo corpo lúteo do ovário inibe a secreção de LH pelos gonadotropos da hipófise). O feedback negativo de onda longa sucede quando o hormônio produzido por uma célula inibe a uma célula de um órgão que está dois ou mais níveis por cima na escala hierárquica, por exemplo, quando a testosterona produzida pelas células de Leydig do testículo inibe diretamente os neurônios produtores de GnRH, saltando as células produtoras de LH e adenohipófise. -/- Existe também a retroalimentação positiva, da qual o primeiro hormônio estimula a secreção de um segundo hormônio, o que por sua vez estimula o primeiro, com o que se estabelece um círculo progressivo de estimulação. Um exemplo de retroalimentação positiva é a que se produz pouco antes da ovulação entre o LH hipofisário e o estradiol de origem folicular. Os dois hormônios se estimulam mutuamente até que alcancem níveis elevados de LH que provoca a ovulação. O círculo de feedback positivo termina quando o pico pré-ovulatório de LH mudanças sobre o folículo que incluem a perda da capacidade de produção de estrógenos. Todo o sistema de retroalimentação positiva deve ter um final abrupto sobre o qual se rompe o ciclo de estimulação mútua, que não mais deverá ser produzida quantidades elevadas dos hormônios, até que todos os recursos do organismo sejam utilizados para esse fim. -/- -/- CLASSIFICAÇÃO QUÍMICA DOS HORMÔNIOS -/- Do ponto de vista químico e sobre o estudo da Fisiologia da Reprodução Animal, existem quatro grupos principais de hormônios: polipeptídios, esteroides, aminas e prostaglandinas; dentro de cada grupo, por sua vez, existem mais grupos de inúmeros outros hormônios dispostos em subdivisões. -/- -/- Hormônios polipeptídios -/- Os polipeptídios são cadeias de aminoácidos. Quando uma dessas cadeias está constituída por poucos aminoácidos é denominada simplesmente de polipeptídios, mas quando uma cadeia de aminoácidos é longa e adquire uma configuração espacial de três dimensões o polipeptídio é denominado proteína (figura 2). Muitos neurohormônios hipo-talâmicos são polipeptídios, como o liberador de gonadotropinas (GnRH), constituído por 10 aminoácidos, o hormônio liberador de tirotropina (TRH), formado por 3 aminoácidos, o somatostatina, constituído por 14 aminoácidos, a ocitocina que é formada por 8 aminoá-cidos etc. O sistema nervoso central e a hipófise produzem peptídeos opioides. -/- Entre os hormônios polipeptídios que por seu tamanho são considerados proteínas encontramos a prolactina, o hormônio do crescimento, os lactogênios placentários, a relaxina, a insulina e fatores de crescimento parecidos com a insulina (IGFs). Existe outro grupo de hormônios polipeptídios classificados como glicoproteínas. Trata-se de proteí-nas que possuem carboidratos unidos a alguns de seus aminoácidos. -/- -/- Figura 2: classificação dos hormônios polipeptídios. Fonte: ZARCO, 2018. -/- -/- um grupo de hormônios glicoproteicos que constituem uma família de molécu-las similares entre si, dentro das quais estão o hormônio luteinizante (LH), o hormônio folículo estimulante (FSH), o hormônio estimulante da tireoide (TSH), a gonadotropina coriônica humana (hCG) e a gonadotropina coriônica equina (eCG); todos estão formados pela subunidade alfa que é idêntica para os hormônios de uma determinada espécie animal, e por uma subunidade beta específica para cada hormônio. As duas subunidades mantém-se unidas através de ligações dissulfeto. Deve-se mencionar que os carboidratos associados as glicoproteínas podem ser distintos em diferentes idades, épocas do ano ou estados fisiológicos; esse processo é conhecido como microheterogenicidade, e recente-mente têm-se dado grande importância a seu estudo, que é reconhecido fatores tais como a vida média de um hormônio ou sua atividade biológica podem ser modificados de acordo com o tipo de carboidratos presentes na molécula. -/- Existe outra família de hormônios glicoproteicos, que incluem a inibina A, a B, e a activina A, AB e B. Todos os hormônios polipeptídios possuem algumas características comuns. Em primeiro lugar, trata-se de moléculas hidrossolúveis que não conseguem atravessar as membranas celulares pelo qual se unem a receptores transmembranais que flutuam