Results for 'Conhecimento'

272 found
Order:
  1. O conhecimento científico no livro I dos Segundos Analíticos de Aristóteles.Lucas Angioni - 2007 - Journal of Ancient Philosophy 1 (2):1-24.
    I examine Aristotle’s definition of scientific knowledge in Posterior Analytics 71b 9-12 and try to understand how it relates to the sophistical way of knowing and to "kata sumbebekos knowledge". I claim that scientific knowledge of p requires knowing p by its appropriate cause, and that this appropriate cause is a universal (katholou) in the restricted sense Aristotle proposes in 73b 26-27 ff., i.e., an attribute coextensive with the subject (an extensional feature) and predicated of the subject in itself (an (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   49 citations  
  2. Conhecimento e Opinião em Aristóteles (Segundos Analíticos I-33).Lucas Angioni - 2013 - In Marcelo Carvalho (ed.), Encontro Nacional Anpof: Filosofia Antiga e Medieval. Anpof. pp. 329-341.
    This chapter discusses the first part of Aristotle's Posterior Analytics A-33, 88b30-89a10. I claim that Aristotle is not concerned with an epistemological distinction between knowledge and belief in general. He is rather making a contrast between scientific knowledge (which is equivalent to explanation by the primarily appropriate cause) and some explanatory beliefs that falls short of capturing the primarily appropriate cause.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   7 citations  
  3. Conhecimento Prévio e Conhecimento Científico em Aristóteles.Carlos Alexandre Terra - 2009 - Dissertation, University of Campinas
    Pretendemos averiguar como Aristóteles concebe a passagem do nosso conhecimento prévio do mundo ao conhecimento científico, avaliando os pressupostos e consequências de sua resposta ao paradoxo de Mênon e atentando para a metodologia científica defendida nos Segundos Analíticos. Quanto ao conhecimento preliminar necessário à edificação da ciência, procuraremos caracterizar seus tipos e também os meios pelos quais ele pode vir a ser adquirido por nós. Buscaremos estabelecer também as propriedades que o conhecimento científico deve possuir em (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   5 citations  
  4. Conhecimento A Priori.Célia Teixeira - 2014 - In João Branquinho & Ricardo Santos (eds.), Compêndio em Linha de Problemas de Filosofia Analítica. Lisbon, Portugal: pp. 1-33.
    O objectivo deste artigo consiste em introduzir a noção de conhecimento a priori e os problemas que a envolvem. Começa-se por caracterizar o conhecimento a priori e aquilo que o distingue do conhecimento a posteriori para de seguida avaliar-se as dificuldades que uma compreensão adequada da noção de independência da experiência enfrenta. A noção de a priori é distinguida da de necessidade, à qual, tradicionalmente, tem sido associada. Por fim, o problema do a priori é formulado e (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  5. Conhecimento e argumentação em Aristóteles.Jaqueline Stefani - 2013 - Hypnos 31:199-218.
    Examina-se o conhecimento científico e a aquisição dos primeiros princípios em Aristóteles partindo da dificuldade suscitada pelo argumento pla- tônico, apresentado em Mênon (80e). Parece que, em Aristóteles, o problema não é que não se possa conhecer, como sugere a dificuldade apresentada em Mênon. Através das sensações obtidas dos particulares e que se tornam expe- riência, engendram-se a arte e a ciência. O conhecimento prévio é suficiente para que se possa prosseguir na investigação e chegar a um (...) de um nível maior de abstração. (shrink)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  6. O conhecimento científico nos Segundos Analíticos de Aristóteles : causa e necessidade na demonstração.Francine Maria Ribeiro - 2011 - Dissertation, University of Campinas (Unicamp)
    De acordo com Aristóteles, conhecemos algo cientificamente quando apreendemos a causa pela qual essa coisa é e apreendemos, também, certa relação necessária entre aquilo que pretendemos conhecer e o que descobrimos ser a causa adequada que explica por que tal fato é o caso. Além disso, o filósofo identifica o conhecimento científico com a posse de um silogismo científico ou demonstração. Neste trabalho, analisamos a relação entre a teoria demonstrativa que Aristóteles desenvolve, principalmente, no livro I dos Segundos Analíticos (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   4 citations  
  7. CONHECIMENTO “SEM MAIS” E A QUESTÃO DO PRINCÍPIO DA CIÊNCIA NOS SEGUNDOS ANALÍTICOS DE ARISTÓTELES.Alexandre Guedes Barbosa - 2021 - Revista Dialectus 10 (23):54-65.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  8. Conhecimento, Contexto e Infiltração Pragmática.T. V. Rodrigues - 2013 - Intuitio (Nº 2):05-18.