sobre a parede externa da membrana da célula branca e requerem de um segundo mensageiro intracelular, como o cálcio ou o AMPc, para levar sua mensagem ao interior da célula. -/- Os hormônios desse grupo, não podem ser administrados por via dérmica, oral, retal ou intravaginal, que não podem atravessar a pela ou as mucosas intestinais, retais ou vaginais. Os polipeptídios são digeridos no estômago, o que também impede sua admi-nistração oral. Outra característica que deve-se tomar em conta é que as proteínas (embora não os polipeptídios pequenos) podem se desnaturalizar por fatores como o calor (são termolábeis), a congelação, ou mudanças de pH m a desnaturalização consiste em uma mudança na forma natural da proteína, o que leva a perda de sua função. Por essa razão, ao trabalhar com hormônios proteicos devem-se tomar cuidados especiais durante seu manejo para evitar a exposição a fatores desnaturalizantes. -/- -/- Hormônios esteroides -/- São moléculas derivadas do colesterol; a célula esteroidogênica pode sintetizar o colesterol, obtê-lo de reservas intracelulares ou da circulação. Na célula esteroidogênica existem diversas enzimas que atuam sequencialmente sobre a molécula de colesterol, provocando mudanças sucessivas até obter o hormônio final que será secretado, ao qual dependerá das enzimas que estão presentes e ativas na célula. -/- Existem cinco grupos principais de hormônios esteroides; os progestágenos, os estrógenos, os glicocorticoides e os mineralocorticoides (figura 3). -/- Os progestágenos são hormônios que favorecem o desenvolvimento da gestação; seus efeitos incluem, entre outros, a estimulação da secreção endometrial de substâncias nutritivas para o embrião, a estimulação do desenvolvimento embrionário e placentário, a inibição das contrações uterinas, bem como fazer com que a cérvix fique fechada. O principal hormônio natural desse grupo é a progesterona, mas existem uma grande quantidade de progestágenos sintéticos utilizados na medicina veterinária, tais como o acetato fluorogestona (FGA), o acetato de melengestrol (MGA), o altrenogest e o norgestomet. -/- Os estrógenos são os hormônios femininos responsáveis, entre outras funções, dos sinais do estro ou receptividade sexual nas fêmeas. A maior parte de seus efeitos estão no alcance da fertilização do ovócito. Os estrógenos, além de estimular a conduta sexual feminina, favorecem, entre outras coisas, a abertura da cérvix para permitir a passagem do espermatozoide, e as contrações uterinas para impulsionar o sêmen em direção aos ovidutos. O principal estrógeno natural é o estradiol 17β, outros membros naturais do grupo são a estrona, a equilina e a equilenina, esses dois últimos presentes exclusivamente em éguas gestantes. Também existem numerosos estrógenos sintéticos, tais como o valerato de estradiol, o benzoato de estradiol e o cipionato de estradiol. -/- Os andrógenos são hormônios masculinos. Possuem uma grande quantidade de efeitos encaminhados a alcançar o êxito reprodutivo do macho, como estimular a conduta sexual, estimular a produção de espermatozoides e estimular as secreções das glândulas sexuais acessórias. O andrógeno principal é a testosterona, outros andrógenos naturais incluem a androstenediona e a di-hidrotestosterona. Existe também inúmeros andrógenos sintéticos. -/- Os glicocorticoides ou corticosteroides possuem funções principalmente metabó-licas e de adaptação ao estresse. O principal corticosteroide na maioria das espécies é o cortisol, enquanto que nos ratos e outros roedores é a corticosterona. Na reprodução, os corticosteroides desempenham um papel relevante, em particular durante o parto e a lac-tação. -/- Os mineralocorticoides, como a aldotestosterona, se encarregam da regulação do balanço de líquidos e eletrólitos no organismo. -/- -/- Figura 3: subgrupos dos hormônios esteroides. Fonte: ZARCO, 2018. -/- -/- Os hormônios esteroides como grupos são hidrossolúveis, pelo qual podem atra-vessar livremente as membranas celulares, por essa razão utilizam receptores intracelula-res que se encontram no citoplasma da célula branca; também pode-se administrar por via oral, pela pele, e através das mucosas retal ou vaginal. São moléculas termoestáveis