    Resumo: Neste texto, introduzo algumas questões importantes que fazem parte do debate sobre infiltração pragmática. Além de apresentar e problematizar as principais alegações oferecidas pelos proponentes da infiltração pragmática eu irei contrasta-la com algumas teses mais tradicionais, como a Tese Tradicional sobre o Conhecimento e o Contextualismo Epistêmico. Por fim, apresento uma crítica aos proponentes da infiltração pragmática que parece ainda não ter sido tratada. Concluo que embora controversa, tal tese está longe de ser refutada completamente. Palavras-chave: Conhecimento; (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  9. Conhecimento humano e a ideia de afecção na Ética de Espinosa.Levy Lia - 2013 - Analytica. Revista da Filosofia 17 (2): 221-247.
    A tese de que o conceito espinosista de ideia de afecção, introduzido na Ética, expressa o sentido mais preciso do que seja, para o autor, o conceito de ideia da imaginação. Este texto pretende problematizar essa leitura, procurando fornecer subsídios para a hipótese de que ela não é nem inequivocamente corroborada pelo texto da Ética, nem exigida pela doutrina aí apresentada. -/- It is widely accepted by scholars that Spinoza’s concept of idea of affection, introduced in the Ethics, states his (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  10. Conhecimento e Definição no Mênon de Platão.Davi Heckert César Bastos - 2020 - Kinesis 12 (31):172-185.
    Through detailed analysis of Plato’s Meno, I identify and set general argumentative rules (useful both to scientists and philosophers) concerning how to use definitions. I show how the character Socrates establishes strong requirements for knowledge in general, i.e., that the knowledge of the definition of a thing must be prior to the knowledge of properties or instances of that thing. Socrate’s requirements and the way he characterizes a definition (as coextensive to the definiendum, not circular, true and explanatorily relevant) lead (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  11. Conhecimento e significação prática - uma hipótese aristotélica.Luis Fellipe C. Garcia - 2013 - Hypnos. Revista Do Centro de Estudos da Antiguidade 31:219-233.
    The purpose of this paper is to examine the peculiarity of what Aristotle named practical wisdom or practical knowledge. Pivot to our analysis is the first thesis of the Nicomachean Ethics, where the philosopher appears to state a fallacy when he argues that, given that all actions aim at some good, good is that which every action aims to. We argue that the inference is non-fallacious because of the peculiarity of the practical domain, which manifests itself in the identity of (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  12.  94
    Conhecimento, contexto e ceticismo:uma abordagem contextualista.Tiegue Vieira Rodrigues - 2019 - Porto Alegre, RS, Brasil: Editora Fi.
    Nosso objetivo não é refutar o ceticismo, nem mesmo provar que ele é falso, ou até mesmo afirmar que ele é falso. Aceitamos a diferenciação entre um tipo de filosofia que pretende provar algo e outro tipo que pretende explicar como algo é possível. Nesse sentido, pretendemos explicar, através de uma teoria contextualista, como é possível o conhecimento – ainda que o cético nos acuse de aceitar o fato de que é logicamente possível que estejamos sonhando ou sejamos um (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  13. Conhecimento e Gestão.Flávio Rafael Bonamigo - 2016 - Araguaína, Brazil: Faculdade Católica Dom Orione.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  14. O CONHECIMENTO E O PRINCÍPIO DA INDISSOCIABILIDADE ENTRE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO.Mário José Puhl - 2016 - Revista HISTEDBR On-Line 69:222-232.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  15. Conhecimento histórico e conhecimento racional.Marcos Seneda - 2018 - Estudos Kantianos 6 (2):37-44.