e não são digeridas no estômago, embora algumas possas sofrer modificações na pH ácido, alterando sua função. -/- -/- Aminas -/- São moléculas derivadas de um aminoácido que se modifica pela ação de enzimas específicas. Existem dois tipos de hormônios aminas: as catecolaminas e as indolaminas (figura 4). As catecolaminas derivam do aminoácido tirosina, e incluem a dopamina, a a-drenalina e a noradrenalina. As indolaminas derivam-se do triptofano, e incluem a seroto-nina e a melatonina. -/- As aminas são moléculas hidrossolúveis que não podem atravessar as membranas celulares e portanto atuam através de receptores membranais e segundos mensageiros intracelulares. -/- -/- Figura 4: classificação dos hormônios peptídicos. Fonte: ZARCO, 2018. -/- -/- Prostaglandinas -/- São substâncias derivadas do ácido araquidônico. A principal fonte desse ácido graxo são os fosfolipídios da membrana celular, a partir dos quais se podem liberar o ácido araquidônico mediante a ação da enzima fosfolipase A2. O ácido araquidônico se transforma em prostaglandina H mediante a ação da enzima ciclo-oxigenase (ou sintetase de prostaglandinas), que mais adiante se transforma em diferentes prostaglandinas especí-ficas pela ação de diversas enzimas. O tipo de prostaglandina produzido por cada célula dependerá do complemento de enzimas presentes. -/- A prostaglandina mais importante na reprodução é a PGF2α, a qual é responsável pela destruição do corpo lúteo na maioria das espécies; também provoca contrações uteri-nas, pelo qual é importante para o parto, e o transporte dos espermatozoides e a involução uterina depois do parto. Na prática veterinária a PGF2α natural (dinoprosr) ou seus seme-lhantes sintéticos (cloprostenol, luprostiol etc.) são utilizados para a sincronização do ciclo estral, para a indução do parto e para tratar diversas patologias. Outra prostaglandina com algumas ações relacionadas com a reprodução é a prostaglandina E2 (PGE2). -/- As prostaglandinas são substâncias anfipáticas (com propriedades hidrossolúveis e lipossolúveis), pelo qual podem atravessar as membranas celulares. -/- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS -/- AUSTIN, Colin Russell; SHORT, R. Reproduction in mammals. Cambridge, 1972. -/- BEARDEN, Henry Joe et al. Reproducción animal aplicada. México: Manual Moderno, 1982. -/- BECKER, Jill B. et al. (Ed.). Behavioral endocrinology. Mit Press, 2002. -/- BITTAR, Edward (Ed.). Reproductive endocrinology and biology. Elsevier, 1998. -/- BURNSTEIN, Kerry L. (Ed.). Steroid hormones and cell cycle regulation. Kluwer Academic Pub., 2002. -/- CUNNINGHAM, James. Tratado de fisiologia veterinária. Elsevier Health Sciences, 2011. -/- CUPPS, Perry T. (Ed.). Reproduction in domestic animals. Elsevier, 1991. -/- DUKES, Henry Hugh; SWENSON, Melvin J.; REECE, William O. Dukes fisiologia dos animais domésticos. Editora Guanabara Koogan, 1996. -/- FELDMAN, Edward C. et al. Canine and feline endocrinology-e-book. Elsevier health sciences, 2014. -/- FUSCO, Giuseppe; MINELLI, Alessandro. The Biology of Reproduction. Cambridge University Press, 2019. -/- GILBERT, Scott F. Biologia del desarrollo. Ed. Médica Panamericana, 2005. -/- GORE, Andrea C. GnRH: the master molecule of reproduction. Springer Science & Business Media, 2002. -/- HAFEZ, Elsayed Saad Eldin; HAFEZ, Bahaa. Reprodução animal. São Paulo: Manole, 2004. -/- HERNÁNDEZ PARDO, Blanca. Endocrinología: Lo esencial de un vistazo. México: Panamericana, 2016. -/- HYTTEL, Poul; SINOWATZ, Fred; VEJLSTED, Morten. Embriologia veterinária. São Paulo: Elsevier Brasil, 2012. -/- ILLERA MARTIN, Mariano. Endocrinología veterinaria y fisiología de la reproducción. Madrid: COLIBAC, 1984. -/- JOHNSON, Martin H. Essential reproduction. Nova Jersey: John Wiley & Sons, 2018. -/- MANDOKI, Juan José et al. Hormone multifunctionalities: a theory of endocrine signaling, command and control. Progress in biophysics and molecular biology, v. 86, n. 3, p. 353-377, 2004. -/- MANDOKI, Juan José et al. Reflections on the mode of functioning of endocrine systems. Archives of medical research, v. 41, n. 8, p. 653-657, 2010. -/- MCKINNON, Angus O. et al. (Ed.). Equine reproduction. Nova Jersey: John Wiley & Sons, 2011. -/- MELMED, Shlomo (Ed.). The pituitary. Londres: Academic press, 2010. -/- NORRIS, David O.; LOPEZ, Kristin H. (Ed.). Hormones and reproduction of vertebrates. Academic Press, 2010. -/- PARHAR, Ishwar S. (Ed.). Gonadotropin-releasing hormone: molecules and receptors. Elsevier, 2002. -/- PIMENTEL, C. A. Fisiologia e endocrinologia da reprodução da fêmea bovina. I Simpósio de Reprodução de Bovinos, Porto Alegre, RS, 2002. -/- PINEDA, Mauricio H. et al. McDonald's veterinary endocrinology and reproduction. Iowa state press, 2003. -/- RAMOS DUEÑAS, J. I. Endocrinología de la reproducción animal. 