    Conquanto seja utilizada somente no terceiro capítulo da Doutrina Transcendental do Método, designado “A arquitetônica da razão pura”, a distinção entre conhecimento histórico e conhecimento racional é um topos básico das Lógicas de Kant, marcando a diacronia de suas reflexões metafísicas. No percurso aqui proposto para esclarecer essas duas noções, remontamos a Christian Wolff. Para situar a posição epistemológica da Filosofia, no Discurso preliminar sobre a filosofia em geral, Wolff explicita a diferença entre os conhecimentos histórico, filosófico e (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  16. A necessidade do conhecimento científico : Um estudo sobre os segundos analíticos de Aristóteles.Breno Zuppolini - 2011 - Dissertation, University of Campinas (Unicamp)
    No tratado intitulado Segundos Analíticos, Aristóteles desenvolve uma teoria da demonstração científica e da ciência demonstrativa. Ali, o conhecimento científico é descrito pelo filósofo como envolvendo uma certa "necessidade". Alguns intérpretes associam esta noção de necessidade à necessidade modal, pertinente à silogística modal de Aristóteles. Esta interpretação, todavia, tornaria o modelo de ciência proposto nos Analíticos incompatível com os explananda das ciências da natureza, cuja cientificidade o próprio Aristóteles reiteradamente defendeu. A fim de evitar este inconveniente, abordamos e reconstruímos (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  17. A filosofia como palimpsesto: conhecimento arquetípico em Siris.Costica Bradatan & Jaimir Conte - 2014 - Revista Litterarius 3 (13):01-20.
    Tradução para o português do capítulo 'Philosophy as Palimpsest: Archetypal Knowledge in Siris', retirado de: The Other Bishop Berkeley: An Exercise in Reenchantment. Fordham University Press, New York, 2006, p. 40-56,.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  18. Nietzsche e os rumos para uma teoria trágica do conhecimento científico / Nietzsche and the directions for a tragic theory of scientific knowledge.Bruno Camilo de Oliveira - 2024 - Aufklärung: Journal of Philosophy 11 (1):119-136.
    O objetivo deste artigo é apontar cinco aspectos do pensamento nietzschiano que podem ser relevantes para os debates da filosofia da ciência em torno da natureza e representação do conhecimento científico. Para tanto, é realizada uma revisão de literatura com o objetivo de selecionar trechos de obras nietzschianas como O nascimento da tragédia, Genealogia da moral, A gaia ciência e outras que permitam interpretar Nietzsche como um filósofo da ciência preocupado com a construção do conhecimento cientifico sobre a (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  19. Informação, conhecimento e modelos.Marcos Antonio Alves, Daniel Martínez-Ávila & Maria Cláudia Cabrini Gracio (eds.) - 2017 - Campinas-Marília/Brasil: Coleção CLE-Unicamp/Cultura Acadêmica-UNESP.
    We are in the information age. Nowadays, the information is a high power commodity. Your domain and handling have high economic, political, social value. However, we still know little about it. What is the information? How do we store it, retrieve it and manipulate it? Everyone have or should have equal access to information? What is the relationship between information and knowledge? How can both influence and be influenced by the action? Can they are modeled? The models can contribute to (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  20. Conhecimento racional por conceitos (filosofia) e conhecimento racional por construção de conceitos (matemática).Marcos Seneda - 2018 - Estudos Kantianos 6 (2):45-52.
    A distinção entre filosofia e matemática enquanto modos de operação da razão tem presença marcante nos cursos de Lógica de Kant, mas igualmente articula diversas soluções de problemas no interior do pensamento crítico. No entanto, ela data do período pré-crítico, tendo se tornado bem explícita já na obra Investigação sobre a distinção dos princípios da teologia natural e da moral (1764). Quase duas décadas depois, essa distinção será retomada na “Doutrina transcendental do método”, contida na Crítica da razão pura (1781). (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  21. Conhecimento e Verdade na Ontologia Fundamental de Martin Heidegger.Luciano Campos dos Santos - 2011 - Dissertation, University of Campinas, Brazil
    Este trabalho tem por objetivo examinar as relações entre conhecimento e verdade (no sentido de descobrimento e abertura), no contexto da Ontologia Fundamental, de Martin Heidegger. Num primeiro momento, busca-se caracterizar o conhecimento como um modo derivado do ser-no-mundo enquanto ocupação, patenteando a estrutura intencional que lhe é própria, bem como explicitando a interpretação fenomenológicoexistencial do “resultado” do comportamento cognoscitivo (conceitos de substância/eidos), que é posta em questão quanto à sua correção, em se considerando os conceitos da Física (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  22. O CONHECIMENTO DO MUNDO COMO GEOGRAFIA FILOSÓFICA E FILOSOFIA GEOGRÁFICA EM IMMANUEL KANT.Jecson Girão Lopes - 2018 - Dissertation, Universidade Federal de Sergipe
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  23.  74
    Sobre Conhecimento e Opinião No Livro V da República de Platão.Leonardo Iorio Cattaneo - 2018 - Dissertation, Federal University of Paraná
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  24. O CONHECIMENTO E O PRINCÍPIO DA INDISSOCIABILIDADE ENTRE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO.Oberson Isac Dresch & Mário José Puhl - 2016 - Dialogus 5 (1):37-55.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  25. Conhecimento, racionalidade e simbólico: Aristóteles e Cassirer, distintas interpretações sobre o conhecer humano e suas possíveis reflexões na epistemologia geográfica.Clevisson Junior Pereira - 2014 - GeoTextos 10 (2):161-189.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  26. Fronteiras contingentes e conhecimento limitado.Alexandre Costa-Leite - 2012 - Revista Brasileira de Filosofia 238 (61):179-187.
    Este artigo mostra que combinando as noções lógicas de 'contingência' e 'conhecimento' nós podemos formular uma tese cética de acordo com a qual 'o mundo não pode ser conhecido'. Além disso, ele mostra que tal tese é plausível do ponto de vista epistemológico.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  27. Teoria do Conhecimento e Educação no Pensamento de Jean-Jacques Rousseau.Manoel Carvalho - 2017 - Dissertation, Universidade Federal Do Ceará
    The initial problem which motivated the writing of this thesis arose from reading of Emile by Rousseau. In this work, it was possible to detect the influence of different theoretical approaches, such as rationalism and empiricism, inspiring the development of the educational plan designed by Rousseau for his imaginary student (Emile). The very core question of the present thesis regards to whether there was a theory of knowledge pertaining to Rousseau’s philosophical thinking and, if so, how it was related to (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   7 citations  
  28. Rigor e Aquisição de Conhecimento Moral em Aristóteles.Mariane Oliveira & J. Alexandre Durry Guerzoni - 2015 - Prometheus 8 (18):149-161.