2018. -/- SALISBURY, Glenn Wade et al. Physiology of reproduction and artificial insemination of cattle. WH Freeman and Company., 1978. -/- SANDERS, Stephan. Endocrine and reproductive systems. Elsevier Health Sciences, 2003. -/- SORENSEN, Anton Marinus. Reproducción animal: principios y prácticas. México, 1982. -/- SQUIRES, E. James. Applied animal endocrinology. Cambridge: Cabi, 2010. -/- YEN, Samuel SC; JAFFE, Robert B.; BARBIERI, Robert L. Endocrinología de la Reproducción. Fisiología, fisiopatología y manejo clínico. Madrid: Ed. Médica Panamericana, 2001. -/- ZARCO, L. Endocrinología. In. PORTA, L. R.; MEDRANO, J. H. H. Fisiología reproductiva de los animales domésticos. Cidade do México: FMVZ-UNAM, 2018. (shrink)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  36.  72
    Tác giả Việt nêu quan điểm về việc rút bài báo khoa học trên Nature.Manh-Toan Ho - 2020 - Khoa Học and Phát Triển:20.
    Tác giả Vương Quân Hoàng (Trung tâm Nghiên cứu hội Liên ngành ISR, trường Đại học Phenikaa) vừa bài viết quan điểm trên tạp chí (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  37.  22
    Các tạp chí KH Nga rút bỏ hơn 800 công bố.Nguyên Huyên - 2020 - SSHPA 2020 (1):1-2.
    Các tạp chí Nga vừa đợt rút hơn 800 bài báo khoa học. Đây kết quả bước đầu của cuộc điều tra quy lớn (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  38.  86
    Emotional Attachment and Its Limits: Mengzi, Gaozi and the Guodian Discussions.Karyn L. Lai - 2019 - Frontiers of Philosophy in China 14 (1):132-151.
    Mengzi maintained that both benevolence (ren ) and rightness (yi ) are naturally-given in human nature. This view has occupied a dominant place in Confucian intellectual (...)history. In Mencius 6A, Mengzi's interlocutor, Gaozi, contests this view, arguing that rightness is determined by (doing what is fitting, in line with) external circumstances. I discuss here some passages from the excavated Guodian texts, which lend weight to Gaozi's view. The texts reveal nuanced considerations of relational proximity and its limits, setting up requirements for moral action in scenarios where relational ties do not play a motivational role. I set out yi's complexity in these discussions, highlighting its implications for (i) the nei-wai debate; (ii) the notion of yi as "rightness," or doing the right thing; and (iii) how we can understand the connection between virtue and right action in these early Confucian debates. This material from the excavated texts not only provides new perspectives on a longstanding investigation of human nature and morality, it also challenges prevailing views on Warring States Confucian intellectual history. In the well-known debate between Mengzi and Gaozi in Mencius 6A, Mengzi maintained that both ren and yi are naturally-given 1 in human nature. The figure 1 To say that ren and yi are naturally-given is not to say that they are fully-developed from the start. I use the phrase "naturally-given" throughout the paper to indicate where a particular capacity or resource (ren or yi) may be found, rather than its final polished state. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  39. Các yếu tố ảnh hưởng tới quyết định chọn trường đại học của học sinh THPT tại Việt Nam: Bằng chứng khảo sát năm 2020.Lê Thị Mỹ Linh & Khúc Văn Quý - manuscript
    Nghiên cứu nhằm xác định đánh giá mức độ ảnh hưởng của các yếu tố trong việc đưa ra quyết định chọn trường đại học của (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  40.  81
    Niềm vui cuối tuần với LSE Impact.Nguyễn Phúc Khánh Linh - 2020 - EASE SciComm 2020 (2):1-4.