    No livro I da Ethica Eudemia, Aristóteles dedica um capítulo a considerações acerca de seu método. No entanto, analisando passagens de outros tratados do autor, é possível concluir que há algo comum que perpassa as diversas considerações acerca de seu método, a saber: que o ponto de partida de toda investigação é dado pelo que é mais cognoscível a nós, e todo o procedimento de investigação visa chegar ao que é mais cognoscível em si mesmo – o conhecimento estrito (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  29. Produção de conhecimento: uma característica fundamental das sociedades humanas.Emanuel Isaque Cordeiro da Silva - manuscript
    Produção de conhecimento: uma característica fundamental das sociedades humanas -/- 1. As diferentes formas de conhecimento A espécie humana não se limita a sobreviver no mundo. Ela também procura entendê-lo e modificá-lo de acordo com as diferentes formas como percebe a realidade. Essa busca, que articula a realidade objetiva e a subjetiva, é a matriz sobre a qual se constrói o que convencionamos chamar de conhecimento. Podemos definir o conhecimento como toda compreensão e prática adquiridas, cuja (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  30. O conhecimento científico e o conceito de substância na filosofia primeira de Aristóteles.Rafael Sacramento de Souza - 2016 - Dissertation, Puc-Sp, Brazil
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  31. O problema do conhecimento dos primeiros princípios em Aristóteles: indução, inteligência, dialética e diaporemática.Carolina Muranaka Saliba Barreto - 2009 - Dissertation, University of Campinas
    Essa dissertação de mestrado cuida do problema do conhecimento dos primeiros princípios em Aristóteles, mais precisamente, das vias de acesso adequadas a provê-lo. Dada a primordialidade de um tal conhecimento, erige-se a questão de método: por qual via estaria garantido o acesso àquilo que constitui todo o fundamento e “razão para” do edifício do conhecimento filosófico e científico? Aristóteles, nos Segundos Analíticos, atribui à indução (epagoge) e à inteligência (nous) este papel, mas nos Tópicos o filósofo menciona (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  32. Nota sobre os conhecimentos do ‘o que é’ e do ‘por que’ no livro II dos Segundos Analíticos de Aristóteles.Wellington Damasceno de Almeida - 2017 - Dissertatio 46:121-129.
    I examine the difficulties involved in the Aristotelian proposal to identify the knowledge of “what it is” and “why it is”, in order to better understand the outlines that delimit it. I propose that the connections by which Aristotle links definition and explanation, and hence essence and cause, depend on the mutual convertibility between nominal expressions and predicative sentences.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   1 citation  
  33. Sobre o conhecimento em Ludwig Feuerbach: uma investigação a partir dos Gedanken über Tod und Unsterblichkeit (1830).José Edmar Lima Filho - 2021 - Filosofia Unisinos 22 (2):1-14.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  34. Conhecimento como Juízo Verdadeiro com logos no Teeteto de Platão.Gustavo R. B. A. Ferreira - 2016 - Dissertation, University of Campinas
    We examine the discussion about the definition of knowledge as true judgment accompanied by logos in Theaetetus 201c-210c, in order to ascertain which of the recent alternative interpretations is more consistent with the text. To accomplish this, we intend to analyze the text and explore in detail the secondary literature about it.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  35. Conhecimento e ação na perspectiva de Hegel.Gabriel Rodrigues da Silva - manuscript
    I propose to present a relation between knowledge (Wissen) and human action (Handlung) from the perspective of the German philosopher Georg Wilhelm Friedrich Hegel (1770-1831). For this, I will use mainly of the Phenomenology of Spirit (Phenomenologie des Geistes) - published in 1807. According the philosopher himself, this work is a science of the experience of consciousness – this was the first name chosen by Hegel for this work (Vaz, 2014, p. 11-12). Throughout the work, it we can see that (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  36. Extrapolações da metáfora raiz de Stephen C. Pepper e o conhecimento científico.Douglas Antonio Bassani & Vinicius Siqueira - 2023 - In Revista Sofia. pp. 1-12.
    Esta pesquisa procura investigar o conceito de metáfora raiz na concepção de Stephen C. Pepper a partir de sua obra World Hypotheses (1942) e de artigos relacionados. Além disso, extrapolar o conceito de metáfora raiz a partir de uma possível interlocução com o trabalho filosófico do conhecimento científico de George Lakoff e Mark Johnson, particularmente em Metaphors we live by (1980) e artigos relacionados. Considerando estes objetivos, foi abordado sobre o conceito de metáfora em Stephen C. Pepper, George Lakoff (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  37. Aritmética e conhecimento simbólico: notas sobre o Tractatus Logico-Philosophicus e o ensino de filosofia da matemática.Gisele Dalva Secco - 2020 - Perspectiva Filosófica 47 (2):120-149.