    Giống như người trồng cây, người làm nghiên cứu cố gắng gieo trồng, chăm sóc. ràng, thái độ sự chuẩn bị góp phần quan trọng (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  41. Không đọc sách đã nguy hại, đọc lướt trên điện thoại ảnh hưởng tiêu cực không kém.Nguyễn Thanh Nhàn - 2020 - SSHPA 2020 (1):1-2.
    Hiện nay, nhiều nghiên cứu đã cảnh báo rằng quá trình đọc sâu rất thể bị đe dọa khi chúng ta chuyển sang các chế độ (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  42.  42
    Four Basic Concepts of Medicine in Kant and the Compound Yijing.Stephen R. Palmquist - 2018 - Journal of Wuxi Zhouyi 21 (June):31-40.
    This paper begins the last instalment of a six-part project correlating the key aspects of Kants architectonic conception of philosophy with a special version of the (...) Chinese Book of Changes that I call theCompound Yijing”, which arranges the 64 hexagrams (gua) into both fourfold and threefold sets. I begin by briefly summarizing the foregoing articles: although Kant and the Yijing employ different types of architectonic reasoning, the two systems can both be described in terms of threelevelsof elements. Starting at an unnumbered level devoid of any element (the tao or thing in itself), the system proceeds by elaborating a key fourfold distinction (orquaternity”) on the first level, a twelvefold distinction on the second level, and twelve quaternities (grouped in four quadrants, each with a set of three quaternities) on the third level. Each set of three quaternities (i.e., each quadrant) on the third level corresponds to one of the fourfacultiesof the university, as elaborated in Kants book, The Conflict of the Faculties. Previous papers have examined the correlations between three key quaternities that Kant defends in relation to each of three faculties (philosophy, theology, and law) and the 12 gua that correspond to that faculty in the Compound Yijing. The final step is to explore the fourth quaternity on the third level, the 12 gua corresponding to the medical faculty. Theidea of reasonin Kants metaphysics that guides this wing of the comparative analysis is freedom, and the ultimate purpose of this faculty of the university is to train doctors to care for peoples physical well-being, as free agents imbedded in nature. But this paper will focus only on the four gua that correspond to four basic concepts in Kants theory of medicine. The two quaternities in theyin-yang” (medical) quadrant of the Compound Yijing that will be skipped here are as follows. First, Kants account of the idea of freedom itself, which gives rise to the area of traditional metaphysics known as rational cosmology, comes in the first Critiques Dialectic, in the section on the Antinomy of Reason (CPR A405-567/B432- 595). There he examines four irresolvable issues: whether the world has a beginning in time; whether composite substances consist of simple parts; whether a causality of freedom operates in the natural world; and whether an absolutely necessary being exists. Later I will argue that these correspond to the quaternity consisting of gua 15, 22, 36, and 52. (shrink)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  43.  97
    Rút bài, hành vi anh hùng chế tự hiệu chỉnh trong khoa học.Lương Anh Phương - 2020 - Khoa Học and Phát Triển 2020 (1):1-4.
    Trên thực tế, sự hoàn hảo của các kết quả học thuật luôn được tạo nên bởi các sai lầm thất bại. chế tự hiệu (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  44. Quantum Gravity and Taoist Cosmology: Exploring the Ancient Origins of Phenomenological String Theory.Steven M. Rosen - 2017 - Progress in Biophysics and Molecular Biology 131:34-60.