    Departing from and closing with reflections on issues regarding teaching practices of philosophy of mathematics, I propose a comparison between the main features of the Leibnizian notion of symbolic knowledge and some passages from the Tractatus on arithmetic. I argue that this reading allows (i) to shed a new light on the specificities of the Tractarian definition of number, compared to those of Frege and Russell; (ii) to highlight the understanding of the nature of mathematical knowledge as symbolic or formal (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  38. Do sistema de conhecimento de Descartes: o “eu” como “coisa em si” e a “consciência da consciência”.Luiz Carlos Mariano da Rosa - 2015 - Revista Húmus 5 (13):2-31.
    Se o sentido e a finalidade da razão como instrumento de conhecimento converge para a possibilidade de discernimento envolvendo o verdadeiro e o falso, o que se impõe ao seu exercício não é senão um método que consiste na aplicação de determinados preceitos destinados tanto ao entendimento como à vontade, cuja contradição caracteriza o fundamento metafísico do erro, segundo Descartes que, conforme assinala o referido artigo, recorre a uma dúvida que, na investigação dos fundamentos absolutos, encerra uma radicalidade que (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  39. Observações sobre o conhecimento empírico em Aristóteles.Daniel Rubião de Andrade - 2010 - Itaca 15:32-41.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  40. Valores na ciência e a perspectiva ecológica do conhecimento científico.Eros Carvalho - 2024 - In César Meurer (ed.), Ciência: epistemologia e ensino. Rio de Janeiro: Editora do PPG Filosofia da UFRRJ. pp. 250-281.
    A ideia de que a ciência — ou ao menos as atividades científicas que são consideradas as mais essenciais para a ciência — deve ser livre de valores é bastante difundida. Neste capítulo, vou discutir essa tese, normalmente entendida como um ideal de ciência. Na primeira seção, introduzo alguns conceitos e distinções que são importantes para entender essa tese, como a diferença entre valores cognitivos e não-cognitivos. Na segunda seção, discuto o papel dos valores na seleção de problemas e na (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  41. A política em Aristóteles: Conhecimento científico, normatividade, e as leis.Alessandro Baungartner - 2019 - Dissertation, Ufmg, Brazil
    This dissertation investigates the possibilities of relating scientific knowledge, practical and theoretical, with normative accounts. Firstly, we investigate how the particularized aspect of political science guarantees a degree of normative appropriateness between laws according to habit and the activity of phrónesis as a form of political intelligence. Secondly, we investigate how the universal aspect attributed to theoretical science and written laws could identify a criterion of epistemological validity that expresses normativity. In this sense, the reader will find in this essay (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  42. Aristóteles e a necessidade do conhecimento científico.Lucas Angioni - 2020 - Discurso 50 (2):193-238.
    I discuss the exact meaning of the thesis according to which the object of scientific knowledge is necessary. The thesis is expressed by Aristotle in the Posterior Analytics, in his definition of scientific knowledge. The traditional interpretation understands this definition as depending on two parallel and independent requirements, the causality requirement and the necessity requirement. Against this interpretation, I try to show, through the examination of several passages that refer to the definition of scientific knowledge, that the necessity requirement specifies (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark   8 citations  
  43. Sobre os Tipos de Conhecimento em Aristóteles e sua Possível Relação com a Ética.Lorenna Fyama Pereira Marques - 2024 - Coleção Abertura: Vol. 1 - o Tempo Do Conceito.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  44. Restaurando a explicação do anulabilismo falibilista sobre o conhecimento a partir de crença falsa.Eduardo Alves - 2021 - Intuitio 14 (2):1-14.
    O objetivo deste artigo é responder a duas objeções que podem ser feitas à explicação do anulabilismo falibilista referente à possibilidade de conhecimento inferencial originado em falsidade (KFF). A primeira objeção é que a ausência de restauradores indica a incompletude da explicação anulabilista falibilista de KFF, enquanto a segunda é que o experimento mental de KFF viola o Princípio Resistência à Verdade* (RV*) – a principal tese do anulabilismo falibilista. Na primeira seção, explicarei no que consiste o debate acerca (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  45. Razão e irracionalidade na representação do conhecimento.Walter A. Carnielli & Mamede Lima Marques - 1991 - Trans/Form/Ação 14:165-177.
    How is it possible that beginning from the negation of rational thoughts one comes to produce knowledge? This problem, besides its intrinsic interest, acquires a great relevance when the representation of a knowledge is settled, for example, on data and automatic reasoning. Many treatment ways have been tried, as in the case of the non-monotonic logics; logics that intend to formalize an idea of reasoning by default, etc. These attempts are incomplete and are subject to failure. A possible solution would (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  46. O problema do conhecimento de entes contingentes em Aristóteles e Duns Scotus.Andrei Pedro Vanin - 2014 - Dissertation, Uffs, Brazil
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  47. DIFERENCIAIS POR ÁREAS DE CONHECIMENTO NO IMPACTO DAS BOLSAS DE PRODUTIVIDADE EM PESQUISA DO CNPQ SOBRE A PRODUÇÃO ACADÊMICA DOS CONTEMPLADOS: UM ESTUDO PARA O BRASIL ENTRE 2013-2016.Deize Cristina Kryczyk Gonçalves - 2020 - Dissertation, Universidade Federal Do Paraná
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  48. O espaço social da dúvida - Negacionismo, ceticismo e a construção do conhecimento.Ernesto Perini-Santos - 2023 - Estudos de Sociologia 28 (1):1-23.
    À primeira vista, pode-se pensar que toda restrição à dúvida é contrária à progressão do conhecimento e antidemocrática. Este argumento é utilizado por diferentes sabores de negacionismo. No entanto, um exame do modo como funcionam dúvidas nos mostra que existem exigências epistêmicas para a legitimidade da dúvida que não são satisfeitas pelos negacionismos. Uma consequência deste argumento é que a normatividade epistêmica não é absorvida pela normatividade política. A especificidade da normatividade epistêmica, que explica porque a dúvida de negacionistas (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  49. Relações entre a noção de “cuidado-da-alma” e o “conhecimento de si” no Primeiro Alcibíades.Marcos Sidnei Pagotto-Euzebio - 2017 - Hypnos. Revista Do Centro de Estudos da Antiguidade 38 (1):93-108.
    O artigo busca apresentar as relações entre as exigências de cuidado-da-alma e a necessidade do conhecimento-de-si presentes no diálogo platônico Primeiro Alcibíades, indicando a forte ligação de tal aperfeiçoamento de si com o da pólis. Também as dimensões erótica, teológica, ética e política se encontram firmemente unidas no diálogo, visto que a formação do homem político exige o vínculo entre discípulo e mestre, sendo este o guia em direção ao reconhecimento da divindade, pois conhecer-se significa, ao final, conhecer a (...)
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
  50. O problema da autenticidade do conhecimento: uma breve apresentação.César Schirmer dos Santos - 2016 - Sképsis 9 (13):85-103.
    Minha proposta, nesta introdução a “Autoconhecimento e os limites da autenticidade”, texto de Sven Bernecker traduzido e publicado neste número de Sképsis, é dar razões para que defensores do anti-individualismo que sejam partidários da estratégia do autoconhecimento básico, no que diz respeito ao debate sobre a compatibilidade entre anti-individualismo e conhecimento de si, mudem de posição, e passem a defender anti-individualismo com teoria da autenticidade.
    Download  
     
    Export citation  
     
    Bookmark  
1 — 50 / 272