    In the authors previous contribution to this journal (Rosen 2015), a phenomenological string theory was proposed based on qualitative topology and hypercomplex numbers. The current paper (...)takes this further by delving into the ancient Chinese origin of phenomenological string theory. First, we discover a connection between the Klein bottle, which is crucial to the theory, and the Ho-tu, a Chinese number archetype central to Taoist cosmology. The two structures are seen to mirror each other in expressing the psychophysical (phenomenological) action pattern at the heart of microphysics. But tackling the question of quantum gravity requires that a whole family of topological dimensions be brought into play. What we find in engaging with these structures is a closely related family of Taoist forebears that, in concert with their successors, provide a blueprint for cosmic evolution. Whereas conventional string theory accounts for the generation of natures fundamental forces via a notion of symmetry breaking that is essentially static and thus unable to explain cosmogony successfully, phenomenological/Taoist string theory entails the dialectical interplay of symmetry and asymmetry inherent in the principle of synsymmetry. This dynamic concept of cosmic change is elaborated on in the three concluding sections of the paper. Here, a detailed analysis of cosmogony is offered, first in terms of the theory of dimensional development and its Taoist (yin-yang) counterpart, then in terms of the evolution of the elemental force particles through cycles of expansion and contraction in a spiraling universe. The paper closes by considering the role of the analyst per se in the further evolution of the cosmos. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  45. Tổng quan bộ dữ liệu tả quan điểm của giáo viên đối với những hỗ trợ từ trường học trong thời gian diễn ra dịch COVID-19.Ngoc Thuy Ta - unknown
    Đại dịch COVID-19 đã gây ra những diễn biến phức tạp, khó lường tác động đến nhiều mặt của đời sống hội, lĩnh vực (...)giáo dục cũng không nằm ngoài tác động đó. Học sinh được trải nghiệm học tập trực tuyến những khoảng thời gianbất thườngrời xa trường lớp, bạn tự học nhà (Hoang, 2020; Tran, 2020). Các hoạt động khoa học giáo dục cũng chịu tác động không nhỏ (Vuong, 2018). Đời sống vật chất lẫn tinh thần của đội ngũ giáo viên cả trong nước lẫn giáo viên nước ngoài đi dạy tại các quốc gia đều bị suy giảm (Vu et al., 2020). Đã gần 42.000 giáo viên phải hoãn hợp đồng làm việc không lương, trong đó 29.700 giáo viên mẫu giáo bỗng chốc trở nên thất nghiệp phải làm các công việc thời vụ để đáp ứng đời sống thường nhật (Bich Thanh, 2020). Khoảng 70% các tổ chức giáo dục nhân thể sẽ phá sản khi không thể lưu động đủ chi trả các loại hình tài chính khác nhau (Nguyen, 2020). Rất nhiều trường học đang lo lắng về tình trạng không mong muốn này bởi giáo viên sẽ không thể đảm bảo chất lượng công việc khi chất lượng cuộc sống của họ cũng đang bị đe dọa (Canrinus et al., 2012). Hơn nữa, hiệu suất làm việc giáo viên được cho yếu tố tác động quan trọng ảnh hưởng nhiều nhất đến học sinh (Darling-Hammond and Youngs, 2002; Staiger and Rockoff, 2010), so với các tác động bên ngoài như lòng yêu nghề, cách diễn đạt, sự tương tác hay mối quan hệ giữa giáo viên học sinh (Marsh and Bailey, 1991). (shrink)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  46.  55
    Năng suất nghiên cứu KHXH Việt Nam: Giảng viên đại học công bố tốt hơn nhà khoa học tại viện nghiên cứu.Thái Thanh - 2018 - Khoa Học and Phát Triển 2018 (6):1-3.
    Trong lĩnh vực nghiên cứu khoa học hội, nhà khoa học tại các trường đại học xu hướng công bố tốt hơn so với nhà (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  47.  65
    Cần minh bạch hơn việc rút bài báo khoa học.Hồ Mạnh Toàn - 2020 - Khoa Học Và Phát Triển 2020 (6):1-3.
    Tác giả Vương Quân Hoàng (Trung tâm Nghiên cứu hội Liên ngành ISR, trường Đại học Phenikaa) vừa bài viết quan điểm trên tạp chí (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  48.  28
    Quỹ NAFOSTED các công bố trên hệ thống xuất bản của Nature, Science: Quả ngọt đầu mùa.Hồ Mạnh Toàn - 2018 - Khoa Học Và Phát Triển 2018 (9):1-4.
    KH&PT (24/9/2018) — 10 công bố đáng tự hào đang góp phần làm nên uy tín cho NAFOSTED thời gian gần đây đều nằm trong (...) các lĩnh vực khoa học tự nhiên kỹ thuật hầu hết kết quả của hợp tác quốc tế. (shrink)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  49.  43
    Tác giả Việt nêu quan điểm về việc rút bài báo khoa học trên Nature.Hồ Mạnh Toàn - 2020 - Khoa Học Và Phát Triển 2020 (6).
    Tác giả Vương Quân Hoàng (Trung tâm Nghiên cứu hội Liên ngành ISR, trường Đại học Phenikaa) vừa bài viết quan điểm trên tạp chí (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  50.  54
    Vài dòng tản mạn về JSTOR, xưa nay.Quan-Hoang Vuong - 2020 - AISDL 2020:1-5.
    Hiện tại, hệ thống JSTOR đã một giao diện web rất thân thiện. Họ cũng đã tăng cường các mục thông tin bài vở phổ thông, (...)
    Download  
    Translate
     
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  51. Nothing found.